Rosinha Garotinho é levada para a cadeia pública em Benfica, no Rio

A ex-governadora do Rio e ex-prefeita de Campos dos Goytacazes, Rosinha Garotinho (PR), começou a ser transferida para a ala feminina da Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, no Rio. Ela saiu por volta das 18h do presídio feminino de Campos, no Norte Fluminense, onde passou a tarde.

Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), dali a ex-governadora ainda pode ser transferida para outra unidade. Rosinha e o também ex-governador Anthony Garotinho foram presos em ação da Polícia Federal (PF) na manhã de quarta.

A ação faz parte de uma investigação que indica a existência de um esquema de contratos fraudulentos firmados entre empresas para repassar dinheiro para campanhas eleitorais.

O Ministério Público do Rio e a Polícia Federal apuram crimes eleitorais cometidos por Garotinho e seu núcleo político. Foram presos preventivamente: Garotinho; Rosinha; Suledil Bernardino, ex-secretário de governo da Prefeitura de Campos dos Goytacazes; e mais duas pessoas. Outros mandados ainda são cumpridos.
Garotinho e Rosinha são suspeitos de corrupção, concussão, participação em organização criminosa e falsidade na prestação das contas eleitorais. Segundo a denúncia, a JBS firmou contrato fictício com uma empresa para repassar R$ 3 milhões para a campanha de Garotinho, em 2014.

O presidente do PR, Antônio Carlos Rodrigues, também é alvo de mandado de prisão por irregularidades na prestação das contas

O esquema ainda envolveu empresas com contratos com a Prefeitura de Campos; a denúncia diz que o grupo usava até armas de fogo para cobrar propina de empresários

Os beneficiários do esquema seriam Garotinho e o grupo político liderado por ele. Os ex-governadores são acusados de corrupção, organização criminosa e falsidade na prestação de contas eleitorais.
A investigação conduzida pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Estadual (MP-RJ) aponta que Garotinho cobrava propina de empresários em licitações da Prefeitura de Campos dos Goytacazes e, depois, pedia dinheiro para que os contratos fossem honrados.

Participação no esquema, segundo MP

Anthony Garotinho
Comandava a Organização
Autorizava ou vetava pagamentos de acordo com a conveniência polícia
Determinava as funções de cada integrante da organização

Rosinha Garotinho (Prefeitura entre 2009 e 2016)
Compartilhava informações com Garotinho
Articulava com ele empréstimos bancários
Detinha prerrogativas: chaves, senhas e autoridade para determinar como o município de Campos dos Goytacazes seria conduzido.

Ney Flores
Atuava na arrecadação de dinheiro para campanha (entre 2012 e 2014).
Como sócio em empresa de engenharia, possuía contratos milionários de obras com o município.

Antonio Carlos Ribeiro “Toninho” –
Era o braço armado da Organização.
Fazia a cobrança dos valores ‘devidos’ pelas empresas.
Como sócio em empresa de construção, possuia contratos milionários de obras com o município.

Thiago Godoy
Intermediava questões políticas e financeiras entre empresários e Garotinho. Foi subsecretário de Garotinho (2015 e 2016) e coordenador das campanhas em 2014 e 2016.

Suledil Bernadino
Cumpria ordens de Rosinha e Garotinho relativas à execução ou não de pagamentos às empresas, gerando situação de dependência com obrigatoriedade de realização de doações para campanhas eleitorais.

Antonio Carlos Rodrigues
Presidente Nacional do Partido da República. Negociou com Garotinho e com a JBS a doação de dinheiro, oriundo de propina, para a campanha de Garotinho ao Governo do Estado do Rio, em 2014.

Fabiano Alonso
Genro de Antônio Carlos Rodrigues, foi incumbido de preparar a fraude com Garotinho e o grupo e dissimulação de entrega de dinheiro para campanha de 2014 sob a roupagem de um contrato de prestação de serviço com a empresa Ocean Link.

G1/RJ

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário