Hildon foi indicado suplente de Moreira Mendes em 2014

Ex-promotor que foi anunciado como “a grande novidade” chegou a rodar o estado pedindo votos

O ex-promotor de Justiça Hildon Chaves que se vende como “a novidade na política” não é tão “novidade” assim. Em 2014 Hildon chegou a ser indicado como  segundo suplente de Rubens Moreira Mendes, que disputou o senado sub-júdice e teve o pedido de registro indeferido por uma condenação no Superior Tribunal de Justiça.

Mesmo assim, Hildon chegou a correr o Estado se vendendo como “grande novidade” no pleito. Na época, assim foi anunciado em reportagem da assessoria reproduzida por vários sites, “o deputado federal Moreira Mendes, dirigente do partido social, é o pré-candidato ao Senado da chapa e a novidade foi anuncio da suplência do promotor aposentado Hildon Chaves, que atuou por muitos anos na Promotoria da Saúde. “Temos a certeza que neste grupo nós estaremos elegendo o governador, senador e vários deputados estaduais e federais porque são pessoas comprometidas com o futuro do nosso Estado”, explicou Expedito Junior, que participou do encerramento do encontro no sábado. “É uma honra contar com a presença do nosso ilustre Hildon na chapa ao Senado”, disse Moreira Mendes ao abraçar a indicação dos tucanos. “A decisão da aliança está tomada. Não tem volta. É prego batido de ponta virada”, esclareceu o presidente do PSD, refutando qualquer notícia ou ilação sobre conversas do seu partido com outros grupos políticos”.

Em função de discordâncias entre Expedito Júnior, padrinho político de Hildon e o ex-deputado Moreira Mendes, a chapa “azedou”, mas antes disso acontecer, Júnior rodou com Hildon de norte a sul do Estado mostrando a “grande novidade”, conforme postagens feitas por jornais do interior:

Matéria publicada pelo Folha do Sul
Matéria publicada pelo Folha do Sul 

 

Matéria publicada pelo Extra de Rondônia
Matéria publicada pelo Extra de Rondônia

Hildon pode ter saído do MP por sociedade em “empresa de pasta” com médicos

Ex-promotor é sócio de médicos de Porto Velho e da esposa do ex-senador Expedito Júnior no Rio de Janeiro

Hildon Chaves era o promotor responsável pelas investigações na área de saúde pública. Mas nunca prendeu ninguém pelas péssimas condições que o setor sempre apresentou. Pelo contrário, associou-se a dois médicos de Porto Velho em uma “empresa de pasta” no Rio de Janeiro que tem também como sócia, Valdelise Martins Dos Santos Ferreira, mais conhecida como “Val Ferreira“, esposa do ex-senador Expedito Júnior.

A revelação foi feita nesta quarta-feira, em reportagem do jornal eletrônico Rondoniaovivo, que descobriu a empresa HLC Educacional LTDA, que deveria funcionar na rua Padre Siqueira, 325, em Petrópolis (RJ), mas o local que deveria abrigar uma escola, funciona um pub, o Niko’s Bistrô, que atende desde 2008 no mesmo endereço.

As relações estreitas entre o ex-senador e o ex-promotor são antigas, mas até então eram apenas de cunho pessoal. Quando envolvem negócios, começam a ficar claros os interesses e derruba o argumento de que “Hildon não quer acordo com políticos“. Ele pode não “querer acordo”, mas é sócio de um.

captura-de-tela-2016-10-05-as-14-33-37Chama a atenção o fato da empresa, cujo quadro societário é composto por dois médicos rondonienses, Fábio Mestriner e Alberto Souza Castroviejo, além do ex-promotor da área de saúde Hildon Chaves e a esposa de Expedito Júnior, ter sido aberta no Rio de Janeiro. O CNPJ da empresa só aparece na declaração de bens de Hildon, como “outros fundos“, com cota no valor de R$ 70 mil.

