Câmara de Porto Velho paga R$ 500 mil por serviços que poderiam ser feitos pela Procuradoria

Escritório de advocacia foi contratado sem licitação

Brasília – O presidente da Câmara Municipal de Porto Velho, Jurandir Bengala contratou um escritório de advocacia para prestar serviços que a própria Procuradoria da Casa poderia (e deveria) estar fazendo.

Até o momento mais de 50% do contrato já foi pago e o restante deverá ser quitado ainda antes do natal.

A Câmara ainda não conseguiu pagar a rescisão dos comissionados que foram demitidos em outubro.

O presidente da Casa Jurandir Bengala já foi responsável por uma série de “escorregadas” com recursos e patrimônio público. Ele foi reeleito vereador em 2016.

Presidente da Câmara de Porto Velho teria fugido de local de acidente sem prestar socorro; uma mulher morreu

O presidente da Câmara Municipal de Porto Velho, Jurandir Bengala se envolveu em um acidente no último fim de semana e causou a morte de Helinda Soares de Souza Alves. O acidente aconteceu em uma linha, na região de Rio Pardo. Segundo assessores, “Bengala passou mal enquanto dirigia e bateu de frente com um casal, que estava em uma motocicleta”. Uma mulher, que estava na garupa morreu no local. O condutor da motocicleta foi socorrido em estado grave para o hospital João Paulo II.

Testemunhas informaram, que o vereador cumpria agenda oficial com a comunidade da região.

De acordo com informações relatadas em registro de ocorrência, Jurandir Bengala conduzia um automóvel modelo Pajero Dakar de propriedade do município de Porto Velho no momento que acabou atingindo a motocicleta modelo Honda XR/200, conduzida pelo marido de Helinda.

Após o acidente, segundo narra a autoridade policial, o vereador teria fugido do local sem prestar socorro e deixou a vítima agonizando por cerca de 30 minutos antes de morrer. Moradores da região acionaram o socorro e conduziram o condutor da motocicleta para PS João Paulo II da capital e segue em estado médico grave.

Policiais militares que integravam a guarnição que atendeu a ocorrência, apenas ficaram sabendo que o condutor era o presidente da câmara de Porto Velho através de informações de testemunhas.

Os PM’s realizaram buscas no distrito de Jaci-Paraná e na residência do vereador, no intuito de tentar localizar Jurandir Bengala, porém o vereador não foi encontrado pela guarnição.

Equipes do IML e de análise pericial da Polícia Civil foram até o local do acidente para recolherem o corpo da vitima e coletarem os dados necessários para a elaboração do laudo, que identificará a velocidade que o vereador trafegava na estrada vicinal.

Como fugiu do local, não será possível a realização do teste etilométrico no presidente da câmara para saber se houve consumo de bebida alcóolica por parte dele, que voltava de um festival no distrito de Rio Pardo.

O caso segue sob investigação da Polícia Civil.

Coluna – Ex e atuais vereadores da capital são condenados a devolver dinheiro e podem ficar inelegíveis

Coluna Painel Politico, jornalista Alan Alex

Eles recebiam salários de R$ 19.991,64 em 2011, bem acima do limite de 60% estabelecido em lei. Na lista estão Mariana Carvalho e o atual presidente da Câmara, Jurandir Bengala

Indefensável

Por mais estranho que possa parecer a exoneração do procurador Douglas Kirchner pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) cuja maioria (8 de 14) já votou por sua demissão, ela é mais que justa. Existe uma certa desconfiança em função dele ter sido citado por Lula em uma conversa telefônica, mas essa o molusco não tem culpa. O procurador foi acusado de bater com um cinto em sua ex-mulher, além de mantê-la em cárcere privado e outros abusos físicos e psicológicos. Inadmissível que pessoa com esse tipo de comportamento seja mantida em função de tamanha importância. Para violência não existe justificativa, pior ainda se tentarem mascarar isso com religião.

