Tecnologia 5G coloca Bolsonaro em saia justa política entre EUA e China

Painel Político - https://politico.painelpolitico.com

A liderança da chinesa Huawei na tecnologia 5G pôs o presidente Jair Bolsonaro em uma saia justa política. Pressionados pelos Estados Unidos, que acusam a companhia de atuar como um instrumento de espionagem do governo chinês, vários países do mundo decidiram proibi-la de fornecer equipamentos para as futuras linhas da telefonia de quinta geração.

Entre os governos que tomaram a medida estão Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Índia e Japão. O Reino Unido havia imposto um teto de até 35% na participação da Huawei em suas redes, mas há expectativa de que as restrições evoluam para banimento. Alemanha, França e Espanha, por sua vez, optaram por não restringir a atuação da companhia até agora.

No Brasil, essa decisão será de Bolsonaro, a quem caberá a edição de um decreto sobre o tema. Como toda política pública, cabe aos ministérios envolvidos opinar sobre o assunto, pois a decisão, qualquer que seja, terá que ter respaldo técnico, legal e jurídico. Pasta mais diretamente relacionada ao assunto, o recém-criado Ministério das Comunicações tem um posicionamento lacônico.

“A eventual imposição de limitações a um fornecedor de equipamentos de telecomunicações perpassa diversos órgãos de governo para além do Ministério das Comunicações, como o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o Ministério da Economia e o Ministério das Relações Exteriores, cabendo a decisão final ao presidente”, informou a pasta.

Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, procurou sete ministérios na última semana para perguntar a opinião deles sobre o tema. O GSI e os ministérios da Economia, da Agricultura e de Ciência, Tecnologia e Inovações preferiram não comentar, assim como a Casa Civil, a quem cabe reunir a posição dos diferentes ministérios. O Ministério de Relações Exteriores não respondeu.

Guerra de bastidores

Se publicamente os ministérios não se pronunciam sobre o tema, nos bastidores há uma guerra sobre o tema. O ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ligado à ala ideológica, tem deixado clara sua posição a favor de um alinhamento aos Estados Unidos e contrário à China em suas redes sociais. Sobre a pandemia do novo coronavírus, chamado por ele de “comunavírus”, ele considera haver um plano para implantar o comunismo em organismos internacionais.

Já o vice-presidente Hamilton Mourão, por exemplo, já deixou claro ser contra qualquer restrição à Huawei. No ano passado, ele viajou à China, onde se encontrou com o vice-presidente da companhia e reiterou haver um clima de confiança com o país asiático. O tema também preocupa a ministra da Agricultura, Teresa Cristina, já que a China é o principal destino das exportações de soja. Qualquer barreira à Huawei pode ter consequências diretas sobre o agronegócio brasileiro.

Liberal, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem dito que quer as três fornecedoras – além da chinesa Huawei, a sueca Nokia e a finlandesa Ericsson – competindo para oferecer o melhor serviço ao País.

Presidente Bolsonaro – Foto – Arquivo Ag. Brasil

Nórdicas

Curiosamente, os EUA não têm mais um grande fabricante e contam principalmente com os serviços das duas empresas nórdicas. A Lucent foi comprada pela francesa Alcatel e, depois, pela Nokia; a Motorola saiu do mercado de equipamentos centrais; e a Standard Electric, que inclusive tinha fábrica e escritório no Rio, descontinuou o negócio de telecomunicações. As americanas Cisco e a Qualcomm permanecem no setor, mas não fazem equipamentos centrais.

Sobre a acusação de espionagem, Juarez Quadros, ex-presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e ex-ministro das Comunicações, tem uma visão realista. “Todos poderiam espionar. A verdade é que temos de proteger as redes de telecomunicações a evitar situações de conflito. Então teríamos que impor salvaguardas que protejam o Brasil desse risco”, afirmou.

