Ex-deputados federais Garçon e Luiz Cláudio passam a integrar secretariado de Hildon Chaves

Politico - https://politico.painelpolitico.com

O ex-deputado federal Luiz Claudio Pereira Alves (PR), vai assumir a Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Semagric) em Porto Velho na próxima semana. O prefeito Hildon Chaves (PSDB) já comunicou a decisão ao atual titular da pasta, Francisco Evaldo de Lima.

O também ex-deputado federal Lindomar Garçon (PRB) deverá comandar a pasta do Desenvolvimento e Turismo (Semdestur). Garçon nã conseguiu a reeleição. Ele já ocupou cargos administrativos no governo de Confúcio Moura.

Confúcio Moura e Lindomar Garçon

Luiz Cláudio anuncia refinanciamento de dívidas de agricultores

Segundo o deputado, “é uma grande conquista como parlamentar ligado ao setor rural conseguir essa vitória em meu primeiro ano de mandato”

O deputado federal Luiz Claudio (PR) divulgou na tarde desta quarta–feira , 2, vídeo anunciando a aprovação do Congresso Nacional do financiamento agropecuário para todos os produtores rurais que solicitaram através do Banco da Amazônia, a linha de crédito rural até meados de 2011. Essa lei, que atende 15 mil produtores do Estado de Rondônia, traz benefícios e permite a renegociação das dívidas dando 30 até 85% de desconto para liquidar os débitos. Além disso, há a possibilidade de prorrogar tais dívidas por mais dez anos.

Segundo o deputado, “é uma grande conquista como parlamentar ligado ao setor rural conseguir essa vitória em meu primeiro ano de mandato”, enfatizou.
Além disso, enalteceu e elogiou o árduo trabalho dos produtores rurais. “Sem sombra de dúvidas, os mais beneficiados serão todos os agricultores que trabalham no sol e chuva produzindo alimento para levar a mesa de todos os brasileiros”.

“É por essas pessoas e a esse trabalho, que gostaria de divulgar essa Lei criada em defesa daquele povo que fica no campo, e que realmente precisa de políticos que apresentem propostas positivas e benefícios a eles. Tenho muito orgulho de ser autor da Lei 13.340 que favorece os agricultores do norte do Brasil e especialmente de Rondônia”, finaliza o deputado federal Luiz Claudio.

*Divulgação de atividade parlamentar

Agricultores do Norte e Nordeste poderão renegociar dívidas rurais até o final de 2018

Mudanças no uso da terra afetam solo e biodiversidade

O Governo Federal prorrogou por mais um ano o prazo para que agricultores do Norte e do Nordeste possam quitar ou renegociar operações de crédito rural. A medida é válida para financiamentos com recursos dos fundos constitucionais das duas regiões (FNO e FNE), contratados por meio do Banco da Amazônia e Banco do Nordeste até 31 de dezembro de 2011.

Agora, a adesão ao benefício que garante descontos de até 95% sobre o saldo devedor poderá ser feita até 27 de dezembro deste ano. A iniciativa, coordenada pelo Ministério da Integração Nacional, está permitindo a milhares de agricultores recuperarem o crédito e melhorarem sua condição financeira. Mais de 235 mil pessoas já regularizaram sua situação. A extensão do prazo e a garantia das mesmas condições foram estabelecidas pela Lei 13.606, publicada na edição desta quarta-feira (10) do Diário Oficial da União.

Além dos produtores rurais do Norte e Nordeste do País, a medida contempla também agricultores do norte de Minas Gerais e norte do Espírito Santo. Mais de milhão de operações de crédito podem ser repactuadas – são 860 mil no Nordeste e 209 mil na região Norte.

O objetivo é estimular o setor rural nessas regiões com vantagens que vão além dos descontos e, para as contratações renegociadas, permitem o pagamento da primeira parcela somente em 2021. Os interessados, desde o pequeno produtor rural até empreendedores de maior porte, devem procurar a agência bancária onde o empréstimo foi contratado.

No Nordeste, mais de 202 mil agricultores regularizaram seus débitos – foram 118.946 renegociadas e outras 83.859 dívidas quitadas. Para a região foi ampliado de 85% para 95% o percentual de desconto máximo para quem desejam pagar de uma só vez todo o débito, justamente para os financiamentos de menor valor. O montante liquidado já garantiu a recuperação imediata de R$ 563 milhões para novos investimentos nos estados atendidos pelo FNE. Os dados são do último mês de novembro, balanço mais recente disponibilizado pelo Banco do Nordeste.

