Polícia procura enfermeira suspeita de atropelar cachorros em São Luís; vídeo repercute nas redes sociais

Órgãos de defesa dos animais compartilharam o vídeo do atropelamento, que ganhou repercussão nacional. Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares anunciou o afastamento da enfermeira.

Imagens de câmera de segurança de uma residência no bairro Residencial Pinheiros, em São Luís, mostram o momento em que uma mulher atropela dois cachorros. O caso foi registrado na terça-feira (14), mas só nesta quinta-feira (16) o vídeo viralizou nas redes sociais e causou revolta nos internautas.

A suspeita de ser a motorista do carro é a enfermeira Gisele Atan, que trabalha na Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH). O G1 procurou a enfermeira, mas ela ainda não foi encontrada.

No vídeo, o condutor aparece em um veículo de cor prata acelerando e passando por cima dos animais, que são da raça pastor alemão. Após o atropelamento, é possível ver o carro indo embora. Em seguida, os cachorros aparecem nas imagens sangrando e mancando. Um dos cachorros morreu e um outro, chamado ‘Peppe’, sobreviveu, mas teve várias fraturas.

Cachorro ‘Peppe’ sobreviveu ao atropelamento (Foto: Luiza Mell)

Repercussão na internet

Após a divulgação das imagens, o caso repercutiu e causou revolta por parte dos internautas. Nas redes sociais, as cantoras Anitta e Preta Gil, o humorista Marcelo Adnet e a atriz Giovanna Ewbank foram algum dos artistas que se manifestaram sobre o atropelamento dos dois cachorros.

“Como é que essa pessoa consegue dormir depois?”, comentou o Padre Fábio de Melo.

Artistas se posicionaram sobre o atropelamento dos cachorros em São Luís (Foto: Reprodução/Instagram)

O vídeo também foi compartilhado pela ativista dos animais Luisa Mell e ganhou a atenção da Comissão de Defesa dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil do Maranhão (OAB-MA).

De acordo com a presidente da comissão, Luciana Lauande, a Delegacia Especial de Meio Ambiente já foi acionada e suspeita está sendo procurada pela polícia para prestar esclarecimentos. A Comissão de Defesa dos Animais da OAB acompanha o caso.

O presidente da EMSERH, Vanderley Ramos, se pronunciou no Twitter e anunciou o afastamento da enfermeira Gisele Atan da empresa.

“A respeito do episódio envolvendo a empregada da EMSERH, Gisele Atan, apesar de ocorrido no ambiente de sua vida privada, quero expressar o sentimento de toda a empresa de profunda indignação e desaprovação, informando que a empregada já se encontra suspeira de suas funções”, afirmou Vanderley.

Por meio de nota pública, o Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão (Coren-MA) repudiou o ato supostamente praticado pela enfermeira e afirmou que está tomando providências para punir a suspeita no caso.

Veja a nota completa abaixo.

“O Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão (Coren-MA) vem através da presente nota esclarecer que repudia veemente o ato supostamente praticado pela profissional inscrita nesse Conselho onde ocasionou o atropelamento de dois cachorros em via pública, no dia 14 de agosto de 2018, conforme imagens divulgadas em redes sociais. Ato contínuo, informamos que iremos tomar as providências cabíveis em face a profissional envolvida no presente caso; Por fim, estaremos aguardando os desdobramentos do caso e acompanhando o trabalho das autoridades competentes para auxiliar no que for cabível”.

Vídeo (IMAGENS FORTES):

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=MtgLm6F-NMY]
Fonte: g1

Enfermeira é assassinada em SP e filho é suspeito do crime, diz polícia

Vítima era responsável técnica do Samu. Sua morte causou comoção em Peruíbe, no litoral paulista

Uma enfermeira, de 38 anos, foi assassinada dentro de casa em Peruíbe, no litoral de São Paulo, nesta quinta-feira (10). A vítima foi encontrada ainda com vida pelo marido e chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. Ainda não há confirmação sobre a causa da morte, mas seu próprio filho foi preso por ser suspeito do assassinato.

