Adolescente mata a mãe e publica post de luto nas redes sociais

Um adolescente de 16 anos foi apreendido por suspeita de ter matado a mãe enforcada com a alça da bolsa na cidade de Orobó, em Pernambuco. Segundo a polícia, o jovem também teria golpeado Luzinete Severina da Silva, que ficou inconsciente. O crime aconteceu na tarde da última terça-feira (24).

De acordo com a rádio Jornal Pernambuco, o adolescente teria envolvimento com traficantes e queria dinheiro para comprar droga. Após cometer o crime, ele fez uma publicação no Facebook lamentando a morte.

“Mãe, vá com Deus”. Nos comentários, habitantes da cidade ficaram revoltados com a atitude do rapaz. Já são mais de 2,5 mil interações na rede social.

Fonte: noticiasaominuto

Mãe enforca criança de 10 meses e envia vídeo chantageando o pai em Abaeté, MG

Uma mulher de 35 anos está sendo acusada de tentativa de homicídio por enforcar o filho de apenas 10 meses no município de Abaeté, no centro-oeste de Minas Gerais. Segundo informações da Polícia Militar da cidade mineira, a mãe chegou a gravar a ação com o celular e enviou o vídeo para chantagear o pai da criança.   
Durante os cinco segundos da gravação, a mulher aperta o pescoço da criança, que, impedida de respirar, fica vermelha e chora. O jornal Correio teve acesso às filmagens, mas por se tratar de uma cena extremamente forte, optou por não divulgar a gravação. “Fala para o seu pai que eu não estou brincando”, diz no vídeo. O crime aconteceu no último sábado (21/10) e foi registrado no 141º Batalhão da PM, situado na cidade.
Ainda de acordo com a PM, a mulher, que estaria sofrendo de depressão pós-parto, foi encaminhada a um hospital psiquiátrico em Belo Horizonte. Ela precisou ser escoltada por uma equipe da corporação, já que, revoltados, os vizinhos ameaçavam linchá-la.
O bebê foi resgatado bem e está sob a guarda de um parente. Já a mulher continua recebendo tratamento especializado e, segundo a polícia, ainda não foi presa.
Fonte: correiobraziliense

Trabalho em cooperativa de recicláveis une mãe e filho depois de 21 anos

Trabalho em cooperativa de recicláveis une mãe e filho depois de 21 anos

A catadora de materiais recicláveis Sandra Aparecida, 39 anos, de Nova Esperança, no noroeste do Paraná, esperava encontrar de tudo em meio ao lixo, que encara diariamente, há oito anos. Tudo, menos o filho que não pôde criar.

Há menos de um ano, ela reconheceu na Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Nova Esperança (Cocamare) o filho Leandro dos Santos Rosa, de 22 anos, de quem se separou há 21.

“Já vi mãe jogar o filho no lixo, mas encontrar nunca”, diz a catadora.

Quando o jovem apareceu na Cocamare em busca de trabalho, Sandra não teve dúvida de que conhecia aquele rosto. “Bati o olho nele e reconheci. Coração de mãe não se engana”, conta ela, que guardou por duas décadas uma foto do menino – a única recordação.

Daquele momento em diante, foram três dias sem conseguir se alimentar direito, tamanha ansiedade em colocar ponto final na espera. “Comentei com uma amiga e pedimos para ele [Leandro] trazer uma foto da infância. Não deu outra. Graças a Deus essa história teve um final feliz”, comemora, sem segurar emoção.

Leandro nasceu quando Sandra tinha 18 anos e outras quatro crianças. Ela conta que trabalhava em lavouras de mandioca e laranja, à época. “Eu não tinha condições de criar ele. Não tinha. Eu tive que doar meu filho”, recorda.

Por alguns anos, ela soube do paradeiro do menino e da nova família. Quando precisou se mudar para Cianorte, também no noroeste paranaense, perdeu o contato. “Quando voltei eles tinham mudado de endereço e eu não sabia como procurar”, diz.

Mãe e filho trabalham juntos em uma cooperativa de materiais recicláveis. (Foto: Gesli Franco/RPC)

Hoje, enquanto ela trabalha na esteira onde passam os materiais para separação, ele ajeita caixas de papelão na prensa, a poucos metros de distância. Tímido, o jovem esconde o olhar embaixo da aba do boné. A rotina de trabalho para ganhar cerca de R$ 800 por mês, no entanto, tem outro sentido para eles.

“Esse emprego rendeu. Agora, em vez de uma, eu tenho duas mães”, afirma Leandro. O jovem diz que também ganhou quatro irmãos, sobrinhos e um objetivo na vida. “A gente quer ser feliz, ter saúde e ficar em paz, mas juntos”, revela o jovem.

Fonte: g1/pr

Filho usa roupas de mulher por 20 anos para mãe superar perda da filha; vídeo

Filho usa roupas de mulher por 20 anos para mãe superar perda da filha; vídeo

Uma história emocionou a cidade de Guilin, na China. Um filho decidiu se vestir de mulher para ajudar a mãe a superar a morte da irmã dele. O rapaz, que não teve a identidade revelada, disse que começou a usar roupas femininas quando a mãe começou a apresentar uma deficiência mental, no fim dos anos de 1990.

