Quanto mais velhos os pais, mais ‘nerds’ os filhos, aponta estudo

Quanto mais velhos os pais, mais ‘nerds’ os filhos, aponta estudo

Homens mais velhos tendem a ter filhos mais “nerds”, indica um estudo publicado nesta quarta-feira no periódico Translational Psychiatry. Segundo a pesquisa, os meninos nascidos de pais com idade mais avançada possuem quocientes de inteligência (QIs) mais altos, são mais focados em seus interesses e têm pouca preocupação com se adaptar a círculos sociais.

“Nosso estudo sugere que podem existir alguns benefícios associados a ter um pai mais velho”, afirmou em comunicado a psiquiatra Magdalena Janecka, pesquisadora do King’s College, no Reino Unido, e uma das autoras do trabalho. “Há algum tempo sabemos das consequências negativas da idade paterna avançada, mas agora mostramos que essas crianças podem também ter melhores perspectivas na educação e na carreira.”

As consequências negativas às quais a pesquisadora se refere são os riscos mais elevados de que doenças como autismo e esquizofrenia ocorram em crianças com pais mais velhos, segundo algumas pesquisas anteriores.

Filhos ‘geek’

Para chegar à conclusão apresentada no estudo, Magdalena e sua equipe criaram uma “escala nerd” (ou geek index, em inglês) baseada em dados comportamentais e cognitivos coletados de quase 8.000 gêmeos britânicos de 12 anos. Os jovens preencheram uma série de testes online que mediam características que normalmente são associadas ao comportamento nerd, como QI, capacidade de focar em um único tema e distanciamento social. Os pais também foram questionados se os filhos se preocupavam com a opinião de seus colegas e se eles tinham qualquer interesse que ocupavam a maior parte do seu tempo.

As maiores pontuações na escala nerd vieram, em geral, de meninos com pais mais velhos (com idades entre 35 e 40 anos ou com mais de 50 anos), em comparação a pais com idade igual ou menor que 25 anos, explica Magdalena. Além disso, acompanhando as crianças durante algum tempo, a equipe percebeu que os garotos mais ‘nerds’ continuavam a se sair melhor do que os demais em exames escolares mesmo depois da medição da escala, especialmente em disciplinas ligadas a ciência, engenharia, tecnologia e matemática.

Embora o estudo não tenha investigado o papel de fatores externos, os pesquisadores levantam algumas hipóteses para o resultado encontrado. Uma delas é que pais mais velhos tendem a ter carreiras mais estáveis e um status socioeconômico mais alto que os pais jovens. Isso significa que as crianças tendem a crescer em ambientes que proporcionam mais estímulos e acesso a uma melhor educação. De acordo com os pesquisadores, a idade da mãe não teve influência nos resultados, que foram verificados apenas nos filhos do sexo masculino.

Autismo

Segundo Magdalena, os resultados também ajudam a compreender as ligações entre maior idade paterna, autismo e características “tipicamente nerds”. Embora os pesquisadores não possam medi-los diretamente, eles acreditam que alguns “genes nerds” também estariam presentes no DNA de pessoas com autismo, e que esses elementos genéticos poderiam ser mais propensos a se expressar em pais mais velhos.

“Quando a criança nasce apenas com alguns desses genes, eles podem ser mais propensos a ter sucesso na escola. No entanto, com uma ‘dose’ mais elevada desses genes, e quando há outros fatores de risco contribuintes, eles podem acabar com uma maior predisposição para o autismo”, explica a psiquiatra. “Isto é apoiado por pesquisas recentes que mostram que os genes do autismo também estão ligados ao maior QI”.