Quadros avalia que o ideal seria o governo elaborar uma política pública que estabeleça protocolos de segurança de modo a evitar conflitos geopolíticos. “Se é para restringir, que se façam os atos necessários, porque estão ausentes leis, decretos e portarias nesse sentido. E é preciso ter embasamento legal e jurídico para uma decisão como essa.”

O presidente da consultoria Teleco, Eduardo Tude, afirma que a pressão norte-americana vai contra a cadeia de suprimento global do setor e, se for bem-sucedida, certamente levará a aumento de preços. Ele destaca que a americana Apple, por exemplo, produz o iPhone na China. “Voltar a uma fase pré-globalização, em que cada país produz seu equipamento, reduz os ganhos de escala. Isso vai se refletir em preços mais altos. Será pior para todos”, diz o analista.

Na avaliação dele, o Brasil tem muito a perder caso se curve à pressão dos Estados Unidos. “Não vejo por que não devamos resistir. A política externa brasileira deve buscar uma posição de neutralidade. Numa briga de gigantes, não devemos nos posicionar de um lado ou de outro”, afirma.

Regra de segurança do Brasil não reprime nem privilegia empresas

Mesmo com a pressão norte-americana e a liderança chinesa no 5G, até agora o governo não editou nenhuma norma que restrinja a atuação da Huawei no Brasil. Em março, o GSI editou uma Instrução Normativa (IN) sobre segurança cibernética, com requisitos mínimos para o 5G. Entre as diretrizes está a garantia da integridade, confidencialidade e privacidade.

A norma do GSI também orienta as operadoras a contratar, dentro de uma mesma área geográfica, equipamentos de, no mínimo, dois fornecedores distintos. A prática, no entanto, já é adotada pelas principais teles brasileiras para 2G, 3G e 4G, por estratégia comercial. Essa Instrução Normativa está em análise na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Também está na Anatel a análise do edital do leilão do 5G, pelo direito de explorar frequências para transmitir o sinal. A disputa é restrita às teles – como Claro, Vivo, TIM, Oi e Algar, além de prestadores de pequeno porte – e não diz respeito a equipamentos usados.

Apesar das promessas de que a disputa ficaria para 2020, internamente, a agência sempre trabalhou com o prazo de 2021, corroborado pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria.

Nos bastidores, as teles são contra a restrição de atuação da Huawei no Brasil, onde a empresa chinesa já está há 20 anos. A estimativa é que a chinesa esteja presente em algo entre 40% e 50% das redes do País. Além disso, boa parte da estrutura atual pode ser reaproveitada no 5G.

Câmara teme retaliação ao agronegócio

A Câmara dos Deputados deve entrar no debate sobre a Huawei e a segurança das redes 5G. Presidente da Comissão de Agricultura e das Frentes Parlamentares Brasil-China e dos Brics, o deputado Fausto Pinato (PP-SP) afirma que essa decisão deve ser tomada em conjunto entre Executivo e Legislativo. “Vou sugerir ao presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) que crie uma comissão para darmos transparência total a esse processo de 5G no nosso país. Temos que visar o que realmente seja o melhor pro Brasil”, disse

Pinato afirma que o Brasil deve tomar a melhor decisão em termos econômicos e tecnológicos no que diz respeito ao 5G, “independente de ideologias”. “Se não há consenso sobre o que fazer, vamos fazer um debate franco”, afirmou. Para Pinato, a ala ideológica está levando o governo “para o buraco”. “O vice-presidente e a ministra Teresa Cristina não vão aceitar isso”, acrescentou.

O deputado defende um debate técnico e transparente sobre o tema e afirma que o Brasil não deve ceder a pressões ou paixões. “A China não é nenhuma santa, mas os EUA têm interesse nessa causa. Não podemos fazer algo só porque o Trump (presidente dos EUA, Donald Trump) disse. O mesmo Trump que briga com a China comprou respiradores de lá e depois faltou pra todo mundo. Não é briga nossa”, afirmou. “Vamos entrar nessa briga para não ganhar nada e ainda por cima prejudicar o agro?”, questionou.

