Apenados iniciam motim no presídio Urso Branco de Porto Velho

O clima é tenso no local

Um início de motim ocorre na manhã desta quinta-feira (24) no presídio Urso Branco (José Mário Alves) em Porto Velho.

Vários apenados incendiaram colchões em celas de pavilhões diferentes da penitenciária. O ato seria em revolta pela proibição de visitas no complexo penitenciário. Existe motim ainda em outros presídios como Aruana e Urso Panda.

Um grupo de mulheres também faz manifesto na região dos presídios interditando a Estrada da Penal. O clima é tenso no local.

Internos fazem rebelião em unidade da Fundação Casa em SP

Os adolescentes fizeram dois funcionários de refém e atearam fogo a uma sala do estabelecimento

Um grupo de internos iniciou uma rebelião na unidade Jatobá da Fundação Casa, no complexo que fica na região da Rodovia Raposo Tavares, na zona oeste da capital paulista. Segundo a instituição, o motim começou por volta das 19h de ontem (21) e só foi encerrado na madrugada de hoje (22), às 3h30.

Os adolescentes fizeram dois funcionários de refém e atearam fogo a uma sala do estabelecimento. Dois trabalhadores foram levados ao pronto-socorro, intoxicados pela fumaça. A instituição não informou sobre as reivindicações dos jovens.

A Corregedoria da Fundação Casa instaurou uma sindicância para apurar o caso. Os adolescentes envolvidos vão passar por uma comissão de avaliação disciplinar que pode resultar na aplicação de sanções.

A Fundação Casa afirma que a unidade não sofre com superlotação, Com capacidade de internação para 64 jovens, atualmente mantém 50 adolescentes.

Fonte: agenciabrasil

Rebelião em presídio no Pará termina com sete detentos mortos

Motim aconteceu após tentativa de fuga na unidade prisional de Altamira e deixou outros três presos feridos

Sete detentos morreram e outros três ficaram feridos em uma rebelião no Centro de Recuperação Regional de Altamira (CRRALT), no sudoeste do Pará, na madrugada e manhã desta terça-feira (18/9). Durante o motim, um grupo de 16 presos tentou fugir da unidade, sem sucesso.

Segundo a Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), detentos da cela 3, do bloco A, tentaram fugir do presídio pela janela de ventilação do local por volta da 1h30. Os agentes prisionais de plantão flagraram a movimentação pelas câmeras de segurança e acionaram a Polícia Militar, que impediu a saída.

Os presos, então, correram em direção ao bloco do semiaberto e atearam fogo na sala do gerador de energia e no galpão de alojamento. No motim, parte das celas e das grades da unidade, além da enfermaria e da secretaria, foram depredadas.

A Susipe informou que o incêndio foi controlado pelo Corpo de Bombeiros por volta das 4 horas. Já a rebelião foi encerrada às 9h40, quando os detentos se entregaram após negociação. Ao todo, 120 presos participaram do motim.

“Os detentos reivindicaram celeridade na análise dos processos penais pela Justiça”, afirmou a superintendência, em nota. “Uma recontagem e revista é realizada na unidade prisional com o apoio de policiais da Companhia de Operações Especiais (COE) da PM que se deslocaram de Belém até Altamira.”

A Susipe não confirma, até o momento, nenhuma fuga. De acordo com a Diretoria de Administração Penitenciária do órgão, seis detentos foram mortos por outros presos e um morreu carbonizado. Os corpos foram encaminhados para identificação no Instituto Médico Legal (IML).

Outros três detentos tiveram ferimentos e foram levados para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Altamira. Segundo a Susipe, a unidade prisional custodia 374 presos – a capacidade é para apenas 208. “Um inquérito policial será aberto para investigar o caso”, informou.

Fonte:metropoles