Já no Norte, beneficiado pela primeira vez com a medida de repactuação de dívidas com desconto, aproximadamente 33 mil produtores rurais buscaram o benefício até o momento. Destes, mais de 14 mil optaram por renegociar seus débitos com vantagens que incluem período de carência até o ano 2020. Outros 18.900 financiamentos foram liquidados e permitiram um retorno imediato de aproximadamente R$ 36 milhões à região Amazônica.

O deputado federal Luiz Cláudio (PR) foi um dos articuladores para a inclusão de Rondônia no processo de repactuação. Ligado ao setor, ele foi um dos principais defensores para a renegociação desses financiamentos, “em Rondônia o número de operações é superior a dois mil, pois são muitos os agricultores que enfrentam problemas, ou por terem atrasado pagamentos, outros foram para a dívida ativa”, explicou o parlamentar.

Em entrevista à TV Câmara ainda em 2016, quando passou a valer a Medida Provisória que autorizou as negociações, o deputado falou sobre o assunto.

Em Darcinópolis, no Tocantins, o pecuarista Sérgio Muraska aproveitou a oportunidade para regularizar dívidas oriundas de um empréstimo obtido em 1992. Com todos os débitos renegociados, está apto a conseguir novos financiamentos. “São condições bastante facilitadas: a oportunidade de um grande desconto, o amplo prazo de carência e a facilidade de pagar apenas uma pequena parcela de entrada. Agora, graças a essa iniciativa do governo, já posso pensar em voltar a investir na minha fazenda”, afirma.

Luiz Claudio libera R$11 milhões para as prefeituras investirem em Saúde

Luiz Cláudio participará da inauguração do hospital de Barretos com Michel Temer

O ministro da Saúde Ricardo Barros atendeu a pedido do senador Ivo Cassol (PP-RO) e do deputado federal Luiz Claudio (PR-RO) e priorizou 11 milhões para Rondônia e pagou em tempo recorde mais de R$8 milhões que já estão disponíveis nas contas dos fundos municipais de saúde, para custeio das ações de atenção básica, média e alta complexidade. O restante do dinheiro para completar os 11 milhões deverá ser depositado até final de dezembro e repassado a imprensa.

Segundo o Senador, “com o repasse de recursos federais o caixa das prefeituras ficará um pouco aliviado. Isso porque segundo a Lei, os prefeitos são obrigados a investirem no mínimo 15% da receita em saúde. Com a verba que nós conseguimos da União, os prefeitos poderão remanejar esse mesmo valor e investir em outras áreas prioritárias como recuperação de estradas para os agricultores, compra de máquinas, equipamentos ou investir na própria saúde”, comemorou o senador.

De acordo com as regras do ministério da Saúde, o dinheiro poderá ser usado para adquirir material pencil, insumos hospitalares e outras finalidades previstas na Portaria 788/17 do Ministério da Saúde.

Veja abaixo a relação dos municípios beneficiados:

PREFEITURA/ UF OBJETO VALOR PAGO (R$) ORDEM BANCÁRIA
Alto Alegre dos Parecis/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 150.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 150.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Alvorada D’Oeste/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 200.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Buritis/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 150.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Cabixi/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 150.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Cacoal/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 1.000.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Castanheiras/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 100.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Cerejeiras/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 500.000,00 2017OB850659, de 08/12/2017
Colorado do Oeste/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 200.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Corumbiara/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 150.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Costa Marques/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 200.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Cujubim/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 150.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 50.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Espigão do Oeste/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 500.000,00 2017OB850659, de 08/12/2017
Governador Jorge Teixeira/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 150.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Guajará-Mirim/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 200.000,00 2017OB850659, de 08/12/2017
Ji-Paraná/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 700.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Machadinho do Oeste/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 300.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Ministro Andreazza/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 144.430,00 2017OB850659, de 08/12/2017
Mirante da Serra/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 122.505,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Nova Brasilândia d’Oeste/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 118.500,00 2017OB850659, de 08/12/2017
Novo Horizonte do Oeste/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 46.400,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Parecis/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 100.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Pimenta Bueno/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 700.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Pimenteiras do Oeste/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 100.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Presidente Médici/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 200.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Rio Crespo/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 100.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Rolim de Moura/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 600.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
São Felipe D’Oeste Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 100.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
São Miguel do Guaporé/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 300.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Seringueiras/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 100.000,00 2017OB850658, de 08/12/2017
Urupá/RO Custeio de ações e serviços de atenção básica à saúde – PAB 290.000,00 2017OB849765, de 08/12/2017
Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 210.000,00 2017OB850659, de 08/12/2017
Vilhena/RO Custeio de ações e serviços de atenção especializada à saúde – MAC 500.000,00 2017OB850659, de 08/12/2017
TOTAL PAGO EM DEZEMBRO DE 2017 R$8.731.835,00