Estados Unidos apertam teles contra Huawei

Os Estados Unidos têm intensificado movimentos contrários à chinesa Huawei e pressionado operadoras em todo o mundo. Declarações públicas do secretário de Estado norte-americano, Michael R. Pompeo, foram distribuídas pela Embaixada dos EUA no Brasil com esse teor. A Huawei se defende das acusações e afirma nunca ter tido incidentes relacionados à segurança em 30 anos de operação em mais de 170 países.

Em nota oficial, Pompeo defende a adoção de “fornecedores confiáveis” para o 5G. “A maré está se voltando contra a Huawei à medida que cidadãos de todo o mundo estão acordando para o perigo do estado de vigilância do Partido Comunista Chinês”, afirma.

O secretário cita medidas anunciadas pela República Checa, Polônia, Suécia, Estônia, Romênia, Dinamarca, Letônia e Grécia. Ele menciona ainda iniciativas adotadas por teles na França, Índia, Austrália, Coreia do Sul, Japão, Reino Unido e Canadá. A nota destaca ainda que a Telefônica, dona da Vivo, também teria se comprometido a não usar equipamentos de fornecedores “não-confiáveis”.

A Huawei afirma ser uma empresa privada, com muitos empregados como investidores, além de investidores privados. Por ter capital fechado, ela não tem, porém, o mesmo grau de transparência das nórdicas Ericsson e Nokia, listadas em bolsa e com balanço auditado por empresas independentes.

A empresa atua há 22 anos no País. “A segurança cibernética e privacidade do usuário são o principal foco de atenção da Huawei”, reitera. A companhia fornece equipamentos para mais de 500 operadoras em todo o mundo e afirma ter 91 contratos confirmados no 5G até o primeiro trimestre deste ano.

Pesa contra a Huawei a Lei de Inteligência Nacional, de 2017, segundo a qual toda organização deve apoiar e cooperar com a inteligência do Estado. Para os críticos, essa legislação obrigaria as empresas que atuam no país a repassar informações ao comando do Partido Comunista, dentro e fora da China.

Sobre a suspeita, a Huawei afirma que suas soluções “estão de acordo com as leis de cada país em que atua” e que não trabalha “com qualquer governo ou instituição no sentido de criar ‘backdoor’ para produtos ou serviços”. A Huawei informa que tem trabalhado para achar formas de “gerenciar” as restrições propostas pelos EUA.

Via Estadão

Trump não está acima da lei e vai ter que mostrar declarações de imposto de renda, decide Suprema Corte dos EUA

Painel Político - https://politico.painelpolitico.com

A Suprema Corte dos Estados Unidos provocou uma dura derrota ao presidente Donald Trump nesta quinta-feira, rejeitando suas alegações de imunidade presidencial e defendendo intimações dos promotores de Nova York que buscam suas declarações fiscais e registros financeiros.

Em uma das decisões mais esperadas sobre privilégios presidenciais em anos, os juízes, por 7 a 2 votos, determinaram que o chefe do país não está acima da lei e deve cumprir as exigências legítimas de um grande júri em Nova York que estava investigando o suposto silêncio de Trump sobre pagamentos em dinheiro a duas mulheres que alegaram ter feito sexo com ele.

Trump havia entrado com um processo para bloquear as intimações e afirmou que, como presidente, ele tinha uma “imunidade absoluta” de demandas por informações pessoais ou confidenciais.

Esperava-se que uma decisão sobre uma intimação semelhante dos investigadores da Câmara fosse proferida pelo tribunal em breve em uma opinião separada.

A disputa do ano eleitoral teve um significado político óbvio, mas também foi o raro caso de separação de poderes em que estavam em causa os poderes do presidente, do Congresso e do sistema judicial.