Segundo a Polícia Civil, equipes receberam a informação de um homicídio e se deslocaram até a Rua Luiz de Paula, no bairro Estação, para atender a ocorrência. Ao chegarem ao local, a Polícia Militar já estava no imóvel e a enfermeira Priscila Coral Ramalho já havia sido socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Peruíbe, onde acabou falecendo.

De acordo com o registro oficial, o marido da vítima saiu de casa pela manhã para trabalhar e deixou Priscila e seu enteado dormindo. Ao retornar para a residência, por volta do meio-dia, ele chamou pela esposa, que não respondeu. Após procurá-la no quarto do casal, escutou o barulho do chuveiro ligado no banheiro do piso inferior, onde encontrou a enfermeira inconsciente e caída no chão do box. Ele tentou reanimá-la, mas não teve sucesso. Na sequência, ele acionou o Samu.

Segundo informações apuradas pelo G1, os policiais civis ainda encontraram um líquido vermelho no chão do banheiro, que aparentava ser sangue. Além disso, os móveis da casa estavam desarrumados. A perícia foi acionada para examinar o local do crime.

O filho da vítima, de 18 anos, chegou em casa enquanto as equipes ainda estavam no local. De acordo com as autoridades, ao ser questionado, ele se comportou de maneira confusa e contraditória. O jovem ainda apresentava marcas de arranhões no rosto e no braço, indicando que se envolveu em luta corporal.

Colegas e pessoas próximas defendem enfermeira presa acusada de tentativa de homicídio

Simone Anjos dos Santos foi presa por tirar o cateter de três bebês em UTI Neonatal da Zona Oeste

RIO – Colegas e pessoas próximas à enfermeira Simone Anjos dos Santos, presa na última quarta-feira acusada de tentar matar três bebês numa UTI Neonatal da Zona Oeste, saíram em sua defesa nas redes sociais. Algumas postagens de quem conviveu com Simone destacam seu caráter e competência profissional.

“Tenho certeza que ela é inocente, tive o prazer de trabalhar com ela e sei a sua índole e como é uma ótima pessoa e ótima profissional!!! Muito triste, a verdade vai aparecer!!”, postou uma internauta.

“Também acredito na sua inocência. Conheço ela de muitos anos, cresci com ela. Ela jamais faria isso. Estou muito triste com os julgamentos dessas pessoas que não sabem a realidade dos fatos. Julgam como se fossem pessoas perfeitas. Só Deus sabe o que eles fazem sem ninguém saber”, argumentou outra.

A prisão de Simone tem causado indignação também entre a categoria. Colegas de profissão alegam que a prisão é injusta e justificam a conduta que motivou a acusação. Ela é acusada de cortar o cateter dos bebês, que estavam em incubadoras.

“A Simone não matou ninguém, ela simplesmente improvisou como todos fazem em neonatal: cortar o cateter longo para facilitar a entrada de o2. Enfim ela está sendo vítima por que ela negra mora longe, ela não foi mandada embora por justa causa ela está com ação contra o hospital, as pessoas estão massacrando ela sempre ajudou todos na saúde ela foi da cegonha, sei o quanto é profissional da saúde, vou dizer a todos a vocês essa história está mal contada. Como Facebook é cheio de juízes está acabando com ela. Não julgue pois vocês não sabem que aconteceu, ela é inocente”.

“Que mundo é esse, meu Deus? Todos querem logo condenar alguém sem ao menos saber se é verdade ou não!”, postou outra enfermeira.

A postagem recebeu diversos comentários de apoio: “Se estiver falando da enfermeira que está sendo acusada eu concordo com vc. Só Deus mesmo. Pq é difícil de acreditar! Tá muito estranha essa história”.

