Ouça o pronunciamento de Michel Temer autorizando forças militares para desbloquear rodovias

Temer autoriza uso de forças federais para desbloquear rodovias

O governo federal autorizou o uso de forças federais de segurança para liberar as rodovias bloqueadas pelos caminhoneiros caso as estradas não sejam liberadas pelo movimento. O anúncio foi feito há pouco pelo presidente Michel Temer, em pronunciamento no Palácio do Planalto. A decisão foi tomada após reunião no Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que contou com a participação de ministros e do presidente.

“Quero anunciar um plano de segurança imeadiato para acionar as forças federais de segurança para desbloquear as estradas e estou solicitando aos governadores que façam o mesmo. Não vamos permitir que a população fique sem os gêneros de primeira necessidade, que os hospitais fiquem sem insumos para salvar vidas e crianças fiquem sem escolas. Quem bloqueia estradas de maneira radical será responsabilizado. O governo tem, como tem sempre, a coragem de dialogar; agora terá coragem de usar sua autoridade em defesa do povo brasileiro.” Ouça o pronunciamento:

Em meio a protesto, Petrobras anuncia novo aumento no combustível

‘Dia sem impostos’ chega a São Paulo com gasolina a R$ 1,50

Será o 11º reajuste nos últimos 17 dias. O preço da gasolina passará a custar R$ 2,0867, enquanto o do óleo diesel sobe para R$ 2,3716

Os preços do diesel e da gasolina voltam a subir nas refinarias a partir desta terça-feira (22/5). Segundo informações do site da Petrobras, a gasolina subirá 0,9% e o diesel 0,97%. Com a alta, o preço da gasolina passará a custar R$ 2,0867, enquanto o do óleo diesel sobe para R$ 2,3716.

Este é o 11º aumento do preço da gasolina nos últimos dezessete dias. A exceção ocorreu entre os dias 12 e 15 deste mês, quando a estatal interrompeu a sequência de altas ao manter o preço da gasolina em R$ 1,9330, e entre os dias 19 e 21 quando os preços passaram para R$ 2,0680. Ao longo do mês de maio, o preço da gasolina subiu 16,07%.
O aumento ocorre no momento em que grupos de caminhoneiros paralisam algumas rodovias pelo país. Os atos pacíficos ocorrem em protesto contra o aumento nos preços do diesel.
O produto iniciou o mês custando R$ 2,0877 na porta das refinarias, sem a incidência de impostos, e passará a valer a partir da meia-noite dessa segunda-feira (21/5) a R$ 2,0867, contra os R$ 2,0680 que vigora desde o último aumento, no sábado passado (19/5).

Já o óleo diesel, que aumentará 0,97%, acumula alta de 12,3% desde o dia 1º de maio. Com o último aumento, o preço do produto passará de R$ 2,3488 – preço que passou a valer também no último sábado – para R$ 2,3716. É o sétimo aumento consecutivo do produto.
A Petrobras rebate as criticas às altas constantes dos derivados a atribui as elevações de preços às oscilações do preço do barril do petróleo no mercado externo. Segundo a estatal, “os combustíveis derivados de petróleo são commodities e têm seus preços atrelados aos mercados internacionais, cujas cotações variam diariamente, para cima e para baixo”.
Segundo a companhia, a variação dos preços nas refinarias e terminais é importante para que a empresa possa competir de forma eficiente no mercado brasileiro.

Temer segue reprovado por 70% dos brasileiros, aponta pesquisa

Esse foi o mesmo resultado registrado na última pesquisa Datafolha, que foi divulgada em janeiro; dos entrevistados, apenas 6% aprovam a gestão Temer

As recentes investidas do presidente da República, Michel Temer, para tentar melhorar minimamente a sua reputação não têm surtido efeito. Isso é o que comprova a última Pesquisa Datafolha , divulgada na tarde desta terça-feira (17), que aponta: 70% dos brasileiros acham que a gestão do emedebista frente à Presidência pode ser avaliada como ruim ou péssima.

Esse foi o mesmo resultado registrado na última pesquisa do mesmo instituto, divulgada em janeiro . Além disso, de acordo com tal levantamento, a rejeição de Michel Temer segue praticamente inalterada desde novembro, quando ele era avaliado como ruim ou péssimo por 71% dos eleitores.

Na pesquisa divulgada nesta terça, apenas 6% dos entrevistados afirmaram que consideram o governo Temer como ótimo ou bom. Em comparação, 23% dos eleitores acham que a gestão pode ser avaliada como regular — dados que também permaneceram estáveis desde janeiro.

A pesquisa foi realizada entre os dias 11 e 13 de abril de 2018, com 4.194 entrevistados em 227 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, com um nível de confiança de 95%.

Avaliação que não melhora nem com a ajuda de Silvio Santos

O levantamento divulgado hoje comprova que, nem com a intervenção federal no Rio de Janeiro – que poderia melhorar a imagem de Temer entre os mais conservadores –, nem com a aparição em programas de auditório como o do apresentador Silvio Santos, Temer conseguiu ser mais querido entre os brasileiros.