Em decisões anteriores sobre casos semelhantes de destaque, o tribunal decidiu por unanimidade que o presidente não está acima da lei, forçando o presidente Nixon a entregar as fitas de Watergate e o presidente Clinton a ser deposto no processo de assédio de Paula Jones.

Ao contrário de outros presidentes desde a era Watergate da década de 1970, Trump se recusou a divulgar suas declarações fiscais e manteve em segredo os detalhes de seus negócios. Os investigadores estavam particularmente interessados ​​em saber se Trump e seus negócios estavam altamente endividados com bancos estrangeiros.

Trump disse durante a campanha de 2016 que esperava liberar suas declarações fiscais, mas depois se recusou a fazê-lo.

Depois que os democratas conquistaram o controle da Câmara nas eleições de meio de mandato de 2018, três comitês separados – de supervisão, inteligência e serviços financeiros – emitiram amplas intimações aos contadores de Trump exigindo registros desde 2010 sobre as finanças pessoais e familiares de Trump. Uma intimação ao Deutsche Bank buscou registros sobre empréstimos contraídos por Trump e sua organização.

Os advogados da Câmara disseram que o Congresso tem o poder e o dever de conduzir supervisão e investigações, incluindo o executivo-chefe. Eles disseram que era especialmente importante olhar mais longe, pois Trump parecia ter negócios distantes que estavam escondidos do público. Eles disseram que suas finanças poderiam revelar se o presidente tinha conflito de interesses, incluindo negócios na Rússia.

Separadamente, um grande júri de Nova York estaria investigando possíveis crimes envolvendo os negócios pessoais e comerciais de Trump lá. Também emitiu uma intimação buscando seus registros financeiros.

Os advogados pessoais de Trump entraram com ações em Nova York e em Washington tentando bloquear as intimações. Eles argumentaram que as demandas por registros eram extremas e injustificadas e que o presidente tinha uma “imunidade absoluta” dos investigadores que buscavam informações pessoais e confidenciais.

Eles perderam nos tribunais inferiores. Os juízes federais e os tribunais de apelação dos EUA em Washington e Nova York decidiram que o presidente, assim como outros cidadãos, não tinha o direito de desafiar intimações por registros emitidos pelo Congresso ou por um grande júri.

Em dezembro, a Suprema Corte concordou em ouvir os apelos de Trump e suspendeu as decisões mais baixas. O principal caso envolvendo os comitês da Câmara foi Trump vs Mazars USA, enquanto o caso do júri de Nova York foi Trump vs. Vance.

As informações são do Los Angeles Times

Naya Rivera, atriz de ‘Glee’, desaparece durante passeio de barco nos EUA

Painel Político - https://revista.painelpolitico.com

Naya Rivera, de 33 anos, que estrelou seis temporadas da série “Glee”, é considerada desaparecida desde a noite desta quarta-feira (8). A atriz americana sumiu após um passeio de barco no Lago Piru, na Califórnia. 

Equipes de resgate seguem à procura da atriz, informou a polícia local. 

Naya alugou um barco por volta das 13h, e saiu para navegar com o filho de 4 anos. 

Segundo o xerife do condado de Ventura, Eric Buschow, a atriz chegou a nadar no lago com o menino. 

Buschow disse que o garoto voltou ao barco depois de nadar, mas sua mãe não o seguiu. O menino foi encontrado dormindo no barco sozinho. 

Buschow informou que mergulhadores participam nesta quinta (9) da operação de buscas.

Naya Rivera começou a atuar aos 4 anos na comédia da CBS “The Royal Family”. Ela fez participações especiais em vários programas, incluindo “Um Maluco no Pedaço” e “Baywatch”. 

Em “Glee’, Naya interpretou uma líder de torcida e apareceu em 113 episódios da série.

