Tragédia em Brumadinho: 60 mortes confirmadas, 19 corpos identificados; lista tem 292 pessoas sem contato

Jornais estrangeiros repercutem tragédia brasileira

“Muitos ainda buscam por familiares e amigos. Eles se sentem mal informados e abandonados – é o caso de Suely de Oliveira Costa, cujo marido está desaparecido. […] ‘Ninguém me diz nada, ninguém dá respostas, estou desesperada. Parem de me dizer que tudo vai ficar bem, ele está morto, como tudo deve ficar bem? Meu Deus, primeiro a Vale destruiu Mariana, agora Brumadinho, e ninguém reage. Qual a próxima cidade que eles vão destruir?’

[…] O governador promete punições severas para os responsáveis e indenizações para as vítimas, mas o povo não acredita nele, porque também depois do desastre no Rio Doce [Mariana] não houve consequências.”

Süddeutsche Zeitung – O inferno parte 2, 27/01

“As imagens apocalípticas que agora rodam o mundo novamente não são conhecidas apenas dos brasileiros. Elas remetem fortemente ao rompimento da mina de minério de ferro de Mariana, há três anos. […]

No Brasil há, segundo dados oficiais, 24.092 barragens registradas. No mais recente relatório da Agência Nacional de Águas, responsável pela segurança das barragens, 723 dessas barragens são classificadas como “de alto risco”, e 45 como “com nível de alerta elevado”. A barragem do Feijão, que rompeu na sexta-feira, não estava entre elas, o que levanta a questão: quantas das minas de minério de ferro brasileiras são de fato bombas-relógios prestes a explodir?”

Handelsblatt – Indenizações podem pesar sobre a Tüv Süd, 26/01

“A questão da responsabilidade pela tragédia deve ser difícil de responder. A certificadora alemã Tüv Süd também será afetada. O CEO da Vale, Fabio Schwartsman, afirmou que a empresa de auditoria de Munique classificou a barragem como segura em setembro de 2018. A Tüv Süd confirmou ter sido encarregada pela Vale de inspecionar a barragem. ‘Segundo o que sabemos até agora, não foram constatadas deficiências’, disse um porta-voz. […]

O fato de mais uma barragem ter se rompido apenas três anos depois da catástrofe de Mariana também é um problema para o presidente Jair Bolsonaro, que tomou posse em 1º de janeiro. Afinal, o incidente é um obstáculo a seus planos de promover maciçamente a mineração no Brasil. Em contrapartida, ele pretende flexibilizar as normas ambientais e facilitar a concessão de licenças.”

The Guardian – Aumenta a angústia de familiares, 27/01

“Marconi Machado veio com três familiares em busca de notícias de seu sobrinho desaparecido, Wanderson da Silva, geólogo da Vale que se casaria em maio. […] Marconi ficou sabendo da tragédia quando vídeos e notícias começaram a circular no Whatsapp. Ele criticou a falta de informações.

‘O Brasil continuar sem aprender suas lições. O país tem oportunidades maravilhosas de construir sua história, mas insiste em cometer os mesmos erros. As pessoas recorrem a palavras, e não a ações’, disse.”

El Mundo – Tragédia numa barragem no Brasil, 27/01

“A paisagem nos arredores do antigo riacho de Feijão é desoladora. A onda de barro, de 12 milhões de metros cúbicos, inundou um vale inteiro. […] A lama avança lentamente em direção ao rio Paraopeba, que abastece a maioria das cidades da região. […]

‘Era uma tragédia anunciada, não é a primeira vez que acontece. Já é hora de alguém fazer alguma coisa. Chorei muito, tudo se acabou para sempre. Não nos resta nada”, disse João Baptista Maia, de 66 anos, se lembrando do que ocorreu em Mariana há apenas três anos.”

Le Monde – Ruptura de barragem reaviva controvérsia, 26/01

“Os brasileiros esfregam os olhos ao verem as imagens do desastre em Brumadinho, com a impressão de estarem revivendo a tragédia ocorrida no estado de Minas Gerais em novembro de 2015. […] A impressão de déja vu é ainda mais forte pelo fato de a mesma empresa estar na origem dessa nova tragédia: a gigante da mineração Vale, maior produtora mundial de minério de ferro e a mais importante empregadora na pequena Brumadinho, a 60 quilômetros de Belo Horizonte.