Assessoria

Luiz Cláudio anuncia a aprovação do projeto que revisa remuneração de lotéricos

Para deputado, crise da JBS abre novas oportunidades para pecuária em RO

O deputado federal Luiz Cláudio (PR-RO), anunciou a aprovação do PL 7306 que reajustou aos lotéricos o recebimento dos boletos. O parlamentar articulou com todos os partidos essa aprovação, por entender que as lotéricas sempre levam prejuízos nas cobranças, recebendo centavos por operação, enquanto os bancos ganham muito mais pela mesma atividade.

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou substitutivo do deputado Júlio Cesar (PSD-PI) para o Projeto de Lei 7306/17, que reajusta valores pagos pela Caixa Econômica Federal (CEF) aos permissionários lotéricos pelo recebimento de boletos, faturas de concessionárias de serviço público e outros convênios. A matéria será enviada ao Senado Federal.

De acordo com o substitutivo, os lotéricos receberão 0,8% sobre o valor de face de boletos e faturas, sendo o mínimo de R$ 1,06 por boleto e o máximo de R$ 3,14.

“Agora, fizemos justiça com os lotéricos que vinham sofrendo, muitas vezes pensando em fechar suas portas porque essa atividade só lhes dava prejuízo”, finalizou.

Luiz Cláudio assegura recursos federais também para o viaduto “Três e meio”

Luiz Cláudio assegura recursos federais também para o viaduto "Três e meio"

O deputado federal Luiz Cláudio (PR-RO) participa da inauguração do viaduto da três e meio, juntamente com o ministro dos transportes Maurício Quintela, às 9:30h em Porto Velho. Após isso, ele participa das solenidades do Termo de Compromisso para reformas, ampliação de construção de aeroportos regionais em vários municípios de Rondônia.

Luiz Cláudio disse que assegurou para a realização da construção e entrega da obra do viaduto três e meio, cerca de R$ 8 milhões de reais, assim como tem feito nos outros viadutos já entregues à população que esperava vários anos e sofria com lama e poeira na área dos viadutos.

Foram vários anos que muita gente enganou a população. Quando entrei, a primeira bandeira foi voltada para essas obras, que agora se concretiza”, frisou.

O parlamentar disse que ouviu do próprio ministro Quintela que antes do meio do ano que vem o último viaduto será entregue, concluindo de vez mais uma etapa e as promessas feitas pelo próprio governo federal a bancada federal.

Cláudio disse ainda que o senador Ivo Cassol desempenhou papel importante nesse processo, não só assegurando recursos para esse fim, como cobrando providências do próprio Ministério dos Transportes.

“Agora, vamos entregar mais uma etapa para o povo de Porto Velho que não aguentava mais tanta promessa”, finalizou.

Luiz Cláudio anuncia a aprovação do texto-base do refinanciamento de dívidas do Funrural

O parlamentar disse que essa medida da Câmara é acertada porque vai facilitar a renegociação de dívidas dos produtores rurais.

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou o projeto que facilita a renegociação das dívidas de produtores rurais com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). O texto é baseado na Medida Provisória 793/17, que perdeu a validade por falta de votação na Câmara. O projeto volta à pauta na semana que vem para análise dos destaques, que são tentativas de alterar o texto.

Os deputados aprovaram nesta quarta-feira (6) apenas o texto-base do substitutivo apresentado pela relatora, deputada Tereza Cristina (sem partido-MS) ao Projeto de Lei 9206/17. Esse projeto tramita apensado ao PL 7391/17.

O texto aprovado mantém a maior parte do parecer da MP 793/17, que instituiu o Programa de Regularização Tributária Rural (PRR) junto à Secretaria da Receita Federal e à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). O PRR, que ficou conhecido como Refis Rural, tem o objetivo de facilitar a quitação de dívidas dos produtores rurais com a Previdência.

Agricultura familiar
Entre as alterações feitas pela relatora estão a inclusão da renegociação de dívidas da agricultura familiar com o Banco do Nordeste e o Banco da Amazônia, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e a Embrapa (referentes ao licenciamento de sementes). Essas mudanças foram incluídas no texto após negociação com partidos de oposição.

Também houve mudança no prazo de adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural (PRR), que passou para 28 de fevereiro de 2018. A versão da MP 793 aprovada pela comissão mista tinha, como prazo de adesão, a data de 20 de dezembro de 2017.

