Súmulas vinculantes desequilibraram poderes, diz Alexandre de Moraes
STF 

As Súmulas Vinculantes, criadas com a Emenda Constitucional 45/2004, desequilibraram o sistema de freios e contrapesos que rege o tripé dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. A afirmação é do ministro Alexandre de Moraes, para quem, a mudança permitiu que, de certa forma, o STF legislasse.

Essa “super competência” já foi citada anteriormente pelo constitucionalista português Carlos Blanco de Morais em entrevista à ConJur. Segundo o jurista, “o STF pode até substituir-se a Deus e à dogmática jurídica, julgando normas inconstitucionais e depois repô-las em vigor quando se percebeu a existência de certos efeitos indesejáveis”.

Moraes também criticou as interpretações abrangentes feitas por membros do Judiciário. “Uma coisa é a interpretação constitucional, outra é o ativismo judicial”, disse durante sua palestra no IV Colóquio sobre o Supremo Tribunal Federal, organizado pela Associação dos Advogados de São Paulo na segunda-feira (4/12), na capital paulista.

Ele defendeu a possibilidade de serem feitas interpretações do conteúdo sistêmico das leis e adaptações com o passar do tempo — que fazem parte da evolução jurisprudencial —, mas criticou a falta de limites nesses entendimentos, muitas vezes amplos demais.

O problema da interpretação das normas conforme preceitos de momento, para o ministro, é que “amanhã, podemos não concordar com as decisões do Supremo”. Segundo ele, essas práticas, se ilimitadas, permitem ao juiz, em alguns casos, tomar a liberdade do que ele classificou de “acho que, não gosto de…”

“Pode interpretar, pode evoluir, mas não pode esquecer aquilo que está escrito expressamente”, explicou. Destacando que o ativismo não é feito só no STF, “mas também pelo juiz de primeira instância”, Alexandre de Moraes citou como um dos exemplos desse ativismo a proibição à cláusula de desempenho, criada com a Lei dos Partidos Políticos (Lei 9.096//97).

Ele explicou que, à época da decisão, o entendimento pode até ter agradado a todos, por conta das repercussões que teria naquele momento. Mas o tempo passou, continuou, e uma sucessão de decisões do STF e do Tribunal Superior Eleitoral resultaram em 29 partidos políticos no Congresso, 36 criados e mais 50 na fila do TSE.

“Há partidos absolutamente insignificantes que vendem seu tempo de TV ou vão ao debate bater língua de trapo […] Não se deve aplicar ativismo à política eleitoral, porque não se sabe quais os efeitos sobre o Congresso”, afirmou.

Ator ou moderador

Esse mesmo argumento foi usado por Moraes em seu discurso na XXII Conferência Nacional da Advocacia, na última semana, também em São Paulo. Ele defendeu que o Judiciário não crie interpretações a partir das próprias crenças para conseguir julgar normas inconstitucionais.

Na ocasião, ele defendeu que o Supremo evitasse virar principal ator político do país, mesmo “neste momento histórico, em que temos um Congresso Nacional sem nenhum apoio”, disse. Para o ministro, não se pode “confundir jamais o continente [a democracia] com o conteúdo [parlamentares envolvidos em ilícitos]”.

“Discordar de uma lei e trocá-la por outra é uma opção legitima do legislador”, afirmou. “Podemos discordar ou não do tratamento dado a uma matéria. Mas daí a dizer que ele é inconstitucional, há uma distância. Uma distância que pode ser reduzida quando utilizam de forma ampla princípios gerais.”

Anúncios
Painel Político, principal fonte de informações políticas de Rondônia. Com noticiário completo sobre economia, variedades e cultura.

Participe do debate. Deixe seu comentário