A HLC deveria prestar serviços de “cursos de treinamento e desenvolvimento profissional e gerencial”, mas não funciona. Os telefones que constam no cadastro não existem, nem o fixo nem o celular.

O então candidato à prefeito Roberto Sobrinho, declarou em um debate no primeiro turno que “Hildon foi saído” do Ministério Público. Na época o candidato tucano não rebateu a declaração do petista. A relação comercial promotor/médicos levanta suspeitas sobre a saída repentina de Chaves do Ministério Público. Como promotor ele não poderia ter empresas, mas manteve com sua esposa, durante anos, as faculdades de ensino à distância. Era “legal” porque não estavam em seu nome, mas o bom senso comprova que não tinha como ele não ter gerência sobre as atividades empresariais de sua esposa. A sociedade na HLC foi feita em 2008, cinco anos antes de Hildon deixar o Ministério Público.  Nessa altura do campeonato, o mínimo que o ex-promotor deveria fazer era explicar esse quadro societário.

O que diz a legislação

De acordo com o parágrafo I do Artigo 110 da Lei Orgânica do Ministério Público de Rondônia, é vedado aos membros do Ministério Público “exercer o comércio ou participar de sociedade comercial, exceto como cotista ou acionista”, ou seja, o promotor/procurador pode ser sócio, desde que não gerencie.

Partidos começam definir quem irão apoiar no 2º turno na capital

Partidos começam definir quem irão apoiar no 2º turno na capital

Reuniões entre os partidos devem ocorrer ao longo da semana. Segundo turno das eleições municipais será no dia 30 de outubro.

Com a definição dos candidatos Dr Hildon Chaves (PSDB) e Léo Moraes (PDT) para o segundo turno das eleições em Porto Velho, começam nesta terça-feira (4) as reuniões dos partidos que participaram do pleito no último domingo (2). O objetivo é definir se irão apoiar algum candidato que permanece na disputa eleitoral e as possíveis alianças que poderão ser formadas.

Os debates da cúpula dos partidos com suas bases devem ocorrer até a próxima sexta-feira (7), segundo informaram as assessorias das legendas na última segunda-feira (3).

O empresário Dr Hildon Chaves (PSDB), por meio da assessoria, antecipou que não formalizará nenhuma aliança com qualquer partido. Segundo a assessoria do candidato, ele diz que chegou ao segundo turno com os votos do eleitor, e isso basta.

O deputado Léo Moraes (PDT) não se posicionou sobre a questão ainda. Segundo a assessoria, não há nenhuma decisão ou discussão dentro do partido sobre alianças ou apoio para a campanha que começa nesta semana.

A assessoria do candidato Pimenta de Rondônia (PSOL) afirmou que o partido ainda não conversou sobre alianças e deve se reunir às 18h desta terça-feira (4), na sede do diretório municipal, para falar sobre a questão.

O PMDB, representado por Williames Pimentel, deve reunir sua base até esta quarta-feira (5) para definir se vai apoiar algum candidato ou se vai manter-se fora do segundo turno, conforme informou a assessoria.

O deputado estadual Dr Ribamar Araújo (PR) também não definiu apoio. Conforme a assessoria, ele deve se reunir com a liderança do partido na sexta-feira (7), mas não informou o horário e nem local da reunião.

A assessoria do prefeito Dr Mauro Nazif (PSB) foi consultada sobre o assunto por telefone, mas não retornou as ligações até o fechamento desta matéria. Contudo, no último domingo (2), quando soube que tinha ficado em terceiro lugar nos resultados, Mauro falou que o partido vai analisar possíveis alianças, mas não informou com quem tentaria aproximação nesse primeiro momento.

O PT, que foi representado por Roberto Sobrinho, deve se reunir nesta terça-feira (4) para tratar o assunto, segundo a assessoria do partido.