Fonte: veja.com

Paquistanês de 70 anos revela que sexo todos os dias rendeu 54 filhos

Paquistanês de 70 anos revela que sexo todos os dias rendeu 54 filhos

Morador de Nushki, no oeste do Paquistão, Abdul Majeed Mengal sustenta a grande família trabalhando como motorista de ônibus

Ter feito sexo todos os dias rendeu a um paquistanês 54 filhos ao longo da vida. Segundo relato de Abdul Majeed Mengal, 70 anos, publicado pelo Daily Mail, ele se casou pela primeira vez aos 18 anos e, já com a primeira mulher, teve os primeiros filhos. Foram seis casamentos.

Morador de Nushki, no oeste do Paquistão, Abdul sustenta a grande família trabalhando como motorista de ônibus. Hoje, são 42 filhos vivos – a mais nova é uma menina de 2 anos. Doze morreram, entre eles um ainda na gestação, junto com a mãe. Segundo a reportagem, a ex-mulher dele estava doente durante a gravidez e não resistiu aos problemas de saúde.

Atualmente, o motorista mora com a família em uma casa de sete quartos e todas as despesas são arcadas por ele e por um dos filhos, os únicos que possuem renda salarial.

Homem e mulher se agridem por causa de namoro dos filhos de 19 e 11 anos, em Porto Velho (RO)

Menino de 13 anos mata amigo da mesma idade ao brincar com a arma do pai, em RO

Quando a polícia chegou a dupla recebeu voz de prisão e foi encaminhada para a Central de Flagrantes de Porto Velho.

Um homem de 45 anos foi preso na noite de quarta-feira (29) após agredir, com uma boca de lobo, uma mulher de 31 anos em uma residência localizada no Bairro Aeroclube, em Porto Velho. A vítima também foi presa por tentar furar o suspeito com uma faca e disse que foi até a casa do homem porque descobriu que sua filha de 11 anos estava namorando o filho do suspeito.

De acordo com o boletim de ocorrência, a mulher informou aos policiais que ficou sabendo que sua filha estava tendo um relacionamento com o filho do suspeito, de 19 anos. Na casa, os dois iniciaram uma discussão e, conforme a mulher, o pai do jovem a agrediu no braço esquerdo com uma boca de lobo, e para defender-se ela pegou um pedaço de madeira que estava próximo.

Já o homem informou que estava em sua residência quando a mulher chegou com uma faca dizendo que iria matar seu filho. Para tentar evitar o pior, o homem pediu para ela fosse embora, mas a mulher insistiu em ficar. Enfurecida, ela ainda tentou furá-lo com uma faca e para defender-se, pegou a boca de lobo e a acertou no braço esquerdo. Ainda de acordo com o homem, a mulher teria causado danos ao seu carro com a faca.

Quando a polícia chegou a dupla recebeu voz de prisão e foi encaminhada para a Central de Flagrantes de Porto Velho.

Fonte: Rondoniagora

Marido estressa mais que filho, diz pesquisa

Marido estressa mais que filho, diz pesquisa

Uma pesquisa mostrou que apesar de todas as evidências, a principal fonte de stress das mulheres são os maridos, não os filhos.

Criar um filho certamente é uma tarefa estressante em muitos momentos. Mas, mesmo se você for uma mãe exigente, cuidadosa e considerada “chata”, a maior fonte de stress das mulheres são os maridos, não os filhos.

Uma pesquisa realizada pelo site americano Today.com com 7.000 mães revelou altos níveis de stress: a média ficou em 8,5, em uma escala de 0 a 10. Quando questionadas sobre a maior fonte de stress, 46% delas disseram que os companheiros geram mais stress do que os filhos.

Falta de ajuda no dia a dia

De acordo com a pesquisa, a principal preocupação das mulheres com filhos é não ter tempo para fazer tudo o que precisam no dia a dia e o companheiro não ajudar só piora isso. A maior parte (75%) das participantes que vivia com um parceiro disse que eles não ajudam a cuidar dos filhos nem da casa e, para 20% delas, não ter a ajuda do companheiro é a principal fonte de stress diário.