Fox News diz que “por engano” tirou Trump de foto com Jeffrey Epstein e Ghislaine Maxwell

Painel Político - https://politico.painelpolitico.com

A Fox News disse nesta segunda-feira que tirou “por engano” o presidente Trump de uma fotografia que mostrava o bilionário Jeffrey Epstein e sua namorada e cúmplice à época, Ghislaine Maxwell, que foi presa pelo FBI na semana passada, sob acusação de ser cafetina de adolescentes que eram aliciadas por ela e Epstein.

“No domingo, 5 de julho, uma reportagem sobre Ghislaine Maxwell durante o ‘America’s News HQ’ do Fox News Channel eliminou por engano o presidente Donald Trump de uma foto ao lado de Melania Knauss, Jeffrey Epstein e Maxwell”, disse um porta-voz da rede.

O porta-voz da Fox News acrescentou: “Lamentamos o erro”.

Maxwell foi acusada por promotores federais em Nova York na quinta-feira por seu suposto papel no recrutamento e abuso sexual de menores de idade como parte de uma empresa criminosa de anos.

A foto divulgada pela Fox tirou Trump digitalmente

Aliada de Trump, a Fox destacou alguns encontros entre o ex-presidente democrata Bill Clinton e Epstein, algumas vezes compartilhando fotos antigas nas quais os dois aparecem, enquanto minimizam fotos que mostram Trump e Epstein juntos.

Um porta-voz de Clinton disse em 2019 que o ex-presidente não sabia “nada sobre os terríveis crimes” cometidos pelo pedófilo condenado.

O corte flagrante de Trump da Fox News a partir da foto atraiu críticas e provocou uma cobertura pouco lisonjeira da mídia para a rede conservadora de cabos. A fotografia foi ao ar durante um segmento sobre Maxwell sendo acusado por promotores federais.

Ameba ‘comedora de cérebro’: caso de infecção na Flórida gera alerta nos EUA

Painel Político - https://revista.painelpolitico.com

Um caso de uma rara ameba “comedora de cérebro” foi confirmado no Estado americano da Flórida, segundo autoridades de saúde locais.

O Departamento de Saúde da Flórida afirmou que uma pessoa no condado de Hillsborough contraiu Naegleria fowleri, uma microscópica ameba unicelular que causa infecção no cérebro.

Frequentemente encontrada em água morna, a ameba entra no corpo pelo nariz.

Não foram divulgadas informações sobre o estado de saúde do paciente ou sobre a maneira com que contraiu a ameba — que não passa de uma pessoa para outra.

Esse tipo de infecção (meningoencefalite amebiana primária) é mais comum em Estados do sul dos EUA, mas ainda assim é rara. Na Flórida, há 37 registros desde 1962. Mas dada as suas consequências potencialmente fatais, o órgão de saúde da Flórida emitiu um alerta em 3 de julho para os moradores de Hillsborough.

Autoridades locais recomendaram aos habitantes que evitem o contato do nariz com água encanada e de outras fontes da região.

Isso inclui lagos, rios e canais, por exemplo, onde infecções por Naegleria fowleri são mais comuns por causa da temperatura da água nos meses mais quentes (julho, agosto e setembro).

Aqueles infectados pela ameba apresentam sintomas como febre, náusea, vômito, rigidez na nuca e dores de cabeça. A maioria morre em até uma semana. Estima-se que 97% dos infectados morrem.

 Ameba pode ser encontrada em lagos e zonas úmidas
Getty Images/BBC NEWS BRASIL

Ameba pode ser encontrada em lagos e zonas úmidas

O órgão de saúde da Flórida afirmou que qualquer pessoa com esses sintomas deve procurar atendimento médico rapidamente. “Lembre-se de que essa doença é rara e estratégias eficazes de prevenção podem permitir banhar-se de forma segura e relaxante durante o verão.”

Quando se trata da prevenção, o recomendado é que se mantenha a água distante do nariz ao nadar e mergulhar em água doce, seja cobrindo o nariz com a mão, deixando-os fora da água ou usando itens para cobrir os orifícios.

Por que a ameba se alimenta de ‘cérebros’?