Fonte: G1

Léo Moraes e Hildon Chaves disputam segundo turno em Porto Velho

Capital rejeitou atual prefeito Mauro Nazif (PSB) que ficou em terceiro lugar

Brasília – A população de Porto Velho apostou na mudança e mandou para o segundo turno dois novatos no Executivo, o deputado estadual Léo Moraes (PTB) e o ex-promotor de Justiça Hildon Chaves (PSDB), que vão disputar, no próximo dia 30, quem vai governar a capital de Rondônia pelos próximos 4 anos.

A saída de Mauro Nazif do processo foi uma surpresa, já que todas as pesquisas de opinião garantiam o prefeito em segundo turno, mas projeções mostravam sua derrota em segundo turno com qualquer candidato.

Mas a ida dos dois novatos não é uma surpresa total. Surpreendente foi a baixa votação de candidatos como Williames Pimentel (PMDB), ex-secretário de saúde do Estado, que ficou em quarto lugar e teve pouco mais de 31 mil votos.

Em quinta colocação ficou o deputado estadual Ribamar Araújo (PR), com pouco mais de 11 mil votos e em quinta posição o candidato do PSOL, Pimenta de Rondônia, que teve pouco mais de 2 mil.

O ex-prefeito Roberto Sobrinho (PT) que concorreu por força de recursos judiciais, teve o registro de candidatura indeferido e seus mais de 25 mil votos não foram computados. Roberto não ganhou, mas atrapalhou, e muito a vida do prefeito Mauro Nazif, já que ambos disputam no mesmo nicho eleitoral.

E muita gente deixou de votar, foram mais de 7 mil votos em branco e 32,6 mil votos nulos (incluindo a votação do candidato do PT).

 

Em debate, Sobrinho levanta suspeita sobre patrimônio de ex-promotor; veja

Petista insinuou que Hildon Chaves foi “saído” do Ministério Público

O ponto alto do debate promovido pelaTV Rondônia, afiliada da Rede Globo em Rondônia foi a discussão entre o ex-prefeito Roberto Sobrinho (PT) e o ex-promotor e empresário Hildon Chaves (PSDB). O promotor falou que os votos do petista não seriam computados em função dele não ter obtido o registro de candidatura, portanto o eleitor que votar em Roberto vai “perder o voto”.

O candidato do PT rebateu, declarando que a justiça eleitoral lhe garantiu o direito de estar no debate, e que Hildon não sabia responder as perguntas, tampouco conhecia Porto Velho.

Roberto então declarou que o ex-promotor não poderia falar em ficar “enojado” sobre as denúncias que pesam contra ele, afinal Hildon, “não saiu do Ministério Público, e sim ‘saíram com ele’, pode perguntar a qualquer do MP”, disse Roberto que completou, “meu patrimônio declarado é de R$ 600 mil, e investigado, o seu é de R$ 11 milhões, e o senhor era funcionário público. Se passado é obscuro”, declarou o petista. Veja:

Coluna – Entrevistas com candidatos tinha 10 minutos; não consegui passar do 4

Coluna Painel Politico, jornalista Alan Alex

Site entrevistou os 7 candidatos à prefeito de Porto Velho e deu 10 minutos, veja como se saíram

Cadê a fiscalização?

Se tem uma coisa que não funciona em Porto Velho (entre tantas outras) é a fiscalização municipal. Impressiona a quantidade de estabelecimentos que opera na ilegalidade, de bancas de camelôs que vendem DVDs piratas à empresas de médio porte. Um dos exemplos mais gritantes foi o porto da empresa L.P. Moreira de Luna, que opera no bairro Triângulo, em área que já havia sido indenizada e deveria estar isolada. A “brincadeira” causou prejuízos apenas à empresa que mantinha seus veículos no local, mas a coisa pode ficar ainda mais séria, se as carretas não forem retiradas imediatamente.