Ainda em posts nas redes sociais, profissionais da área de saúde acreditam que as imagens usadas na investigação são insuficientes para comprovar a culpa de Simone. Nos comentários, há quem alegue que os argumentos que justificaram a prisão fazem a atitude da enfermeira “parecer terrorismo”:

“Sim, na realidade a filmagem que foi divulgada não dá pra dizer nada, porque eles dizem que ela não era pra está lá, como assim? Nós enfermeiras temos que estar atentas a todo momento. Tesoura usamos para aparar o que for necessário, sinceramente! Não posso julgar pelas imagens que vi na reportagem, meu coração está triste pois os argumentos utilizados na reportagem fazem parecer terrorismo uma assassina. Graças a Deus as crianças estão bem mas agora nos resta orar para que justiça seja feita”.

Um grupo nas redes sociais também foi criado em defesa à enfermeira: “nós, como amigos de trabalho, vamos nos reunir para tentar de alguma maneira ajudar essa guerreira”, postou uma amiga.

Uma mãe que teve seu filho atendido por Simone em uma unidade de saúde relatou a postura cuidadosa da enfermeira durante o tempo em que o bebê esteve internado:

“Era uma excelente enfermeira, no dia da alta do Heitor ela fez questão de embalar ele na manta dar um beijo me abraçou e desejou boa sorte e felicidades meu cérebro não consegue processar que ela pode ter feito isso”.

Uma das linhas de investigação da Polícia Civil para descortinar a motivação da tentativa do crime é se a enfermeira Simone Anjos dos Santos queria destruir a carreira de uma profissional ou a vida de alguém próximo. A hipótese surgiu, de acordo com a delegada que apura o caso, depois que, em depoimento, a enfermeira disse que a autoria do crime era de outra enfermeira. Na delegacia, ela disse ainda que a suposta colega de trabalho também teria sido demitida após a conclusão da sindicância interna realizada pelo hospital.

Fonte: oglobo

Enfermeira é encontrada morta em banheiro de UPA na Bahia

Corpo da vítima não apresentava sinais de violência

Uma enfermeira da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Juazeiro, no norte da Bahia, foi encontrada morta dentro do banheiro do alojamento de repouso do local na madrugada de domingo (25). O corpo de Juliana de Oliveira Loureiro Peltier, de 32 anos, foi sepultado em Salvador nessa segunda-feira (26).

Como apurado pelo G1, a vítima não apresentava sinais de violência. A Polícia Civil investiga o caso e aguarda o resultado da perícia, que será divulgado em até 30 dias.

A secretária de Saúde de Juazeiro, Fabíola Ribeiro, informou ao site que o órgão está acompanhando o caso e dando assistência à família, que mora m Salvador.

O atendimento da unidade de saúde foi reduzido. Apenas casos de urgência e emergência foram atendidos na UPA, os mais graves foram encaminhados para o Hospital Regional de Juazeiro.

Fonte: noticiasaominuto

Após discussão, paramédico chuta a barriga de enfermeira grávida em hospital; vídeo

Paramédico chuta a barriga de enfermeira grávida em hospital

As imagens do circuito interno de monitoramento de um hospital de Valparaiso, Chile, flagraram uma cena absurda. Um paramédico dá um chute na barriga de uma enfermeira grávida após um discussão no corredor do local. Antes da agressão com o pé, o homem a segura pelo cabelo e bate a cabeça dela contra uma porta.

Segundo os jornais locais, a agressão durou cerca de três minutos e só terminou quando seguranças do hospital chegaram para separar o dois. Mesmo com a intervenção, o paramédico tentou continuar a bater nela.

O paramédico foi suspenso do trabalho e denunciado à polícia local. De acordo com o jornal Daily Mail, não se sabe o motivo do ataque à mulher. Nem o homem nem a enfermeira se pronunciaram sobre o caso.

Fonte: metropoles.com

Enfermeira é encontrada morta com corte no pescoço em apartamento em que morava, em GO

Enfermeira é encontrada morta com corte no pescoço em apartamento em que morava, em GO

A enfermeira Vanessa Teodoro dos Santos, de 25 anos, foi encontrada morta, nesta terça-feira (18), no apartamento em que morava em Caldas Novas, na região sul de Goiás. Segundo a Polícia Civil, ela estava com um corte no pescoço.