Infecções por Naegleria fowleri são raras nos EUA, segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Entre 2008 e 2017, apenas 34 infecções do tipo foram registradas no país. Do total, 30 ocorreram em atividades de lazer em fontes de água fresca (como lagos e rios), 3 durante irrigação nasal e uma se deu durante uma brincadeira no quintal de casa.

“Houve 34 registros de infecções nos Estados Unidos nos 10 anos entre 2008 e 2017, apesar das milhões de exposições à água em atividades recreacionais a cada ano. Como comparação, nos 10 anos entre 2001 e 2010, houve mais de 34 mil mortes por afogamento no país”, diz o site do órgão.

Meningoencefalite amebiana primária ocorre quando a água contaminada entra pelo nariz e chega ao cérebro
BBC NEWS BRASIL

Meningoencefalite amebiana primária ocorre quando a água contaminada entra pelo nariz e chega ao cérebro

De acordo com o CDC, a Naegleria fowleri é um protozoário que vive em ambientes úmidos, como solos mais encharcados e fontes de água fresca, doce e morna — como rios e lagoas. Em casos de menor incidência, esses microrganismos podem ser encontrados também em piscinas com tratamento de cloro inadequado ou na água de torneira aquecida.

Segundo o CDC, a presença dessa ameba em ambientes aquáticos doces é comum, mas as infecções são raras — não há ainda métodos e métricas satisfatórias para quantificar a incidência da meningoencefalite amebiana primária no material líquido e a ligação disso com a contaminação em humanos.

Quando ocorre, a infecção se dá com a entrada da água contaminada no corpo pelo nariz.

É desta forma que a ameba chega ao cérebro e ataca o tecido cerebral. Daí o nome pelo qual esse organismo é conhecido: “a ameba que come cérebros”. Em geral, ela se alimenta de bactérias encontradas nos sedimentos de regiões alagadas.

Via BBC Brasil

Após 3 meses internado e ter a perna amputada, Nick Cordero, ator de Law&Order morre de coronavírus

Painel Político - https://revista.painelpolitico.com

O ator Nick Cordero, de 41 anos, morreu no domingo (5), em um hospital de Los Angeles (EUA), com complicações médicas após contrair Covid-19. 

Ele estava internado no hospital Cedars-Sinai há mais de 3 meses. Durante internação, Nick precisou amputar a perna direita. O ator teve problema de coagulação e medicamentos afetaram seu intestino. 

Amanda Kloots, mulher do ator, confirmou a morte de Nick em suas redes sociais. Ela usava diáriamente o Instagram para dar notícias sobre o estado de saúde do marido. Em maio, ela noticiou que Nick havia acordado do coma, mas estava fraco. 

“Deus tem outro anjo no céu agora. Meu querido marido morreu esta manhã. Ele esteve cercado de amor por sua família, cantando e orando enquanto ele deixava gentilmente este mundo.” 

“Estou sem acreditar e completamente destruída. Não consigo imaginar nossas vidas sem ele. Nick era iluminado. Era amigo de todo mundo, amado por ouvir, ajudar e especialmente falar. Era um ator e músico incrível. Ele amava sua família e amava ser pai e marido. Elvis e eu vamos sentir sua falta em tudo, todos os dias”, escreveu Amanda. 

Cordero era especialista em interpretar durões na Broadway e estrelou espetáculos como “Garçonete”, “Um Conto do Bronx” e “Bullets Over Broadway”. O ator também atuou em produções na TV norte-americana e ficou conhecido em Law & Order..

Professor de 58 anos é preso com mais de 200 fotos e vídeos de aluna de 4 anos

Painel Político - https://revista.painelpolitico.com

Um professor de 58 anos foi preso no estado do Kansas, nos Estados Unidos, por perseguir e tirar mais de 200 fotos e vídeos de uma aluna de quatro anos que frequentava a escola na qual ele dava aula.