Mas o problema

É que ninguém está nem aí. A empresa havia se comprometido em entregar um plano para retirada das carretas do local, mas até agora nada foi feito. Elas contém produtos químicos utilizados na produção de asfalto, e agora vem o mais interessante, a empresa proprietária das carretas é contratada da prefeitura de Porto Velho e já faturou quase R$ 5 milhões. Em junho desse ano ela conseguiu um “realinhamento” de quase R$ 600 mil no contrato original, que era de R$ 4,3 milhões.

Agora a pergunta

Quando uma empresa é contratada pelo poder público ela não tem que apresentar uma série de certidões e documentos? Entre essa papelada não tem que constar endereço de sede, e o local não precisa ser fiscalizado? Sou bem capaz de apostar que daqui a pouco ninguém fala mais no assunto e a coisa cai no esquecimento.

Rebelados

E o Estado deu um exemplo de como não conduzir uma negociação com presos. Uma rebelião no presídio de Ariquemes iniciada no sábado rendeu uma série de regalias aos presos que a maioria da população não tem, e de quebra os bandidos ainda conseguiram a demissão do diretor da unidade. Como forma de pressão os delinquentes filmaram um preso sendo torturado. Em qualquer estado sério isso seria motivo mais do que suficiente para a Polícia Militar invadir e conter à rebelião com uso de força. Se já não bastasse todo gasto que a população tem em manter vagabundo bem nutrido, o Estado ainda resolve ser condescendente com a violência. Vai virar uma bola de neve. O governador tinha que exonerar todo o comando da SEJUS.

“Bom administrador”

O Rondoniaovivo entrevistou os candidatos à prefeito de Porto Velho. Comecei assistindo a do Roberto Sobrinho. Parei no minuto 4, quando ele disse “eu sou um bom administrador”. Roberto não pode ser levado à sério.

“Coisa feia”

Já Mauro Nazif, atual prefeito e candidato à reeleição disse que “a gestão passada tinha feito aquelas coisas feias, que não vou discutir”. Mauro, meu amigo, ao não falar você compactua com a coisa errada. O Roberto não está tendo pena de seu couro não. Se você encontrou a “coisa feia” entrega, porque para a população o que está feito é a sua administração. Parei de assistir quando ele começou a falar de si na terceira pessoa, ai não aguento…

Meloso demais

A entrevista do Pimentel eu não consegui passar do minuto 3. Estava tão meloso, tão dócil que parecia o ursinho Puff. Contraste total com o vozeirão de Sandra Santos.

Inova demais

Léo Moraes falou tanto em inovação que no minuto 4 eu resolvi assistir a entrevista do Hildon Chaves.

Propaganda

Até o minuto 4 eu descobri, pelo Hildon Chaves, tudo sobre o grupo educacional dele e da esposa. Depois eu cansei, achei que a entrevista era sobre política.

Ribamar e Pimenta

Não assisti.

Na sexta-feira

O Ministério Público apresentou denúncia contra Roberto Eduardo Sobrinho; sua esposa Lucilene Peixoto dos Reis; o ex-presidente da Emdur, Mario Sergio Leiras Teixeira e, ainda, os seguintes servidores públicos e empresários: Wilson Gomes Lopes, Walter Fernandes Ferreira, Vera Lúcia da Silva Gutierre, Noêmia Fernandes Saltão, Wilson Gondim Filho, Arlindo Alves Monteiro Filho, Antônio Alves de Souza, Francisco Honório Ferraz, Paulo Kruel Guerra Simões e Maria Elisa Garcia de Freitas de Almeida, imputando-lhes prática de crimes contra a lei de licitações, falsificações de documentos públicos e particulares e falsidades ideológicas. Ele é um bom administrador.

