Evento com Feliciano é cancelado após suspeita de assédio sexual

Ele era o convidado da Semana Municipal da Família, que começaria na sexta-feira (12) em Cascavel

O pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) estaria presente em um evento em Cascavel, no oeste do Paraná. No entanto, devido a denúncia de uma estudante contra Feliciano, a participação do pastor foi cancelada.

A estudante de direito e militante do PSC Patrícia Lélis acusa o deputado federal de assédio sexual.

O evento em questão era a Semana Municipal da Família, que começaria na sexta-feira (12).

Cerca de 800 pessoas eram esperadas para o evento. O cancelamento foi anunciado no Facebook. “O evento em comemoração dos 15 anos da Loja Ebenezer que aconteceria no dia 12 de agosto com a presença do Pastor Marco Feliciano está cancelado. Aguardamos o esclarecimento das denúncias envolvendo o nome do palestrante. Agradecemos àqueles que se inscreveram.”

Marcos Feliciano é acusado de violência sexual por jovem de 22 anos

Funcionários do PSC confirmaram que o número era mesmo o usado pelo pastor-deputado, que trocou de telefone após o episódio

Uma militante do PSC, de 22 anos, acusa o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) de assédio sexual, agressão grave e tentativa de estupro.

Ela frequenta a mesma igreja que o pastor, que teria proposto ser seu guia espiritual. O episódio da violência, segundo relatou, aconteceu no dia 15 de junho no apartamento funcional do parlamentar, em Brasília.

feliciano
Marcos Feliciano é pastor e deputado federal

A mulher contou à imprensa que recebeu uma proposta para ser amante de Feliciano, com alto salário e cargo comissionado no PSC, mas, com a negativa, o pastor a agrediu com um soco e tentou puxá-la pelo braço para a suíte dele. A jovem disse que começou a gritar até que uma vizinha tocou a campainha para saber o que estava acontecendo.

  • OAB pede a cassação de Marco Feliciano e Jair Bolsonaro  
  • Depois disso, ela o procurou em uma conversa pelo WhatsApp. Em um encontro há poucas semanas, segundo narrou, Feliciano pegou o seu celular à força e apagou todas as mensagens entre eles, mas ela conseguiu resgatá-las no ICloud de seu computador.

Funcionários do PSC confirmaram que o número era mesmo o usado pelo pastor-deputado, que trocou de telefone após o episódio. “Ele estava diferente, com os olhos vermelhos. Ele queria que eu terminasse com meu namorado e ficasse com ele”, disse a mulher à reportagem.

  • Exclusivo: 93 deputados faltaram um ano de mandato

     

    Segundo o jornalista Leandro Mazzini, que acompanhou o caso, ela procurou ajuda com importantes nomes do partido, que a mandaram “sumir”. Também teria sido convencida por Emerson Biazon, ligado ao deputado, a não fazer boletim de ocorrência. Em seguida, o repórter revelou que ela saiu de Brasília, retirou sua página do Facebook do ar e tem se mantido isolada desde então.Uma postagem no Twitter feita por uma moça que se identifica como “Patrícia Lélis” e afirma ter sido ela a vítima do pastor, a moça nega e elogia Feliciano, “por favor não propaguem mentiras”. Veja:


    Confira na galeria as conversas divulgadas pela jovem