Ser rejeitado por 70% da população, no entanto, ainda é lucro para o presidente. Afinal, o pior momento da avaliação de Temer foi registrado em setembro do ano passado, quando 73% dos brasileiros de todo o País reprovavam a gestão do presidente.

Tal número alcançado em setembro, além de ser a pior marca pessoal de Temer, também se tornou o pior índice já registrado pelo Datafolha em todos os seus levantamentos. A antecessora do emedebista no cargo, Dilma Rousseff (PT), deixou a Presidência com 63% de reprovação às vésperas de seu impeachmet.

Mesmo com essa avaliação negativa, Michel Temer cogita a possibilidade de tentar a reeleição. No entanto, o próprio Datafolha mostra que o presidente emedebista tem apenas 2% das intenções de voto.

Governo de Michel Temer é rejeitado por 72% da população

Somente 5% da população consideram o governo Temer ótimo ou bom,

Pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e realizada pelo Ibope aponta que o governo Michel Temer é rejeitado por 72% da população. Estudo é o primeiro realizado após a intervenção militar na área de segurança pública do Rio de Janeiro e depois do emedebista dizer que pretende disputar a reeleição. Em dezembro do ano passado, quando a última pesquisa foi feita, o governo Temer era rejeitado por 74% dos brasileiros.

De acordo com a pesquisa, somente 5% da população consideram o governo Temer ótimo ou bom, contra 6% do levantamento anterior. Outros 21% dizem considerar a gestão atual como regular, ante 19% do estudo feito em dezembro. Outros 2% não quiseram ou não soubera responder a pesquisa.

Estudo ouviu 2 mil pessoas com idades entre os dias 22 e 25 de março em 126 municípios de todo o Brasil e a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança da pesquisa é de 95%.

“Liberdade de informação permite as mais variadas críticas”, diz Michel Temer

Em discurso durante cerimônia no Palácio do Planalto, presidente destacou a importância da liberdade de imprensa e do cumprimento da Constituição



“A liberdade de informação permite as mais variadas críticas, e elas hão de verificar-se, porque elas dão também um norte para a conduta da própria sociedade. O que não se pode é combater pessoas,  desmerecendo o país. Você precisa tomar um cuidado extraordinário com esse fato”, disse Michel Temer .

Em discurso durante a cerimônia de sanção da lei que flexibiliza o horário de veiculação do programa A Voz do Brasil , Temer ressaltou que prestigia a imprensa livre “por convicção pessoal” e a considera fundamental para o País. Ele também afirmou que considera a democracia o melhor dos regimes.

“O que mais prejudica o País é desviar-se das determinações constitucionais; quando as pessoas começam a desviar-se das determinações jurídicas, constitucionais, quando acham que podem criar o direito a partir da sua mente e não a partir daquilo que está escrito, seja literalmente ou sistemicamente, você começa a desorganizar a sociedade”, disse Temer

Temer se declarou um “escravo” do texto constitucional e disse que a manutenção do ordenamento jurídico assegura o direito à informação.

“Eu acho que o que dá estabilidade ao país é o cumprimento rigoroso daquilo que a soberania popular produziu ao criar o Estado brasileiro. Portanto, toda vez que pratico um gesto governativo, tenho em mente o norte que me dá a Constituição Federal. Volto a dizer na convicção mais acentuada, mais profunda e correta de que a ordem jurídica é que estabelece as relações sociais, regula as relações sociais”, afirmou.

Voz do Brasil

A lei que flexibiliza o horário do programa “ Voz do Brasil ” foi sancionada nesta quarta-feira (4) pelo presidente Michel Temer, em cerimônia no Palácio do Planalto. O programa de rádio com mais de 80 anos no ar poderá ser veiculado pelas emissoras dentro do intervalo das 19h às 22h e não mais obrigatoriamente das 19h às 20h.

Agência Brasil

Governadores reúnem com Temer para tratar de segurança pública

“Ao lado da segurança pública, o combate à criminalidade tem que se conectar com programas de natureza social”

A segurança pública é o principal tema da reunião que o presidente Michel Temer comandará hoje (1º), às 11h, no Palácio do Planalto. Foram convidados todos os governadores, ministros, os presidentes do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e da presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia.

Ontem (28), Temer disse, em entrevista à rádio Jovem Pan, que a intervenção federal no Rio de Janeiro vai restabelecer a ordem no estado. Ele defendeu que a ação “significa cumprir rigorosamente a lei, e, portanto, combater a criminalidade”

Além disso, de acordo com o presidente, o governo federal também deve investir em programas sociais no Rio. “Ao lado da segurança pública, o combate à criminalidade tem que se conectar com programas de natureza social”, explicou.

Para reforçar as ações na segurança pública, o presidente da República criou o Ministério Extraordinário da Segurança Pública, sob o comando do ministro Raul Jungmann. A pasta vai integrar as estratégias de segurança pública em todos os estados do país.