No Brasil

Não dá para levar as coisas à sério. Os exames psicotécnicos que avaliam a higidez mental dos candidatos em concursos públicos exatamente para evitar o ingresso de pessoas com comportamentos destoantes, foi abolido, considerado “discriminatório” e até “inconstitucional”. Vejam o absurdo disso. Cargos que lidam com a liberdade de terceiros, como magistratura e Ministério Público ou mesmo polícia, ocupados por pessoas com sérios desequilíbrios psicológicos. Já tivemos casos aqui mesmo em Rondônia envolvendo delegado de polícia que causou transtornos diversos. Esse país precisa levar a sério algumas situações…

Tic-tac, tic-tac

Tem hora que a emenda sai pior que o soneto… Ir cedo para o Espaço Alternativo disfarçar na caminhada.

Olha essa

O Tribunal de Contas do Estado rejeitou as contas do exercício 2011 da Câmara de Vereadores e condenou o ex-presidente e atual vereador Eduardo Rodrigues ao pagamento de multa, além de devolução de valores a mais recebidos por ele e pelos vereadores (e ex)  Chico Lata, Delso Moreira, Edemilson Lemos, Elizeu da Silva, Ellis Regina, Chico Caçula, Cabo Anjos, Jaime Gazola, João Bosco Costa, Marinho Melo, Jurandir Bengala, Ramiro Negreiros, Marcelo Reis, Mariana Carvalho, DJ Moisés, Sid Orleans e Cláudio Carvalho.

Os valores

A ser devolvidos dizem respeito aos altos salários que eles recebiam já naquela época, que eram superiores aos 60% dos salários dos deputados estaduais, usado como base de cálculo. A devolução se dará da seguinte forma, Chico Lata – 2.487,34; Delso Moreira – R$ 38.423,82; Edemilson Lemos – R$ 17.969,15; Elizeu da Silva (ex-vereador) – R$ 17.969,15; Ellis Regina – R$ 39.090,64; Chico Caçula – R$ 26.141,94; Cabo Anjos – R$ 8.167,06; Jaime Gazola (ex-vereador) – R$ 18.496,16; João Bosco Costa (ex-vereador)- R$ 9.299,10; Marinho Melo (ex-vereador)- R$ 17.969,13; Jurandir Bengala (atual presidente da Câmara) – R$ 39.208,32; Ramiro Negreiros (ex-vereador) – R$ 39.208,32; Marcelo Reis – R$ 39.208,32; Mariana Carvalho (ex-veredora e atual deputada federal) – R$ 39.208,32; DJ Moisés (ex-vereador) – R$ 39.208,32; Sid Orleans – R$ 17.969,13 e Cláudio Carvalho (ex-vereador) – R$ 34.932,35.

Pois é

De acordo com os conselheiros do Tribunal de Contas, “apurou-se irregularidades graves, consistente na realização de pagamento aos Vereadores, nesses, incluído, o Presidente da Câmara Municipal de Porto Velho-RO., em valor superior ao percentual de 60% (sessenta por cento), da remuneração dos Deputados Estaduais, em afronta ao art. 29, VI, “e”, da Constituição Federal de 1988, que causou dano ao erário, atraindo juízo de reprovabilidade às Contas prestadas”. O interessante foi que todos deram uma de ‘João Sem Braço” na conversa, porque eles são políticos e tem obrigação de conhecer a legislação, principalmente no que diz respeito a seus vencimentos.

O ex-presidente

Eduardo Rodrigues foi condenado também pela verdadeira bagunça fiscal que foi sua gestão. Foram detectadas, de acordo com os técnicos do TCE, houve uma “má elaboração do Inventário Físico-Financeiro dos Bens Móveis, cujos valores não conciliam com as informações lançadas na Conta Bens Móveis do Balanço Patrimonial, tampouco com o levantamento realizado por esta Corte de Contas”. Rodrigues chegou a receber de salário, R$ 24.989,25, assim como os demais recebiam salários de R$ 19.991,64.