Clínica Mais Saúde informa – Ir a shows aumenta sua felicidade

Um estudo acaba de confirmar o que já se suspeitava: a música deixa as pessoas mais felizes. De acordo com um estudo publicado recentemente no periódico científico Psycology of Music, o bem-estar é ainda maior em pessoas que vão a shows. Para verificar se havia uma conexão entre o “tipo de consumo” de música e o nível de felicidade de uma pessoa, pesquisadores da Universidade Deakin, em Victoria, na Austrália, analisaram 1.000 entrevistas com australianos selecionados aleatoriamente. Os questionários abordavam seis diferentes formas de engajamento na música: ouvir, cantar, tocar, dançar, compor e frequentar eventos musicais. Os resultados mostraram que pessoas que se engajam em atividades como dançar ou ir eventos musicais, como shows, festivais e musicais são mais felizes do que aquelas que apenas ouviam, cantavam, tocavam ou compunham.

Hildon Chaves é candidato a prefeito de Porto Velho pelo PSDB

O vice será ‘Edgar do Boi’ pela coligação com o PSDC

O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) abriu na noite do último sábado (23) no auditório de uma faculdade particular de Porto Velho a primeira convenção partidária das eleições 2016 em Rondônia. O PSDB anunciou como candidato a Prefeitura de Porto Velho o empresário Hildon Chaves e como seu vice Edgar Tonial conhecido como ‘Edgar do Boi’ do Partido Social Democrata Cristão (PSDC).

O candidato Hildon Chaves explanou sobre suas propostas que serão apresentadas durante a campanha. “Nós precisamos estar atentos a questão do saneamento básico, nossa cidade é a que tem o menor índice de cobertura de água e esgoto do país. Vamos dar atenção também as políticas públicas e ao atendimento médico oferecido pelo município”, disse Chaves.

De acordo com a assessoria do PSDB somente o partido PSDC confirmou coligação até este domingo (24).

Coluna – Estado quer que você pague à PM um serviço que ela tem obrigação de prestar

Coluna Painel Politico, jornalista Alan Alex

“Programa Porto Velho Seguro” é a legalização do “bico”, que já é institucionalizado, mas não deveria

Não faz sentido

Um programa chamado “Porto Velho Seguro” que está sendo implantado pela Polícia Militar do Estado e o município de Porto Velho, capital de Rondônia é uma verdadeira aberração, e conta com o apoio irrestrito do comandante-geral da corporação Enedy Dias, que alega “ os membros da corporação terão a oportunidade de garantir algum melhoramento em suas condições econômicas de forma absolutamente legal”.

O mote

Do programa é o seguinte, “a cooperação entre o Estado e o Município, assegurando uma suplementação de renda aos policiais militares, com a chamada “remuneração pelo desempenho de atividade delegada”, ou seja, os PMs poderão fazer bicos no município. E “os policiais atuarão simultaneamente na proteção do patrimônio público e na garantia da segurança pública”. Mas, pera lá, eles já não são pagos para isso? Quer dizer então que eles recebem duas vezes para fazer o mesmo serviço? Então não precisamos mais da Polícia Militar, pode demitir todo mundo e deixar que cada município, estabelecimento ou empresa estabeleça suas prioridades e contrate apenas o efetivo que precisar.

A justificativa

Desse programa, que é descabido, é que “com a implementação desse projeto, nossa capital certamente se tornará uma das mais seguras do país” Quer dizer então que a capital de Rondônia vive o clima de insegurança há anos porque os policiais ganham mal? Realmente, não faz sentido. Não sei quem é o autor desse projeto, nem como isso passou pela CCJ da Assembléia Legislativa ou mesmo em plenário, pior ainda é dizer que “a implantação do programa Porto Velho Seguro atende simultaneamente os anseios da instituição, da categoria policial militar e da sociedade em geral”. Eu faço parte da “sociedade em geral” e discordo, não atende meus ‘anseios’. Atenderia se a Polícia Militar pagasse melhor os policiais e eles não tivessem que, em seus horários de folga, fazer bico para cobrir a falta de efetivo ou as deficiências da corporação.