[…] ‘O presidente [Bolsonaro] terá que mudar seu discurso sobre a flexibilização das licenças de mineração’, diz Letícia Marques [professora de Direito Ambiental na PUC-SP]. ‘O que vejo é que população brasileira está indignada e quer mais controle.’ Uma população brasileira com raiva, mas também preocupada com a repetição dessas tragédias.”

Resumo

  • Barragem da mineradora Vale se rompeu na sexta-feira em Brumadinho (MG), e um mar de lama destruiu casas e vegetação da região.
  • Até o momento, há confirmação de 60 mortos; 19 foram identificados; há 292 desaparecidos, 192 resgatados e 382 localizados.
  • Lama removeu refeitório da Vale e pousada do local em que ela ficava; havia 35 pessoas no local; pontos da cidade seguem ilhados.
  • Buscas estão no quarto dia; 136 militares de Israel darão apoio aos bombeiros.
  • Vale suspendeu pagamento de dividendos e de bônus a executivos, e criou comitês para ajudar vítimas, reparar danos e descobrir responsáveis.

Informação sobre feridos no hospital Mater Dei, em Contagem:

Antônio Cândido: alta

Edmilson Resende de Souza: alta

Jailson Martins Patrick dos Reis: alta

Laercio Leonardo Morais: internado

Leandro Borges Cândido: internado

Marcos Roberto Silva Souza: alta

Marcos Roberto Andrade: alta

Ronan Otávio Goes: internado

Bombeiros confirmam 200 desaparecidos após rompimento de barragem

No total, 51 bombeiros militares e 06 aeronaves estão envolvidas nos resgates

O corpo de Bombeiros de Minas Gerais confirmou, na tarde desta sexta-feira (25/1), o desaparecimento de ao menos 200 pessoas, em decorrência do rompimento da barragem em Brumadinho, próximo a Belo Horizonte.

Segundo informou a corporação, o Centro Social do Córrego do Feijão, nas proximidades de um campo de futebol, foi usado para montar a operação. O campo está sendo utilizado como área de avaliação e triagem de vítimas para atendimento médico.

No total, 51 bombeiros militares e 06 aeronaves estão envolvidas nos resgates. Conforme os bombeiros de MG, “às 15h50 o rejeito atingiu o Rio Paraopeba”.

“Havia empregados na área administrativa, que foi atingida pelos rejeitos, indicando a possibilidade, ainda não confirmada, de vítimas. Parte da comunidade da Vila Ferteco também foi atingida”, afirmou a companhia em comunicado à imprensa.

Desastre

Mais cedo, nesta sexta, a barragem Mina Feijão explodiu no município mineiro. O desastre espalhou lama pela cidade e fez alguns moradores deixarem as casas – os que residem na parte mais baixa da região. Equipes de bombeiros e da Defesa Civil foram mobilizadas para a área e estão em busca de vítimas.

A Prefeitura Municipal de Brumadinho chegou a pedir, por meio das redes sociais, que a população da cidade mantenha distância do Rio Paraopeba, um dos principais afluentes do Rio São Francisco. Até o momento, não há informações sobre o número de feridos.

Fonte: metropoles

Três anos após barragem se romper, 1,8 mil pescadores estão sem auxílio

Produtores precisam fazer um cadastro junto à Fundação Renova, mas somente é contemplado depois de passar pelo Programa de Indenização Mediada (PIN)

Após mais de três anos do rompimento da barragem da Samarco, em Mariana (MG), cerca de 1.800 pescadores do Espírito Santo ainda não receberam auxílio da Fundação Renova, disse Cláudio Alvarenga, presidente da Federação das Colônias de Pescadores Artesanais do Espírito Santo (Fecpaes).

Alvarenga explicou que, após a criação da Renova, cujo objetivo é executar a reparação dos danos provocados pelo rompimento da barragem, o pescador precisa fazer um cadastro junto à fundação, mas ele somente é contemplado depois de passar pelo Programa de Indenização Mediada (PIN), no qual preenche os requisitos para receber o auxílio emergencial. “Tem muita gente que ainda não recebe ajuda”, disse.

Segundo o presidente da Fecpaes, cerca de 4.800 pescadores no Estado foram prejudicados. “Destes, se contarmos os acordos firmados e os que recebem o auxílio emergencial, temos 1,8 mil que estão sem nenhum tipo de ajuda”, disse.