Servidora municipal, Vanessa trabalhava na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade desde março. Segundo a delegada Sabrina Leles, responsável por investigar o caso, a jovem entrou em contato com colegas de trabalho às 19h30 do último domingo (15) e, desde então, não atendia mais às ligações.

De acordo com a delegada, a enfermeira estava escalada para o plantão desta terça-feira, mas não foi trabalhar. Assim, por volta das 8h, colegas de trabalho e a diretora da UPA decidiram ir até o apartamento da jovem.

“Elas foram até o apartamento acompanhadas de um chaveiro, abriram a porta e se depararam com o corpo dela no chão”, relatou ao G1 a delegada, que é titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam).

De acordo com Sabrina, há sinais de violência no corpo da enfermeira. No entanto, ainda não se sabe o motivo da morte.

“Há um corte profundo no pescoço, aparentemente feito por uma faca. Encontraram uma faca perto do corpo, mas só a perícia pode concluir se trata de homicídio ou suicídio”, explicou Sabrina.

O corpo da jovem foi levado ao Instituto Médico Legal de Caldas Novas para a perícia. Por volta das 15h30, o liberaram para os parentes.

O velório está previsto para começar às 20h, em Bela Vista de Goiás, onde a família de Vanessa mora. Depois, o corpo será levado para Itamonte, em Minas Gerais, para ser sepultado.

Vanessa trabalhava desde março em Caldas Novas (Foto: Reprodução/ Facebook)

Fonte: g1/go

De folga, PM e mulher, enfermeira, salvam motorista após carro capotar em rio de SC

De folga, PM e mulher, enfermeira, salvam motorista após carro capotar em rio de SC

Casal estava em ‘pesque-e-pague’ quando houve acidente. Policial conseguiu retirar motorista e profissional de saúde fez massagem cardíaca.

Durante a folga, um policial militar de 33 anos realizou seu primeiro salvamento aquático. Ele estava em um pesque-e-pague com a mulher, que é enfermeira, quando viram um motorista perder o controle do carro em Pedras Grandes, município do Sul catarinense. “Fui lá para ver se ele [condutor] precisava de ajuda e não vi o carro. O carro estava capotado e afundando, indo para baixo da ponte”, contou o policial Gédson Valentim Sozi. O acidente ocorreu na tarde de sábado (29).

“Tirei o celular do bolso e me joguei no rio. O cara estava pedindo socorro”, afirmou o policial. Valentim contou que, em um primeiro momento, tentou abrir as portas do veículo, mas não conseguiu. Debaixo d’água, ele procurava se comunicar com a vítima: “Perguntei se tinha mais alguém no carro. Ele disse ‘estou sozinho’. Depois, não falou mais nada”.

Em seguida, o policial tentou abrir o porta-malas, mas também não teve sucesso. A gasolina vazou do automóvel e aumentou os riscos no salvamento. “O tanque estava cheio e ela ficou toda em cima do carro. Tomei um pouco de água, estava tonto já”, relatou o policial.

Após muitas tentativas, Valentim conseguiu, enfim, abrir a porta do motorista. “Entrei dentro do carro, ele [motorista] estava inconsciente. Consegui puxar pelas pernas e braços. A hora que eu emergi, um senhor conseguiu puxar [o condutor] para fora do rio”.

Sem batimento

Os momentos seguintes à retirada da vítima também foram tensos, segundo o policial. “As extremidades e o rosto estavam todos roxos. Ele não tinha batimento. A minha esposa [Franciele Kreutz] é enfermeira no hospital e fez massagem cardíaca”. Quando a ambulância dos bombeiros chegou, o motorista já estava consciente, conforme Valentim. O policial também passou mal, teve enjoo e dor de cabeça. Ele e o condutor, de 35 anos, foram levados ao Hospital Nossa Senhora da Conceição, de Urussanga, Sul do estado.

O cabo contou que recebeu alta no mesmo dia e a vítima, na manhã seguinte. Depois do salvamento, ele teve contato com o motorista apenas pelo telefone. “Liguei, a família disse que ele estava bem, me agradeceu muito. A mãe [do condutor] me mandou muitas mensagens”.