Nada contra

Qualquer tipo de melhoria salarial aos policiais militares, muito pelo contrário, acho que PM deveria ganhar salário equiparado ao de magistrado, dadas as condições de risco e stress a que são submetidos, mas esse tipo de programa é apenas uma cortina de fumaça que permite ao Estado se eximir de melhorar as condições dos policiais. Atuar na proteção do patrimônio público e na garantia da segurança pública é uma obrigação da Polícia Militar do Estado de Rondônia, e não uma justificativa para “um plus” salarial. Tem coisas que não fazem o menor sentido, e essa é uma delas.

Entenda

O contribuinte, ou seja, você leitor, está pagando duas vezes por um serviço que cabe ao Estado fornecer. Que “é legal”, não tenho dúvidas, mas está longe de ser “um anseio da sociedade em geral”. Recentemente a Polícia Federal deflagrou uma operação em Rondônia e prendeu gente envolvida com “serviço de vigilância patrimonial irregular”. O tal ‘Porto Velho Seguro” apenas legaliza o que alguns policiais militares já fazem há anos, que é a segurança de estabelecimentos em seus horários de folga. E não, não sou eu quem está afirmando isso, é a Polícia Federal no relatório da operação.

Bom destacar

Que as investigações da Polícia Federal continuam, e mesmo que o tal “Porto Velho Seguro” dê ares de legalidade ao “bico”, tem muita gente graúda da Polícia Militar, alguns inclusive da reserva, que estão sendo investigados por terem ligações com empresas de vigilância. Essa história está longe de acabar.

Carta fora

Mariana Carvalho não vai ser a candidata do PSDB a prefeitura de Porto Velho. O empresário Hildon Chaves, ex-promotor de Justiça, já deu início a uma série de procedimentos de ordem pessoal para entrar na briga representando os tucanos. Mariana anda sonhando alto, falando até em “compor a Mesa da Câmara dos Deputados”. Tá certa ela, tem que ter foco mesmo.

Define

Mesmo dia 23, quando os tucanos realizam, no prédio da Unopar em Porto Velho, a convenção partidária.

Enquanto isso

Léo Moraes (PTB) se reúne com lideranças de diferentes partidos para falar sobre alianças para as eleições. Quem também corre para consolidar a candidatura é o ex-secretário de Saúde do Estado, Williames Pimentel pelo PMDB e claro, o atual prefeito Mauro Nazif, que está calado, mas se mexendo.

Em Brasília

Acontece nesta quarta-feira a eleição para presidente da Câmara dos Deputados. Já protocolaram registro 13 candidados, Beto Mansur (PRB-SP); Carlos Gaguim (PTN-TO); Carlos Manato (SD-ES); Cristiane Brasil (PTB-RJ); Esperidião Amin (PP-SC); Evair Vieira de Melo (PV-ES); Fábio Ramalho (PMDB-MG); Fausto Pinato (PP-SP); Fernando Giacobo (PR-PR); Luiza Erundina (PSOL-SP); Marcelo Castro (PMDB-PI); Rodrigo Maia (DEM-RJ); Rogério Rosso (PSD-DF). O último é o favorito. Até o meio-dia de quarta-feira podem ser protocolados novos nomes.

Clínica Mais Saúde informa – Pais estão dando comida demais as crianças pequenas

Os pais estão alimentando os filhos em excesso e isso pode aumentar o risco de obesidade. É o que sugere uma pesquisa britânica encomendada pelo Fórum da Infância e da Criança (ITF, na sigla em inglês), instituição especializada em nutrição e desenvolvimento na infância. De acordo com o levantamento, 79% das crianças com idade entre 1 e 4 anos recebem porções maiores do que o recomendado para sua idade. Apesar dos resultados, 73% dos pais disseram estar preocupados que seus filhos não comam o suficiente e apenas 25% disseram estar “muito confiantes” sobre a quantidade de comida que davam para seus filhos. Outro dado preocupante: enquanto 36% dos pais admitiram usar comida ou bebida como uma forma de acalmar as crianças , apenas 25% estavam preocupados que seus filhos se tornassem obesos no futuro.