Defesa

Procurada, a Fundação Renova, disse, em nota, que “os atingidos que realizaram o cadastro e foram ou venham a ser considerados diretamente atingidos, nos termos do que dispõe o Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), terão seus processos analisados e, se forem elegíveis aos Programas de Indenização Mediada (PIM) e de Auxílio Financeiro Emergencial (AFE), serão convocados para atendimento, na medida em que as políticas de indenização para cada grupo de atingidos forem sendo definidas”.

Ainda segundo a fundação, até o momento, cerca de 3,8 mil pescadores no estado do Espírito Santo foram reconhecidos como atingidos, tendo direito ao Auxílio Financeiro Emergencial (AFE) e/ou ao Programa de Indenização Mediada (PIM). Foi desembolsado o total de R$ 380 milhões, entre indenizações e auxílios financeiros emergenciais, para a categoria.

Fonte: noticiasaominuto

Professor universitário é espancado e morre em MG; homofobia é apurada

A vítima foi encontrada na residência onde vivia, em Ouro Preto, Grande BH, por vizinhos; um suspeito foi preso até o momento

Após ser brutalmente agredido dentro de casa, Haroldo de Paiva Pereira, professor de Artes do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), não resistiu à agressão, cometida no último domingo (31), e morreu, nesta quinta-feira (17), no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, em Belo Horizonte. A vítima foi encontrada na residência onde vivia, em Ouro Preto, Grande BH, por vizinhos. Um suspeito foi preso até o momento.

Segundo informações do G1, o educador é conhecido, também, pela luta contra a homofobia. Ele apresentava ferimentos no rosto e na cabeça. O delegado responsável pelo caso, Isaias Confort Costa, afirmou que o autor do crime, Rafael Luís Oliveira Fernandes Ferreira, foi detido no imóvel onde mora. Ele já tem passagem pela polícia por roubos e tráfico de drogas e estava em liberdade condicional.

A motivação ainda não foi esclarecida. Conforme Costa, tanto a vítima quanto o suspeito estariam no mesmo bar na noite anterior ao crime. De acordo com a investigação, os dois teriam seguido juntos para a casa de Haroldo. Rafael disse que houve um desentendido antes da agressão. Após o crime, ele teria levado a moto do professor. “Tivemos informações de comentários de homofobia. A linha mais direta é de latrocínio”, disse o delegado.

Nota de pesar

O IFMG divulgou nesta manhã uma nota de pesar. “A Direção-Geral está no Hospital João XXIII, a fim de dar todo apoio a família. O IFMG – Campus Ouro Preto solidariza com a família enlutada”, afirmou a instituição.

Fonte: noticiasaominuto

Paciente diz ter sido operada do joelho errado em Juiz de Fora (MG)

Maria Aparecida Vale contou que erro teria acontecido mesmo com a sinalização por uma marca feita pela enfermeira

Uma manicure de 49 anos diz que teve o joelho errado operado nesta terça-feira, 15, no hospital da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). Maria Aparecida Vale contou que foi internada para uma cirurgia no joelho esquerdo, mas o médico teria operado o direito.

Segundo ela, após notarem o erro, ele operou também o esquerdo. Assim, ao final da internação, os dois joelhos estavam enfaixados e tinham passado por procedimento cirúrgico. Foi assim, que ela obteve alta e deixou o hospital na manhã desta quarta-feira (16).

O erro teria acontecido mesmo com a sinalização por uma marca feita pela enfermeira. “Como estava sedada, só vi a cirurgia errada quando acabou o efeito da anestesia”, explicou sobre o primeiro procedimento. Ela chamou o médico e o avisou e, em seguida, passou pela outra operação.

A cirurgia foi realizada após oito meses na fila de espera e a família pretende agora processar o hospital. Uma advogada já foi contratada e informou que a ação, para obter indenização por danos morais e materiais, relatará a demora na realização do procedimento e o erro.

Investigação

O Hospital Universitário, que tem como gestora a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), diz que o caso está sendo apurado. A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) informou ter cobrado da superintendência do hospital a “apuração rigorosa” da denúncia.

Fonte: noticiasaominuto

Menino de 10 anos morre com tiro acidental disparado por primo

O jovem encontrou a espingarda do pai em cima de uma mesa de sinuca que fica na casa onde moram

Uma criança de 10 anos foi morta com um tiro acidental disparado pelo próprio primo em Simonésia, Minas Gerais. A vítima, Willian Ferreira de Carvalho, foi atingida pelo parente de 17 anos.