“As mães pensam, meu trabalho principal é ser mãe, então ela procura ajuda do marido. Mas os pais são submetidos a uma posição de ‘suporte’, eles são menos propensos a serem tão parceiros quanto as mães esperam.”, disse Hal Runkel, terapeuta e autor de dois livros sobre filhos e casamento, ao Today.com.

Para Runkel, o problema não são os homens, mas o casamento, que por si só, já é estressante. “O casamento é um relacionamento muito mais difícil do que ser um pai”, afirmou o terapeuta.

Fonte:veja.com

Ter filhos aumenta a expectativa de vida

Ter filhos aumenta a expectativa de vida

Pesquisa sueca aponta que pais com 60 anos tendem a viver dois anos a mais que os homens da mesma idade sem filhos.

Quem tem filhos vive mais, apontou um novo estudo publicado nesta semana no periódico científico Journal of Epidemiology and Community Health. Segundo a pesquisa, conduzida por cientistas do Instituto Karolinska e do Instituto Sueco para Pesquisas Sociais, da Universidade de Estocolmo, homens e mulheres com filhos têm um aumento na expectativa de vida comparado aos sem filhos. Também foi observado que homens não casados com filhos tendem a viver ainda mais que outros homens com o mesmo perfil, mas sem descendentes. Análises anteriores já haviam apontado que pessoas com filhos têm maior longevidade, mas essa é a primeira a cogitar que a companhia e o cuidado constantes dos filhos sejam o motivo da sobrevida.

Para chegar a essas conclusões, os cientistas analisaram os registros de quase um milhão e meio de homens e mulheres suecos nascidos entre 1911 e 1925. Essas trajetórias foram verificadas desde que os indivíduos tinham 60 anos até sua morte, emigração, ou fim do tempo analisado, em dezembro de 2014. Além disso, para ser considerado como pai, o cidadão deveria ter um filho vivo e morando na Suécia no período observado.

Também foram considerados fatores que interferem na qualidade de vida, como nível de educação, região e o estado civil, separando solteiros, divorciados ou viúvos dos que ainda tinham um companheiro. Para observar se o gênero do descendente teve algum impacto na expectativa de vida, eles também isolaram as famílias de filho único do sexo feminino, do masculino.

Cuidado dos filhos com os pais

A partir dessas divisões, os pesquisadores calcularam a taxa de óbito do grupo observado e concluíram que, aos 60 anos, homens com filhos têm uma expectativa de vida dois anos maior que o resto dos homens. Enquanto as mães tendem a viver um ano e meio a mais que o resto das mulheres. Já aos 80 anos, homens pais tendem a viver oito meses a mais, e as mães, sete meses.

Ainda foi observada uma diferença mais expressiva entre homens não casados. Isso porque os sem filhos tiveram uma taxa de mortalidade maior que os pais sem companheiras. Aos 85 anos, por exemplo, o risco de morte entre homens não casados com filhos é 1,2% menor que os não casados sem filhos.

Já o sexo dos filhos não teve diferença na expectativa de vida. Mas, como essa análise foi feita apenas com pais de filhos únicos, os cientistas alertam que, nesses casos, os homens podem desenvolver a mesma responsabilidade e cuidados que as filhas mulheres.

Apesar do estudo não ter analisado caso a caso, ele identifica como o cuidado dos filhos adultos pode ajudar na terceira idade de seus progenitores, quando a saúde deteriora. No entanto, os próprios pesquisadores admitem outros fatores que podem interferir na expectativa de vida, como a hipótese de que muitas pessoas podem não ter filhos por problemas de saúde e de que pais tendem a ter um estilo de vida mais saudável.

“Nossa constatação de que a associação se fortaleceu quando os pais ficaram mais velhos está de acordo com as pesquisas que sugerem que as pessoas sem filhos enfrentam a falta de cuidados apenas para o fim da vida”, explicaram os cientistas em comunicado.

Fonte: veja.com