Tereza Cristina explicou que a renegociação é necessária porque disputas judiciais levaram a dívidas impagáveis com o fundo. Agricultores questionaram os pagamentos e, amparados em decisões liminares, não pagaram o devido, até que decisão final do Supremo Tribunal Federal (STF) pacificou a forma de pagamento dos tributos.

“Este projeto de lei tem o passado, que é o pagamento da dívida sem os encargos, juros ou multas; e o futuro, com alteração das alíquotas. Será muito mais justo, permitindo inclusive que o produtor rural pague pela folha de pagamentos sobre os 23%, como recolhem todos os cidadãos brasileiros. Ele poderá recolher sobre a renda bruta ou sobre a folha de pagamentos”, disse a relatora.

Para o deputado Leo de Brito (PT-AC), no entanto, a proposta faz um “pacote de bondades” a grandes empresários do setor agropecuário. “É parte do pacote do governo para privilegiar determinados setores da sociedade que são, inclusive, muito bem aquinhoados”, criticou.

O deputado destacou, no entanto, que o PT concordou com a proposta por causa da inclusão dos pequenos produtores rurais. “Vai beneficiar mais de 1,5 milhão de famílias que vão ter agora, depois desse novo texto, a possibilidade de renegociar as suas dívidas”, afirmou.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:
PL-7391/2017
PL-9206/2017

Luiz Cláudio preside comissão de agricultura em defesa do setor produtivo

Luiz Cláudio preside comissão de agricultura em defesa do setor produtivo

O deputado federal Luiz Cláudio (PR-RO), participou na Comissão de Agricultura, de uma audiência pública, tratando da avaliação de políticas para planejamento das safras do país, com a participação do diretor substituto do MAPA, Silvio Farnese, Superintendente do agronegócio, Aroldo Antônio e Júlio Perruso, coordenador do IBGE.

Luiz Cláudio é o autor do requerimento para a realização dessa audiência pública que visa discutir as políticas voltadas para o setor produtivo e cobrar maiores providências para o crescimento das cadeias produtivas.

O parlamentar sempre priorizou durante seu mandato, as questões na área rural e produção.

Cláudio, em sua fala reclamou da falta de recursos para o investimento no setor. Disse ainda que deveria ter um intercâmbio maior entre o MEC e o MAPA, para capacitar os técnicos agrícolas de Rondônia, aplicando maior tecnologia na área rural.

Pediu ao ministro Blairo Maggi que ampliasse os cursos técnicos na área rural.

Luiz Cláudio comemorou ainda a liberação de 40 milhões de reais para a Conab, objetivando a aquisição de leite dos produtores, garantindo assim, uma redução na queda do preço do leite e promovendo elevar o mercado.

Setor produtivo de RO comemora números positivos, mas graças a governos anteriores

Pode não parecer, mas o governo quando quer, ajuda e faz a diferença. Que o digam os agricultores de Rondônia, que estão sem poder contar com apoio público desde 2011, quando o governador Confúcio Moura (PMDB) e sua equipe assumiram o comando do Estado. Sem nenhuma sintonia com o setor, e totalmente desconectado da realidade do homem do campo, o governo passou a fazer “experiências” e mais atrapalhou do que ajudou. E isso aconteceu tanto na agricultura quanto na pecuária, os dois pilares da economia do Estado.

Se compararmos os primeiros 4 anos de governo Ivo Cassol com o mesmo período de Confúcio Moura, a diferença é enorme, e se acrescentarmos mais 4 anos, a situação fica ainda mais explícita. Cassol investiu na pavimentação de estradas para que os produtores pudessem escoar a produção. As estradas vicinais eram precárias, pontes de madeira e pinguelas colocam em risco os caminhões que se arriscavam a buscar a produção.

Criou programas de distribuição de sementes, horas máquinas, abertura de linhas de crédito e incentivou a mecanização e apoio à pesquisa para aumento de produção de café e feijão, através de parcerias com a Embrapa e Emater.

Luiz Cláudio implantou importantes políticas para o setor produtivo

Para isso, contou com a assessoria do agora deputado federal Luiz Cláudio, técnico da Emater, que foi diretor da escola agrícola Abaitará, e conhece como poucos o setor em Rondônia. Em 3 anos como secretário de Agricultura (2003/2006), Luiz Cláudio deu impulso a agricultura de Rondônia, elevando-a um patamar que não foi superado. E foi graças a esse trabalho que ele conseguiu ser eleito deputado estadual e deputado federal. Durante sua passagem pela SEAGRI, programas de mecanização pagos pelo governo, ajudaram a melhorar a vida de centenas de agricultores que não tinham condições de pagar por uma hora máquina. Semanalmente eram distribuídas sementes de feijão e milho, mudas de café e resfriadores de leite que armazenavam leite dos pequenos produtores.