De acordo com a Polícia Militar, o jovem encontrou a espingarda do pai em cima de uma mesa de sinuca que fica na casa onde moram. Ele disparou, inicialmente, em direção a uma plantação, mas a arma não disparou.

Acreditando que o objetivo estivesse descarregado, ele apontou para o primo, atirando novamente. Porém, dessa vez houve o disparo e o menino foi atingido no peito. Willian ainda foi levado até a unidade de saúde da cidade, mas não resistiu.

Ainda segundo a PM, o adolescente quebrou a arma diante do transtorno causado pelo acidente. Testemunhas afirmam que o pai dele mantinha a espingarda na mesa para matar animais que atrapalhavam a plantação. O suspeito foi apreendido pela polícia, tendo o pai se apresentado posteriormente.

O caso será investigado pela Delegacia de Polícia Civil de Manhuaçu. As informações são do Extra.

Fonte: metropoles

Justiça interdita penitenciária de segurança máxima em MG

A penitenciária de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi interditada pela Justiça de Minas Gerais. A justificativa da decisão, tomada pelo juiz Wagner de Oliveira Cavallieri, é a superlotação e o número insuficiente de agentes penitenciários. A Nelson Hungria tem capacidade para cerca de 1.640 detentos, Atualmente, no entanto, abriga aproximadamente 2 mil.

A decisão foi tomada pela comarca local nesta segunda-feira (24/12) depois de uma tentativa de fuga ocorrida na madrugada. Um detento ficou ferido ao cair tentando escapar utilizando uma corda feita de retalhos. Também em dezembro, no dia 8, sete presos fugiram da penitenciária.

Com a medida, a Nelson Hungria está autorizada a receber apenas presos enviados pela Polícia Federal, portadores de diploma de curso superior ou permutas previamente definidas pela Vara de Execuções Penais de Contagem. A medida vale até que o número de presos volte a 1.640 e o número de agentes, hoje de aproximadamente 550, atinja o total de 600 profissionais.

A Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) afirmou que recebeu a notificação e que cumprirá as determinações judiciais. Conforme a secretaria, “está em andamento um processo seletivo para o cargo de agente de segurança penitenciário”.

Ainda segundo a Seap, “o Complexo Penitenciário Nelson Hungria é uma das unidades prisionais do Estado que mais receberam investimentos ao longo deste ano”.

De acordo com a pasta, foram entregues 26 computadores, quatro banquetas detectoras de metais e mais 40 rádios digitais que somaram aos já existentes. “Também já está contratada a empresa que realizará a instalação de equipamentos de monitoramento por imagens no complexo. Além das novas viaturas, armamentos e reformas prediais”, afirmou a secretaria, em nota.

Fonte: metropoles

Filho de 13 anos de babá confessa ter estuprado menina de 7 por várias vezes

Um adolescente de 13 anos confessou, na noite dessa quarta-feira, ter estuprado, por várias vezes, uma garota de 7 anos em Lagoa Formosa, na Região do Alto Paranaíba. O suspeito é filho da babá da garota, que morava na casa ao lado da família da vítima.

De acordo com a Polícia Militar, por volta das 17h, a mãe da garota foi até a casa da babá para buscar sua filha, que alegava dores na região da genitália. Já com a menina, a mulher, indignada, a levou ao Hospital Municipal Dr. Bininho, afirmando aos médicos que sua filha teria sido abusada sexualmente.
Após exames, a médica constatou o estupro e acionou o Conselho Tutelar da cidade e Polícia Militar. A garota teve o hímen rompido e pequenas lacerações na vagina.
Em conversa com os conselheiros, a criança relatou que, naquele dia, o adolescente teria praticado sexo anal, oral e vaginal com ela. O suspeito, que também estava no hospital junto com sua mãe, confessou que mantinha relações sexuais com a menina.
Ainda segundo a corporação, após os exames, a garota foi encaminhada ao Hospital Regional de Patos de Minas. Já o adolescente foi apreendido e conduzido, com sua mãe, à delegacia de Polícia Civil.
A Polícia Civil informou que, após prestar depoimento aos investigadores, o menor continuou apreendido e será apresentado ao Ministério Público, para que o ógão possa apresentar um parecer sobre o caso.
As informações são do Estado de Minas

Sem indenização, vítimas de Mariana pescam em área contaminada e já acumulam R$ 833 mil em multas

Pescadores e donos de barcos do Espírito Santo, vítimas da tragédia de Mariana (MG), têm recebido multas ambientais que chegam individualmente a R$ 40 mil. Segundo o Ibama, parte dos trabalhadores está atuando em uma área cuja pesca é proibida por causa da contaminação da água com os rejeitos da barragem que se rompeu há três anos.