O policial tem 14 anos de carreira na Polícia Militar. Ele trabalha em Forquilhinha, no Sul catarinense.

Fonte: g1/sc

Suspeito de matar enfermeira na BA é identificado e tem mandado de prisão expedido

Suspeito de matar enfermeira na BA é identificado e tem mandado de prisão expedido

Vítima foi morta a facadas, dentro de casa, em Alagoinhas,distante cerca de 110 km de Salvador.

O suspeito de matar a enfermeira Rosângela Gomes Costa, de 35 anos, com golpes de faca dentro de casa da vítima, e, Alagoinhas, distante 110 km de Salvador, já foi identificado. A informação foi passada ao G1 pela Polícia Civil, nesta segunda-feira (24). O mandado de prisão do suspeito foi expedido no domingo (23) e ele está sendo procurado. A polícia não deu detalhes sobre o homem foragido.

Ainda segundo a polícia, um homem chegou a ser preso no sábado (22), após o celular da vítima ter sido encontrado com ele. Em depoimento, segundo a polícia, o homem disse que comprou o celular de terceiros, pagou fiança e foi liberado. A polícia não informou quem o homem apontou como vendedor, nem o valor da fiança paga por ele. A polícia afirmou que, por enquanto, não há indícios de que ele tenha participado do crime.

Crime

Uma enfermeira foi encontrada morta dentro da casa onde morava em Alagoinhas, na manhã de sexta-feira (21). De acordo com a polícia, Rosângela Gomes Costa, que também era professora universitária, foi achada amarrada na cama e com marcas de golpes de faca.

A polícia chegou na casa da vítima após denúncias de vizinhos que relataram barulho durante a madrugada. Informações preliminares de testemunhas, que serão apuradas pela polícia, apontam que a vítima teve uma discussão com ex-namorado na noite anterior ao crime.

Rosângela foi enterrada no final da manhã de sábado, no Cemitério Praça da Saudade, em Alagoinhas. Amigos da vítima, que também era professora universitária, protestaram em frente ao Lar Franciscano, local onde o corpo foi velado. O grupo pediu rapidez da polícia na apuração do crime e prisão do assassino.

Fonte: g1/ba

Enfermeira que morava na Bolívia e recebia salário em RO é condenada a devolver R$ 95 mil

Conselho diz como profissionais de enfermagem devem agir nas redes sociais

Segundo o processo, mulher havia pedido para colegas assinarem ponto enquanto ela estivesse fora. Mulher também foi condenada por acumular cargo em 2 municípios de RO.

O Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO) condenou uma enfermeira de 40 anos a devolver mais de R$ 95 mil aos cofres públicos à prefeitura de Jaru (RO), a 290 quilômetros de Porto Velho. De acordo com o processo do TJ-RO, a acusada viajou para estudar na Bolívia, mas os colegas de trabalho continuaram assinando as folhas de pontos dela em unidades de saúde pública. Assim, a prefeitura depositava o salário normalmente.
Ainda conforme aponta a Justiça, a servidora municipal acumulava forma irregular os cargos de enfermeira no município e em Vale do Anari (RO).
As investigações contra a mulher iniciaram após uma ação do Ministério Público do Estado de Rondônia (MP-RO), que detectou as irregularidades por parte da acusada.
Conforme a Justiça, a mulher relatou que foi admitida a prestar serviços de enfermeira em março de 1999, em Jaru. Em junho de 2007, foi contratada para trabalhar em Vale do Anari, o qual caracterizava o crime de improbidade administrativa, tendo em vista que a enfermeira registrava frequência em mesmos horários nos dois municípios.
Com a prática do ato, a mulher acumulou um enriquecimento ilícito de R$ 214.650.
A sentença relata que, em agosto de 2010, a mulher abandonou o cargo de enfermeira em Jaru para cursar faculdade de medicina na Bolívia, sem que fosse suspenso os seus salários referentes ao cargo prestado, que resultou na quantia de R$ 95 mil pelo período entre agosto de 2010 a dezembro de 2012.
Segundo o processo, a servidora teria pactuado um “acordo de cavalheiros” com outros funcionários para continuar como servidora do município sem que estivesse cumprindo os serviços. Posteriormente foi constatado que três servidores assinavam a presença falsa da enfermeira nas folhas de ponto.
De acordo com o processo, sete servidores da área da saúde foram juntados na ação por cooperarem na prática dos atos irregulares, mas quatro deles conseguiram provar em juízo que não colaboraram com as improbidades.
A defesa da enfermeira também conseguiu comprovar que ela não causou danos aos cofres públicos de Vale do Anari.
Na decisão, o juiz confirmou a presença de um acordo verbal entre a enfermeira e os respectivos chefes hierárquicos de forma ilegal. Eeles admitiram que a mulher mesmo ausente continuava a receber os salários com a fraudulência das folhas de ponto.
Na condenação, a mulher foi obrigada a ressarcir o município de Jaru em relação aos expedientes não trabalhados entre julho de 2007 a dezembro de 2012, o que totalizou R$ 95.336,60.
A mulher ainda foi condenada pela suspensão dos direitos políticos por 10 anos, pagamento de multa civil, perda da função pública e proibição de contratar ou receber benefícios do poder público pelo período de 10 anos.
Os três servidores que assinavam o ponto da acusada foram condenados a suspensão dos direitos políticos por três anos e proibição de contratar ou receber benefícios do poder público pelo período de cinco anos.
O G1 não conseguiu localizar a enfermeira até a publicação da reportagem para verificar se ela vai recorrer da decisão.
Fonte: g1.com

Enfermeira troca lençóis sujos em hospital do DF e derruba bebê que estava deitado

Enfermeira troca roupa suja em hospital do DF e derruba bebê que estava deitado

Enfermeira troca roupa suja em hospital do DF e derruba bebê que estava deitado.

Um bebê que estava em cima da cama caiu no chão enquanto uma enfermeira chegou para trocar os lençóis, no Hospital Regional do Gama, no Distrito Federal, nesta terça-feira (21). Segundo a família, a enfermeira chegou no quarto para trocar os lençóis e fez a coleta tão rápido que as colegas que estavam no local não tiveram tempo de avisá-la que o recém-nascido estava deitado. A queda de cerca 1 metro de altura deixou o menino com hematoma na cabeça.

A Secretária de Saúde informou que está apurando o caso. Segundo o diretor do Hospital do Gama José Macedo, a medida imediata da instituição foi o cuidado com a criança, fazendo exames e encaminhando o bebê para o Hospital de Base. Com relação à enfermeira, ele informou que foi aberto um processo administrativo que será encaminhado para a Corregedoria.

“A funcionária tem experiência e sempre teve uma boa avaliação. Esse é uma caso isolado. Nós investigamos, e o plantão não estava sobrecarregado. Foi uma fatalidade com a assistência realizada pela servidora. Por ano, nascem de 8 mil a 9 mil crianças em nosso hospital, e fui investigar, isso nunca tinha acontecido.”

Os pais prestaram queixa para Polícia Civil e o delegado Ulysses Campos informou que “inicialmente há suspeita de lesão corporal culposa, mas uma equipe está investigando para posteriormente serem tomadas as providências cabíveis”.

Segundo o pai da criança, a mãe tinha ido ao banheiro quando deixou o bebê deitado sobre o leito. O parto tinha sido feito uma hora antes, e o menino já estava descansando com a mãe. O garoto foi “resgatado” poucos minutos após a queda, no meio das roupas sujas.

O médico do Hospital de Base responsável pelo atendimento da criança, afirmou que o bebê está com um sangramento no crânio. Ele disse que serão realizados novos exames para determinar com maior precisão os riscos da situação, porque o sangramento pode diminuir sem causar maiores danos, ou aumentar e, nesse caso será necessário intervenção cirúrgica.

Fonte: g1/df