Suzane Richthofen e Anna Carolina Jatobá voltam à prisão após ‘saidinha’

Cinco dias após deixarem a penitenciária em Tremembé (SP), as detentas Suzane von Richthofen, condenada pela morte dos pais; e Anna Carolina Jatobá, condenada pela morte da enteada Isabella Nardoni, retornaram à unidade na tarde desta segunda-feira (16). Elas receberam o benefício da saída temporária de Dia das Crianças.

O prazo para o retorno das internas do semiaberto, regime em que ambas cumprem pena, era até 17h desta segunda.

Caso não voltassem, seriam consideradas foragidas e perderiam o direito às saídas temporárias.

Conforme apurou o G1, Suzane voltou ao presídio por volta de 15h30 e Anna Carolina Jatobá por volta de 16h20.

SAP

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) foi procurada pela reportagem para dar informação sobre a volta das presas e disse em nota que os processos delas estão sob sigilo de Justiça.

“Ressaltamos ainda que informações de saída temporária só são repassadas após a volta de todos os presos do Estado”, afirmou a pasta em nota.

‘Saidinha’

Na saída, na última quarta-feira (11), Suzane foi recebida pelo namorado, que foi buscá-la em um carro preto. Ela saiu por volta das 8h.

Na saída, Anna Carolina Jatobá foi recebida por uma mulher – ela não foi identificada. Ambas não deram entrevista.

Fonte: g1

Michel Temer publica foto de quando era criança e vira motivo de piada

O presidente Michel Temer (PMDB) resolveu aderir à moda de substituir a foto do perfil no Facebook por uma de quando era criança e foi alvo de bullying na rede. A imagem teve mais de 14 mil curtidas e cerca de 5 mil comentários, a maior parte deles é repleta de ironias.

“Olha só para a serenidade no olhar de quem, 100 anos mais tarde, iria foder o país!”, disse uma seguidora nos comentários. “Já existia câmeras naquela época?”, questionava outra pessoa. Alguns falaram da denúncias às quais o presidente responde. “Desde pequeno já tinha cara de delinquente… Agora é um dos maiores formadores de quadrilhas da história do país! Parabéns!”, afirmou um internauta.

Na imagem, não há informações de quando a foto foi tirada nem o local. Além dos comentários, muitos usuários aproveitaram para promover “vomitaços”. Segundo a última pesquisa do Datafolha, o governo Temer tem apenas 5% de aprovação.

 Fonte: metropoles

Madrasta de Isabella Nardoni é autorizada a deixar prisão na ‘saidinha’ de Dia das Crianças

Anna Carolina Jatobá, condenada a 26 anos e 8 meses de prisão pela morte da enteada Isabella Nardoni, foi autorizada a deixar a penitenciária em Tremembé (SP), nesta quarta-feira (11), na saída temporária de Dia das Crianças. Essa será a primeira vez que a detenta deixa a prisão desde a concessão do regime semiaberto.

A informação foi apurada pelo G1 na semana em que a Justiça impôs sigilo ao processo da presa. O pedido foi feito pela defesa de Anna Carolina.

A presidiária é interna da Penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, a P1 feminina, desde 2008 – a unidade é conhecida por abrigar presas de casos de grande repercussão, como Suzane von Richthofen, condenada pela morte dos pais; e Elize Mtsunaga, que matou e esquartejou o marido.

Anna Carolina deve deixar o presídio nesta quarta (11), a partir das 7h, com retorno previsto à unidade até as 17h da próxima segunda-feira (16). Ela deve passar o período com os filhos de 10 e 12 anos, que moram com os pais na capital.

O advogado da presa, Roberto Podval, foi procurado por telefone, mas preferiu não comentar o assunto.

A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) informou que o processo da presa Anna Carolina Jatobá está sob sigilo de Justiça e que a pasta somente cumpre as decisões judiciais.

Marido

O marido de Anna Carolina Jatobá e pai de Isabella Nardoni, também condenado pela morte da menina, cumpre pena em regime fechado na Penitenciária 2 de Tremembé.

Ele pode pedir progressão de regime em julho de 2019, quando tiver cumprido 2/5 da pena.

Caso Isabella

Em 29 de março de 2008, Isabella foi jogada da janela do apartamento do casal, no sexto andar de um prédio no bairro do Carandiru, na Zona Norte de São Paulo. Os condenados negam o crime. Eles alegam que uma outra pessoa entrou na residência e matou a criança.

A acusação se baseou em provas periciais produzidas pela Polícia Civil. Para o Ministério Público, Anna Jatobá esganou Isabella Nardoni e Alexandre jogou o corpo da filha pela janela. Antes, o casal teria cortado uma tela de proteção do apartamento.

Fonte: g1

Cuidados a tomar na hora de presentear a criança com um pet

Pais que pretendem dar um bicho de estimação para as crianças no próximo dia 12 devem tomar muito cuidado ao decidirem comprar um animal para o seu filho, seja ele um cão, gato, tartaruga ou papagaio.
Além de precisarem pensar nos custos que terão para adquirir e manter o animal, é necessário debater se o novo integrante da família terá qualidade de vida ao conviver com a criança, que terá de desenvolver um senso de responsabilidade para cuidar do bichinho.

A data comemorativa é um grande impulso nas vendas de pets em lojas especializadas. No entanto, segundo especialistas ouvidos pelo G1, a compra deve ser feita com responsabilidade para que se evite o abandono de animais.

“Nessas épocas festivas, os pais acabam dando animais para crianças de forma impulsiva, porque o filhote é bonito ou porque o amiguinho tem um. Esta decisão [de comprar animal] tem que ser de todos da família, porque isso evita o abandono”, explica Rodrigo Filippi Prazeres, médico veterinário especialista em animais de pequeno porte, silvestres e selvagens.

Bonito, mas não tão barato
Viviane Cintra Almeida, 50 anos, proprietária do canil Encrenquinha’s, em São Paulo, explica que ao escolher um cão para se juntar à família, o dono terá que cumprir alguns “protocolos de sobrevivência”, entre eles o de passear com o cachorro ao menos duas vezes ao dia, por exemplo.

Pensar nos gastos também será necessário. Se a família optar por um pet da raça poodle, ele terá de desembolsar cerca de R$ 2 mil pelo filhote e se preparar para um gasto médio anual de R$ 1.400, referente a alimentação, banhos quinzenais e aplicação de vacinas contra viroses, gripe, raiva e giárdia (um tipo de protozoário).
Se o escolhido for um cão de porte maior, como um golden retriever, um filhote chega a custar pelo menos R$ 2.500, e os gastos anuais aumentam podem aumentar cerca de R$ 3.600. Por ser um animal de grande porte, a quantidade de comida e o gasto com banhos em pet shop são maiores.
Ter um gato pode ser mais econômico e menos trabalhoso do que ter um cão. No entanto, os cuidados são os mesmos.
Cristina Facchini, 45 anos, proprietária do Gatil Ágata, em Juquitiba, interior de São Paulo, estima um gasto médio anual de R$ 1.000 com um gato na fase adulta. No valor está embutido custos com ração, um banho por mês em pet shop, compra de areia sanitária e aplicação de vacinas.

Ela explica que é preciso escolher gatos considerados tolerantes, ou seja, que gostam de brincar e ser levados no colo. Neste caso, são recomendados felinos das raças napoleon (filhote custa R$ 1.500) e munchkin (R$ 3 mil). “Criança gosta de amassar, apertar, e nem todo gato gosta”, disse.

Tartaruga ou papagaio?
Na loja Galpão Animal, especializada em bichos exóticos, os animais mais procurados são a tartaruga tigre-de-água, calopsitas e papagaios.

Segundo Mayara da Silva, vendedora da loja na Vila Leopoldina, na capital paulista, apenas na semana passada foram comercializados 26 papagaios, cada um a R$ 2.500 – segundo ela, todos legalizados e com licença concedida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama).

As calopsitas, cujo preço varia entre R$ 180 e R$ 350, também são bastante requisitadas, mas, assim como os papagaios, precisam da ajuda dos pais para serem criadas. “São animais companheiros, que gostam bastante de atenção. Mas os pais devem tomar cuidado quando a criança for brincar, porque eles não gostam que apertem muito”, explicou.

Senso de responsabilidade
O médico-veterinário Rodrigo Filippi Prazeres recomenda que os pais estudem muito bem antes de adquirir um animal para os filhos. Ele afirma ainda que o ideal é que este “presente” seja dado para crianças que tenham, no mínimo, dez anos.

“As pessoas têm que ir atrás, estudar o quanto vale ter um animal, o tempo médio de vida dele, os gastos com veterinário, ração, vacinas. Tudo isso tem que ser planejado no orçamento da família”, explica.
Ele afirma que ter um bicho estimula o senso de responsabilidade nas crianças, com melhorias psicológicas, além de contribuir para aumentar a resistência imunológica e reduzir o estresse. No entanto, Prazeres complementa dizendo que “animal não é brinquedo”, portanto, deve ser respeitado e protegido por seus proprietários.
“O que vemos muito hoje é que as pessoas querem ter bichos que estão ‘na moda’. Animal não é brinquedo, é uma vida. Quem tem, precisa de muita responsabilidade para cuidar, desde um peixe de aquário até um cavalo, porque ele sente medo, fome, tristeza e dor”, explicou Rodrigo.
Ele explica ainda que é necessário avaliar o espaço onde o bicho de estimação vai ficar, quem vai cuidar das suas necessidades fisiológicas e também pensar a longo prazo, quando o pet crescer, principalmente se for um animal silvestre. “É uma responsabilidade de ao menos uma década”, explica.

 

Fonte: G1