Vai ver

É essa “recomposição salarial” que o atual presidente Jurandir Bengala concedeu aos atuais vereadores cujos salários atualmente são de ‘apenas’ R$ 12.795,80. Com a tal recomposição, eles devem passar a ganhar R$ 14.763,78 de salário. Ele deve estar com saudades da época que ganhava os 19 mil.

Curioso

Perceber que a ex-vereadora e atual deputada federal Mariana Carvalho fez vista grossa a essa situação, logo ela que transita na vida pública desde muito jovem. Permitir tamanha aberração em seu salário, é o mais ou menos o que Lula fez em relação à reforma do triplex. Ela não pode alegar desconhecimento dessa irregularidade que pode inclusive gerar inelegibilidade tanto para ela, quanto para os demais envolvidos na lambança financeira da Câmara de Porto Velho. O processo transitou em julgado e não cabe mais recurso junto ao Tribunal de Contas. Eles serão notificados nos próximos dias para dizer como vão fazer para devolver o dinheiro que precisa voltar aos cofres públicos.

111

Esse é o número de mortes registradas na BR 364 em 2015. Foram 1.256 acidentes ano passado com um saldo de 476 feridos em estado grave ou que ficaram com sequelas. Números que assustam e preocupam a todos, menos à bancada federal, que deveria pressionar o DNIT e o governo federal para que fosse feita a duplicação na integralidade da rodovia ou mesmo a privatização de alguns trechos. O que não pode mais é ficar da forma como está. Esse ano, nos primeiros 3 meses, já morreram pelo menos 8 pessoas em acidentes que poderiam ter sido evitados, caso a BR fosse duplicada.

Dia “C”

Nesta quinta-feira o Pleno do Supremo Tribunal Federal (STF) se reúne para julgar o último recurso do senador Ivo Cassol. A relatora, ministra Cármen Lúcia já sinalizou em julgamento anterior quando a ação foi retirada de pauta por um complicado julgamento que estava tendo, que não vai perdoar o italiano. Se for rejeitado seu recurso, Cassol será preso e perde o mandato. O primeiro suplente é seu pai, Reditário. A pena é de 4 anos e 8 meses.

Porém

O que mais vem deixando o italiano #xatiado é o fato dele não poder ser candidato em 2018.

Clínica Mais Saúde informa – Excesso de peso pode prejudicar a memória

O excesso de peso pode prejudicar sua memória. Em um estudo publicado recentemente no periódico científico The Quarterly Journal of Experimental Psychology, pessoas com sobrepeso (IMC acima de 25) tiveram um desempenho pior em testes de memória. Para chegar a essa conclusão, pesquisadores da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha, realizaram um experimento com 50 participantes com idade entre 18 e 35 anos e índice de massa corporal (IMC) entre 18 (normal) e 51 (obesos). Os voluntários foram submetidos a um teste de memória que consistia em um jogo de computador no qual eles precisavam esconder diferentes objetos em um cenário complexo, como um deserto com palmeiras, durante dois dias. Após este período, eles precisavam dizer aos cientistas quais objetos tinham sido escondidos e em qual lugar. Os resultados mostraram que as pessoas com sobrepeso (IMC entre 25 e 30) e obesas (IMC maior que 30) tiveram pior desempenho no teste de memória do que aquelas com um índice de massa corporal considerado normal (entre 18 e 24,99). Eles concluíram também que o rendimento caia conforme o IMC aumentava. De acordo com os autores, esses resultados indicam que o aumento do IMC pode levar a mudanças estruturais e funcionais no cérebro que reduzem a capacidade de formar e recordar memórias episódicas. Uma explicação para isso pode estar no efeito da gordura sobre a insulina. Segundo Lucy Cheke, líder do estudo, o excesso de gordura causa picos descontrolados de insulina no sangue, o que por sua vez atrapalha a sinalização entre os neurônios e, consequentemente, a uma redução no desempenho cognitivo.Para os autores, embora este seja um estudo pequeno, os resultados mostram a necessidade de realizar mais pesquisas sobre os fatores psicológicos que podem levar à obesidade.