Suspeito de homicídio de militar é solto por falta de provas

Segundo testemunhas, homem auxiliou padrasto da vítima a cometer crime. Soldado foi morto ao buscar farda para participar de desfile de 7 de setembro. 

O suspeito de ter ajudado a matar um soldado da aeronáutica de 19 anos em uma casa no bairro São Sebastião na última segunda-feira (7), em Porto Velho, foi solto por falta de provas. Segundo o despacho do delegado plantonista da Central de Flagrantes da Polícia Civil, as evidências apresentadas foram insuficientes para atribuir a autoria do homicídio ao detido. O principal suspeito do crime é o padrasto da vítima, que está foragido.
O crime aconteceu na manhã de segunda, quando o rapaz foi buscar o uniforme militar na casa onde vivia com a mãe para participar do desfile do Dia da Independência. De acordo com vizinhos, a vítima não morava mais na residência, mas ainda tinha roupas no local. O padrasto teria chegado à casa com um amigo e chamou o jovem. Como o soldado não atendeu, a dupla arrombou a porta. Logo em seguida, um grito foi ouvido.

Cerca de duas horas depois, o militar foi encontrado pela polícia dentro do imóvel morto, com um saco plástico envolto na cabeça e um ferimento de faca na região do tórax. No local do crime foi apreendida uma faca quebrada e suja de sangue e um crachá em nome do padrasto do soldado morto.
Devido a relatos de testemunhas, agentes fizeram buscas nas proximidades da casa e conseguiram deter o amigo do padrasto da vítima, que teria auxiliado na execução do crime. O homem foi encontrado pelos policiais com lesões que aparentavam ter sido causadas por luta corporal.
Entretanto, o detido negou participação no crime. Além disso, no despacho do delegado, consta que o suspeito não tem passagens pela polícia, possui residência fixa e que as provas apresentadas foram frágeis para lavrar um auto de prisão. Ele foi encaminhado para realizar corpo de delito e depois liberado. As peças apreendidas foram encaminhadas para a Delegacia de Homicídios, que vai investigar o caso.
Relacionamento
Uma tia da vítima, que preferiu não se identificar, disse que o soldado e o padrasto não tinham um bom relacionamento. Ela conta que, por isso, ele e a mãe foram morar em outro local. O jovem se formou na última turma de soldado da Base Aérea de Porto Velho. O rapaz participaria pela primeira vez de um desfile do Dia da Independência como militar no dia do crime.

Com informações do G1

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário