PT aprova pré-candidatura de Suplicy para o Senado

Eduardo Suplicy disse que irá voltar à Casa “atendendo a pedidos da população”. Foi escolhido ainda o pré-candidato ao governo do estado

O vereador de São Paulo Eduardo Suplicy (PT) foi aprovado como pré-candidato ao Senado pelo partido, na tarde deste sábado (24/3). A aprovação ocorreu após votação em encontro estadual da legenda, realizado na capital paulista. Após a decisão, Suplicy disse que o encaminhamento de sua candidatura não estava definido até às últimas semanas. “Foram quase 20 plenárias até a semana passada e isso não estava bem definido”, afirmou.

Ele garantiu ainda que voltará ao Senado “atendendo a pedidos da população”. Em relação ao partido, ele afirmou que espera que Lula tenha ampla defesa frente às acusações e lamentou os protestos sofridos pela caravana do ex-presidente no Sul do País.
O presidente regional do PT, Luiz Marinho, também foi escolhido como pré-candidato ao governo de São Paulo durante a convenção. Ele derrotou o ex-prefeito de Guarulhos Elói Pietá por 660 votos (79%), contra 175 (21%) – o quórum foi menor do que o esperado inicialmente, que era de 1.200 delegados.

Além disso, a segunda vaga para a disputa local pelo Senado ficou com o ex-secretário municipal de Transportes Jilmar Tatto. Ele derrotou a vereadora Juliana Cardoso, com 489 votos (58%) contra 350. Porém, dependendo das coligações esta segunda vaga pode ir ainda para um candidato de um partido coligado.

Mais Lula
Palavras de ordem em favor da candidatura de Lula permearam toda discussão em torno das diretrizes eleitorais e todos os discursos dos pré-candidatos. Marinho, durante seu discurso, falou da “certeza absoluta da possibilidade de derrotar os tucanos no Estado de São Paulo” e da “defesa intransigente de Lula livre”. Ele também convocou a militância a protestar no dia 3 de abril, em defesa do petista. Um dia antes disso haverá manifestações no Rio de Janeiro e, no dia depois, 5, em Brasília, segundo ele.

Na disputa paulista, o PT entra enfraquecido. Além de contar com menos prefeituras neste ano, há pouca coligações firmadas até este momento. Se não fechar alianças, o PT calcula que terá pouco mais de um minuto do tempo de televisão dedicado para as campanhas. Já Márcio França (PSB), que vai assumir o governo do Estado no próximo dia 7 com a renúncia de Geraldo Alckmin (PSDB), diz contar com PSB, PR, PPS, PHS, PSC, Pros, Avante, Solidariedade e Podemos. Espera ainda anunciar nos próximos dias a adesão de PV, PMB e PRP.

Fonte: metropoles

Eduardo Suplicy dorme em barraco para apoiar MTST

O ex-senador e atual vereador de São Paulo Eduardo Suplicy, do Partido dos Trabalhadores, dormiu em um barraco de uma ocupação do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST) nessa segunda-feira (30). A ocupação “Povo Sem Medo”, onde o político dormiu, fica na cidade de São Bernardo do Campo, em São Paulo.

“Dormi na Ocupação Povo Sem Medo em São Bernardo do Campo e agora acompanho o início da caminhada até o governador Geraldo Alckmin, no Palácio dos Bandeirantes. Que o movimento seja recebido por Alckmin e que juntos encontrem uma solução de moradia para essas famílias”, disse Suplicy ao compartilhar um post da página “Mídia Ninja”, na manhã desta terça-feira (31).

Militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) fazem nesta terça uma marcha para reivindicar a implantação de uma política habitacional por parte do governo de São Paulo. A passeata saiu por volta das 7h da Ocupação Povo Sem Medo, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, em direção ao Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, zona oeste da capital. O trajeto até a sede do governo estadual está estimado em 24 quilômetros.

Às 10h, a marcha subia pela Avenida Cupecê, que passa pela cidade de Diadema e vai até a zona sul paulistana. Os manifestantes, estimados pelo próprio movimento em 10 mil pessoas, pretendem se unir a integrantes de outras ocupações na Ponte do Morumbi, próximo ao destino final do protesto. A Companhia de Engenharia de Tráfego estima em 2 mil o número de participantes.

Ontem (30), a juíza Ida Inês Del Cid atendeu a um pedido do Ministério Público do Estado de São Paulo e proibiu uma apresentação do cantor Caetano Veloso em solidariedade à ocupação. Na decisão, a magistrada argumentou que o local não tinha estrutura para comportar o show.

“Seu brilhantismo atrairá muitas pessoas para o local, o que certamente colocaria em risco estas mesmas, porque, como ressaltado, não há estrutura para shows, ainda mais, de artista tão querido pelo público, por interpretar canções lindíssimas, com voz inigualável”, diz o texto da liminar.

Reintegração

O terreno onde está a ocupação Povo Sem Medo foi tomado pelo MTST há cerca de dois meses. “São milhares de famílias que não têm mais condições de pagar aluguel, são afetadas pelo desemprego e pela crise, ocuparam esse terreno”, disse hoje o coordenador do movimento, Guilherme Boulos, durante transmissão ao vivo da passeata pelas redes sociais.

Desde o início de outubro, a Justiça concedeu a reintegração de posse do terreno em favor da construtora MZM. No entanto, a desocupação está sendo negociada pelo Grupo de Apoio às Ordens Judiciais de Reintegração de Posse (Gaorp). Segundo o MTST, 8 mil famílias estão na área.

O movimento diz que o local está abandonado há décadas e a proprietária do terreno tem mais de R$ 500 mil em dívidas tributárias com a prefeitura de São Bernardo do Campo. A administração municipal, entretanto, não confirma o valor, alegando que não pode divulgar débitos de contribuintes em respeito ao sigilo fiscal.

A MZM afirma que há um pedido de revisão do valor lançado no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), e não uma pendência de pagamento. A construtora diz que adquiriu o imóvel em 2008.

Fonte: otempo

Assessor de Eduardo Suplicy é agredido na Câmara de São Paulo por vereador; vídeo

Um assessor do vereador paulista Eduardo Suplicy foi agredido na tarde desta terça-feira na Câmara dos Vereadores de São Paulo enquanto filmava uma agressão a um munícipe que discutia com um vereador.

O assessor Leandro Ferreira filmava uma discussão, quando o vereador Camilo Cristófaro se aproximou, e após alguns instantes se volta contra o assessor de Suplicy e bate no smartphone que estava nas mãos de Leandro, que filmava a confusão.

Suplicy postou o vídeo em seu perfil no Twitter. Veja:

 

Suplicy lembra que Marta foi ministra de Dilma e pede reflexão sobre impeachment

Suplicy lembra que Marta foi ministra de Dilma e pede reflexão sobre impeachment

Principal aposta do Partido dos Trabalhadores na eleição para a Câmara Municipal de São Paulo, ex-senador escreveu carta para a ex-mulher

O ex-senador Eduardo Suplicy decidiu fazer um apelo à ex-mulher, Marta Suplicy, a respeito do posicionamento da peemedebista sobre o impeachment de Dilma Rousseff. Nas redes sociais, ele postou um vídeo explicando sua atitude, no qual recorda da proximidade que a candidata à Prefeitura de São Paulo teve com a presidente afastada até pouco tempo atrás. “Escrevi à Marta pedindo que ela lembre de todas as coisas das quais participou como companheira do PT, tendo merecido a confiança da presidenta Dilma, que a designou ministra da Cultura.

Que ela possa refletir um pouco”, escreveu Suplicy sobre o impeachment nas redes sociais do Partido dos Trabalhadores – que tem ele como principal nome para disputar um cargo de vereador na Câmara Municipal paulistana. “Em 2010, nós votamos na senadora Marta, que era nossa companheira. Queria sugerir a vocês [eleitores do PT] que escrevam uma carta falando sobre os seus sentimentos. Ainda hoje [na quinta-feira] ela votou pela continuidade do processo do impeachment [na comissão especial do Senado].”

Marta vs PT

Filiada ao PT por mais de 30 anos, Marta abandonou o partido somente no ano passado, quando migrou para o PMDB e anunciou a decisão de disputar a Prefeitura da capital paulista – cargo que Fernando Haddad pretende manter pela sigla nas eleições de 2016.

Desde então, a senadora se tornou uma das principais vozes contrárias à permanência de Dilma na Presidência da República, com discursos duros, como o realizado em março deste ano, na convenção nacional do PMDB. “Uma presidente que não dá conta do recado, uma presidente isolada e que não consegue governar o País”, criticou a ex-petista, que se filiou em setembro ao PMDB. Para ela, Dilma dever deixar o governo “o quanto antes”.

Marta não respondeu nas redes ao apelo contra o impeachment feito pelo ex-marido, de quem se separou em 2011, logo após assumir o Poder Executivo paulistano.

AGORA: Ex-senador Eduardo Suplicy é detido em São Paulo

Notícia urgente

A Polícia Militar cumpre na manhã desta segunda-feira, 25, a reintegração de posse de um terreno ocupado há pelo menos três anos por cerca de 350 famílias na Cidade Educandário, na região da Rodovia Raposo Tavares, na zona oeste da capital paulista. Houve confronto entre moradores que protestavam contra a ação e policiais militares.

A PM informou que aconteceu uma troca de tiros entre moradores e PM no início da manhã. Segundo os moradores, o confronto começou porque uma criança que morava no bairro foi atingida por uma bomba de gás lacrimogêneo, o que causou revolta. Alguns moradores revidaram, queimaram pedaços de madeira e atiraram contra os agentes. Um PM que estava de colete foi atingido.

O ex-senador Eduardo Suplicy (PT) acompanhava a ação da PM e tentou impedir a reintegração. O candidato a vereador de São Paulo se deitou no chão e foi retirado à força por policiais. Ele foi detido e levado ao 75º DP (Jardim Arpoador).

Estão no local os secretários municipais de Coordenação das Subprefeituras, Luiz Antonio Medeiros, e Negócios Jurídicos, Robinson Sakiyama Barreirinhas, e representantes do Tribunal de Justiça (TJ).

As informações são do Estadão e a notícia completa AQUI