Desde fevereiro de 2016, quando a Justiça proibiu a pesca na foz do rio Doce, o Ibama aplicou 110 multas por pesca ilegal na área interditada. Na soma de todas as infrações, o valor das penalidades chega a R$ 833 mil. Entre 2017 e 2018, por exemplo, foram aplicadas 19 multas, totalizando R$ 339 mil. Os dados são do Ibama.

Já os pescadores e empresários reclamam de “excesso” de multas e fiscalização quando, por outro lado, tiveram suas vidas despedaçadas pela tragédia. A maioria deles hoje tem dificuldade em se manter com a pesca e ainda não receberam qualquer indenização pelos danos causados pela lama.

A área de proibição, de cerca de 200 km², vai do distrito de Degredo, em Linhares, até Barra do Riacho, em Aracruz, ambas no Espírito Santo. A pesca também é proibida até a profundidade de 20 metros no mar.

Alguns pescadores aposentaram os barcos por estarem atolados em multas e sem opção de pesca na área. Dona de um barco, Norma de Alvarenga, de 60 anos, é um desses casos.

Ela e seu filho tinham uma renda mensal de R$ 8.000 pescando camarão do tipo sete barbas na foz do rio, na praia de Suá, em Vitória – a 434 km de Mariana. Foram multados duas vezes pelo Ibama – uma de R$ 1.800, e outra de R$ 4.800.

“Eu tinha uma vida equilibrada, tinha plano de saúde, meu filho fazia faculdade. Hoje, depois do acidente, a gente não consegue mais pescar e precisei cancelar o plano e o curso dele”, diz à BBC News Brasil.

Segundo os pescadores, há três situações em que os trabalhadores continuam atuando.

Eles podem ir para pontos mais distantes da costa, longe da área proibida, mas a viagem tem custo maior e nem sempre é rentável financeiramente. Outros preferem se arriscar dentro do perímetro delimitado pelo Ibama e podem ser alvo da fiscalização. Há também trabalhadores multados por pescarem camarão rosa sem licença ambiental, em substituição ao sete barbas, que é mais abundante na foz do rio.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA NA BBC.

Homem é preso por matar companheira e filhos estrangulados em MG

Um homem de 43 anos foi preso nesta quarta-feira, 28, sob a acusação de matar a esposa de 17 anos e os dois filhos, uma menina de um ano e meio e um menino de 6 meses. As vítimas foram encontradas estranguladas na casa onde moravam, no bairro Vila Monteiro, município de Lima Duarte (MG).

Os corpos foram descobertos por vizinhos que estranharam o mau cheiro que saía do local e acionaram a Polícia Militar. O crime foi cometido no último sábado, 24, e o suspeito teria continuado no imóvel sem se preocupar com os cadáveres.

Policiais contaram que a residência estava revirada e havia alguns móveis quebrados. A mulher, Talia Aparecida do Nascimento e os filhos, Sophia Gabriele da Silva e Calebe Emanuel da Silva, encontravam-se sobre a cama do casal.

Vizinhos contaram que o autor era ciumento e não deixava a mulher sair de casa. A polícia também recebeu informações de que a mulher estaria grávida, mas esta e outras questões somente serão confirmadas quando saírem os laudos de exames feitos no corpo.

História

O suspeito, que não teve o nome revelado, morava no Rio de Janeiro e conheceu a mulher através de página de bate-papo na internet. Há cerca de quatro anos ele teria se mudado para morar com ela em Minas.

Ele não reagiu ao ser preso e foi levado para uma delegacia de Juiz de Fora (MG), onde teria confessado o crime. Segundo o delegado José Márcio de Almeida Lopes, ele alegou sofrer de depressão e garantiu estar arrependido do que fez, mas responderá por triplo homicídio com agravantes.

Fonte: noticiasaominuto