Brasil tem hoje 26,3 milhões de desempregados, mostra IBGE

Senado aprova urgência para votação da reforma trabalhista

O Brasil encerrou 2017 com 26,3 milhões de trabalhadores subutilizados, grupo que reúne pessoas que poderiam trabalhar, mas estão desocupadas, e aqueles que trabalham menos de 40 horas semanais. É o que revela a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) trimestral divulgada nesta sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Esse número é bem distante dos 13 milhões que o governo vinha anunciando e deixa para trás qualquer argumentação de que o país está “retomando o crescimento”. Pelo jeito, a única coisa que cresceu foi o desemprego e a inflação.

Temer comprova que está vivo, e volta a receber aposentadorias por SP; R$ 22.109 líquido

Temer recebe notificação oficial da Câmara sobre denúncia da PGR

O SPPrev, órgão que gere a Previdência dos servidores do Estado de São Paulo, confirmou, nesta quarta-feira, que o presidente Michel Temer fez, enfim, a “prova de vida” necessária para voltar a receber a aposentadoria como procurador do Estado. Segundo o instituto, Temer realizou a comprovação em janeiro.

O presidente havia perdido o direito de receber seus proventos ao não ter realizado a prova de vida em setembro de 2017, mês do seu aniversário. Os salários de novembro, dezembro e janeiro foram acumulados e já foram pagos, assim como o 13º de 2017.

Como procurador aposentado, Temer recebe salário bruto de R$ 45.055. Em função do limite constitucional para o pagamento de funcionários públicos, a renda cai para R$ 22.109 líquido. A última aposentadoria recebida pelo presidente foi em outubro.

O SPPrev não confirmou quando o presidente recebeu as aposentadorias acumuladas, nem quanto foi pago. O mesmo foi feito pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República. A última remuneração que consta ao presidente, pela União, é de novembro de 2017, de R$ 3.896,82.

Com informações do Extra

Temer anuncia criação do Ministério da Segurança Pública

Durante a reunião no Rio de Janeiro neste sábado (17) com autoridades para tratar da intervenção federal no estado, o presidente Michel Temer anunciou pela primeira vez sua decisão de criar o Ministério da Segurança Pública.

Até então, Temer só tinha tratado do tema em consultas com integrantes da equipe. Mesmo assim, ele não anunciou nenhum nome para a futura pasta.

“Os estados todos estão precisando de alguma coisa na segurança. Nós vamos criar, muito possivelmente na semana que vem, um ministério concomitantemente com a intervenção. Um ministério extraordinário no caso de um estado brasileiro pedir a intervenção, entre aspas, da União nos respectivos estados, e não estou falando apenas em tese, estou falando em casos concretos. Os senhores sabem quantas vezes tive que colocar não só as forças federais de segurança, mas as forças armadas nos estados brasileiros”, questionou o presidente.

A criação do Ministério da Segurança Pública vinha sendo debatida dentro do governo como uma medida para auxiliar no combate à violência no país.

Após a reunião, em uma fala à imprensa, Temer também disse que pretende criar a nova pasta nas próximas semanas. Ele disse que o ministério vai coordenar as ações de segurança pública no país, “sem invadir as competências dos estados”. O presidente não deu mais detalhes. Temer retornou a Brasília na tarde deste sábado (17).

De acordo com o que já vinha sendo elaborado no governo, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o Departamento Penitenciário Nacional e a Secretaria de Segurança Pública sairiam da alçada do Ministério da Justiça e ficariam sob o comando da nova pasta.

O Ministério da Justiça seguiria desenvolvendo políticas preventivas de combate às drogas e programas de recuperação de ativos no exterior, além de ficar responsável pelos temas relacionados a estrangeiros e refugiados, pelo combate a carteis econômicos e pela defesa do consumidor.

Preço da gasolina sobe 9,16% em 2017 e fecha ano a R$ 4,09, diz ANP

O valor médio da gasolina vendida nos postos brasileiros subiu 9,16% ao longo de 2017, passando de R$ 3,755 para R$ 4,099 no fechamento do ano, segundo dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).Na pesquisa realizada na última semana do ano (de 24 a 30 de dezembro), o preço do combustível subiu em 14 Estados brasileiros e recuou nos outros 12, além do Distrito Federal.

Na média nacional, houve alta nos postos de 0,24% em uma semana, de R$ 4,089 para R$ 4,099 o litro.

Em São Paulo, maior consumidor do País e com mais postos pesquisados, o litro da gasolina subiu 0,10% na semana passada, de R$ 3,941 para R$ 3,945, em média. Esse valor é 9,7% maior do que o registrado na última semana de 2016, quando o combustível estava cotado no Estado, em média, a R$ 3,594.

No Rio de Janeiro, o combustível saiu de R$ 4,002 para R$ 4,548, na média anual, alta de 13,6%. Em Minas Gerais a alta foi de 9,7%, com o preço passando de R$ 3,815 para R$ 4,188 o litro entre a última semana de 2016 e a última de 2017.

Os Estados do Maranhão e do Amazonas fecharam o ano com o preço médio da gasolina mais em conta do País, estimado pela ANP em R$ 3,663 e R$ 3,682, respectivamente.

R7