Foi graças a essas políticas, que Rondônia conseguiu dar continuidade a um programa de recuperação econômica que teve início na gestão de José de Abreu Bianco que recebeu de Valdir Raupp (PMDB) um estado falido, com três meses de salários atrasados e estatais endividadas.

José Bianco recebeu num estado endividado e falido, conseguiu organizar as contas em todos os setores

Aliás, o PMDB sempre foi desastroso para Rondônia. O primeiro governador do novo estado foi Angelo Angelin, indicado pelo então presidente José Sarney, assumiu como “biônico” entre 1985/1987. Jerônimo Santana, também do PMDB o sucedeu e ficou no cargo até 1991. Vale lembrar que esse período Rondônia recebia recursos da União e não havia controle de gastos.

Mesmo assim as condições no Estado eram precárias. Se compararmos com Roraima, que tem praticamente a mesma idade de Rondônia, a diferença em termos de estrutura é brutal. Nessa época tivemos um hiato, venceu a eleição o médico Osvaldo Piana, que passou todo seu mandato tentando se livrar de suspeitas de envolvimento na morte do então senador Olavo Pires, favorito nas eleições em 1990.

Setor produtivo não vai sentir saudades de Confúcio e sua equipe

Quando Piana entregou o Estado à Raupp, a situação já estava complicada e ficou ainda pior. Pela primeira vez, secretários de estado, prestadores de serviços e empresários foram presos, acusados de corrupção e o Estado não conseguia honrar pagamentos com fornecedores nem com funcionalismo. A agricultura ainda engatinhava em Rondônia e o governo criava programas que seriam levados adiante apenas na propaganda oficial.

Osvaldo Piana passou todo seu mandato explicando sua inocência no caso Olavo Pires

E foi nesse cenário que Bianco assumiu, e adotando duras medidas conseguiu organizar a máquina pública. Todo o trabalho iniciado com Bianco, que teve sequência no governo Cassol, foi destruído na gestão de Confúcio Moura.

Com secretários ineficientes, sem nenhuma ligação com o setor produtivo, o Estado incentivou a criação de pirarucu em cativeiro, um peixe caro e sensível, cuja produção requer cuidado e investimento em tecnologia, deixando de lado a criação de tambaqui e tilápias, que já estava em fase de consolidação. Apesar da falta de apoio por parte do governo, a produção aumentou em 400% entre 2010 a 2015, graças ao trabalho iniciado na gestão de Ivo Cassol e sua equipe, que em 2008 sancionou a Lei 1861 que dispõe, define e disciplina a Piscicultura no Estado de Rondônia, permitindo projetos, os tanques, podem ser implantados no próprio leito dos igarapés, nos riachos que cruzam as propriedades ou até nascem dentro delas. A condição é que as margens já têm que estar degradadas com a retirada da vegetação, o que foi, na verdade, prática comum no passado da região.

Ivo Cassol era considerado um "caipira" pelos deputados achacadores
Cassol foi quem mais investiu em estradas para escoamento de produção e criou políticas para o setor produtivo

Confúcio e sua equipe alardeiam números positivos no setor, mas efetivamente o atual governo não colaborou em nada com o crescimento da agricultura e demais áreas de produção no Estado. Rondônia tem potencial, o que falta são governantes comprometidos. Isso, infelizmente, não dá em árvores.

Luiz Cláudio participará da inauguração do hospital de Barretos com Michel Temer

Luiz Cláudio participará da inauguração do hospital de Barretos com Michel Temer

O deputado federal Luiz Cláudio (PR-RO), participará amanhã às 10h da manhã em Porto Velho, da inauguração do Hospital de Barretos, com a participação do presidente da República, Michel Temer e a bancada federal.

Segundo o parlamentar, esse ano foi liberado cerca de R$ 600 mil reais para este hospital do Câncer por entender que a população precisa de um atendimento de excelência.

Para o ano de 2018, toda a bancada federal, destinará para o hospital de Barretos, cerca de R$ 42 milhões de reais, significando três milhões e 800 mil reais para cada parlamentar de Rondônia.

“Essa é uma ajuda significante para o hospital que trata do sofrimento das pessoas, que não tem condições de buscar um tratamento fora do Estado”, frisou.

O parlamentar disse que sempre que puder, colocará recursos federais para atender a população na área de saúde.