James Loganbill foi denunciado por parentes da criança após uma queixa da menina, que, apesar de nunca ter sido tocada pelo professor, narrou “ter medo” dele. Além de encontrar 210 imagens da menina, registradas em um período de um ano, os investigadores encontraram dezenas de vídeos e notaram que o professor procurou o nome da criança mais de 30 vezes em sites na internet.

Preso de forma preventiva, o homem vai passar por julgamento, mas pode ter sentença máxima de um ano, período considerado como “curto” pelos parentes da garota perseguida. “Nós não temos leis que protejam crianças de situações desse tipo”, afirmou o advogado da família, Steve Howe, em entrevista ao canal norte-americano Fox News.

O professor não se pronunciou sobre o caso. Em nota ao canal, o advogado dele alegou inocência.

Águia captura filhote de tubarão e sobrevoa praia; assista

Painel Político - https://revista.painelpolitico.com

Os banhistas que estavam na praia de Myrtle Beach, na Carolina do Sul (EUA) presenciaram uma cena bizarra no dia 22 de junho. Isso porque uma águia sobrevoou o local segurando o que parecia ser um  tubarão de pequeno porte. Uma turista identificada como Ashley White registrou o momento da janela do apartamento em que estava.

No vídeo, é possível ver a águia sobrevoando a praia segurando um animal que seria um tubarão que aparentava estar morto. Entretanto, no final do vídeo, a presa começa a se mexer enquanto está presa nas garras do pássaro. Confira o registro:

O vídeo viralizou e intrigou os internautas. Alguns começaram a questionar se o animal que a águia estava transportando era, de fato, um tubarão, sugerindo que poderia ser um peixe de médio porte ou até um filhote. 

FBI prende Ghislaine Maxwell, namorada do bilionário Jeffrey Epstein

Painel Político - https://revista.painelpolitico.com

A socialite Ghislaine Maxwell foi presa pelo FBI por acusações relacionadas ao agressor sexual e bilionário Jeffrey Epstein, relata a mídia americana.

A socialite e herdeira britânica, que se tornou confidente de Jeffrey Epstein, foi acusada de ser a ‘cafetina’ de abusadores sexuais notórios.

Ela foi presa em New Hampshire por acusações relacionadas a Epstein e deve comparecer a um tribunal federal ainda hoje.

Pensa-se que o local de sua prisão esteja perto da casa de seu suposto namorado Scott Borgerson.

Maxwell é acusada de atrair meninas para o ex-namorado Epstein e até de participar de alguns dos abusos – alegações que nega veementemente.

Epstein, um criminoso sexual registrado, foi preso no verão passado por novas acusações federais de exploração de dezenas de meninas menores de idade em Nova York e Flórida no início dos anos 2000.

Ele morreu após supostamente ter cometido suicídio na prisão no início de agosto de 2019. Dois dos guardas encarregados de monitorar Epstein agora enfrentam acusações federais por não o supervisionarem adequadamente antes de sua morte.

Um dia antes de seu suicídio, um tribunal federal de apelações divulgou a transcrição de um depoimento de 2016, no qual Epstein se recusava repetidamente a dizer se Maxwell havia contratado garotas para ele.

Porta-vozes do FBI e da Procuradoria dos EUA em Manhattan se recusaram a comentar.

Revoltada por ter que usar máscara, mulher joga as compras e dá “um show” no supermercado; veja vídeo

Painel Político - https://revista.painelpolitico.com

Uma americana, moradora de Dallas (Texas), fez um verdadeiro escândalo em um supermercado após ter sido comunicada da obrigatoriedade do uso de máscaras para concluir suas compras.

Revoltada, ela começou a gritar e a jogar as compras que estavam no carrinho. No vídeo, é possível ouvir um homem pedindo para alguém chamar a polícia. Veja as imagens:

O Texas registra 148.728 mil casos de coronavírus e 2.393 mortes. Em Dallas são 18.538 casos e 334 óbitos.