Segundo ele, em um vídeo publicado na internet, a mãe parecia sempre muito feliz por ter uma filha. Dessa forma, ele não viu problema em continuar se vestindo assim. E o chinês ainda fez mais: doou todas as roupas masculinas. “Ela é minha filha. Quando minha outra menina morreu, ela se tornou minha cria”, diz a genitora no vídeo.

Ainda no vídeo, o homem diz que se vestir de mulher já fiou rotina. “Ela fica tão feliz que eu continuo fazendo. Eu basicamente vivo como uma mulher desde então. Não me preocupa se as pessoas riem de mim”, diz o filho.

Fonte: metropoles.com

Transgênero e parceiro esperam 1º filho biológico nos EUA

Transgênero e parceiro esperam 1º filho biológico nos EUA

Juntos há sete anos, Trystan Reese e seu parceiro, Biff Chaplow, esperam o nascimento do primeiro filho biológico neste mês de julho, em Portland, em Oregon, nos Estados Unidos. O que chama a atenção da imprensa internacional para a história é que Trystan, de 34 anos, é transgênero.

“Eu tive sorte. Apesar da queimação no estômago, tudo está bem”, afirmou ao jornal francês “Paris Match”. Ele não revelou o nome do bebê, um menino, que deve nascer em breve.

Trystan contou que estava no ensino médio quando iniciou a transição. Ele decidiu mudar de nome e começou a tomar hormônios. “Eu dizia que eu era um homossexual em um corpo de mulher. Eu comecei a tomar testosterona e meu corpo começou a mudar. Emocionalmente foi muito difícil, mas em seis meses eu era um homem”, afirmou.

Ele ressalta que nunca quis ter um corpo exatamente igual ao do parceiro e, por isso, não fez a cirurgia para redesignação do órgão sexual. “Eu nunca quis que o meu corpo não fosse um corpo de transexual. Eu estou bem sendo um homem que tem útero, que tem a capacidade de ter um bebê”, afirma no vídeo postado no Facebook do casal e reproduzido pela rede americana CNN.

Último vídeo publicado na página do casal (Foto: Reprodução G1/ Facebook Biff and I)

Trystan afirma no vídeo estar satisfeito com as modificações. “Eu acho que meu corpo é impressionante. Eu sinto que é um presente ter nascido com o corpo que tinha. Eu fiz as mudanças necessárias para que eu pudesse continuar vivendo nele, através de hormônios e de outras modificações “, afirmou.

Maternidade

O casal já tem um casal de filhos, que foram adotados em 2011, porém decidiram ter um filho biológico. Trystan afirma ainda que a aceitação da sua condição o permitiu encarar com naturalidade a gravidez. “Eu sou feminista. Eu penso que mulheres são impressionantes. Eu não acho ruim ser uma mulher. Só não aconteceu de ser [por fora] como eu era por dentro. Por isso, é ok entrar nesse sagrado mundo da maternidade. E isso não me faz sentir menos homem. Eu só sou um homem capaz de ter um bebê e eu decidi fazer isso”, declarou.

Trystan parou de tomar testosterona por alguns meses para preparar seu corpo. Depois de cinco meses, descobriu que estava grávido, de acordo com a CNN.

Eles contam que a equipe médica passou por treinamento para acompanhar o casal. Porém, as críticas acontecem principalmente pela internet.

“Por trás do anonimato, as pessoas se sentem empoderadas para dizer o que deveria acontecer conosco, com os nossos filhos, com a nossa família. A razão pela qual você decide ter um filho é querer ver mais amor no mundo e lembrando quão difícil será. É duro”, afirma.

Site do casal mostrou a evolução da gravidez (Foto: Reprodução G1/ Facebook Biff and I)

Fonte: g1.com

Mãe posta vídeo com “sinal” que recebeu do filho morto e viraliza; veja

Mãe posta vídeo com “sinal” que recebeu do filho morto e viraliza; veja

O vídeo compartilhado no Facebook já acumula quase 10 milhões de visualizações.

A inglesa Marie Robinson, de 45 anos, passou por um grande trauma em abril de 2014. Ela perdeu o filho Jack, de apenas 4 anos, após enfrentar um tumor no cérebro. Além dos pais e três irmãs mais velhas, o pequeno deixou para trás Liam, seu irmão gêmeo idêntico.

Com a aproximação do aniversário da morte de Jack, o triste episódio na vida de Marie voltou a assombrar a família. Para enfrentar a dor, ela pediu um “sinal” para Deus. Segundo a mulher contou ao The Mirror, Ele respondeu ao seu chamado. “Na manhã de sábado (1º/4), eu entrei no carro e disse em voz alta: ‘Jack, por favor, mande um sinal para a mamãe. Eu saí do trabalho às 13h e caminhei até o cemitério. Eu fui tomada por emoções e me sentei ao lado do seu túmulo. Foi quando um pintarroxo começou a voar na região, tentando pousar em mim e parando no meu pé — ele não me parecia nada assustado”, revelou a mulher.

Marie, então, pegou o telefone para filmá-lo e o pássaro acabou pousando na mão dela. “Ele olhava diretamente para o meu rosto e, num determinado momento, pousou no meu ombro e me mordiscou algumas vezes”, contou.

Marie compartilhou o encontro num vídeo no Facebook, que já acumula quase 10 milhões de visualizações.

 

Fonte: metrópoles.com