Integrantes do MST e da CUT invadem Ministério das Cidades

Grupo só aceitou desocupar o prédio após o chefe da pasta, ministro Alexandre Baldy, descer e assumir as negociações

Cerca de 100 pessoas invadiram o Ministério das Cidades na tarde desta quinta-feira (7/6). Vestidos com camisetas da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do Movimento Sem Terra (MST), os manifestantes chegaram a danificar a portaria do edifício. A Polícia Militar foi chamada para negociar a desocupação do órgão público e até por volta das 14h45 apenas lideranças permaneciam nas dependências do lugar.

Dentre as reivindicações, os manifestantes pedem o retorno da Conferência Nacional de Cidades, que teria sido suspensa, além de um limite mínimo para a entidade no que diz respeito a concessões do programa Minha Casa Minha Vida.

O grupo que ocupou a entrada da pasta está acampado nos arredores da unidade desde segunda-feira (4/7). Os ânimos só ficaram mais calmos depois que o ministro Alexandre Baldy desceu e assumiu pessoalmente as negociações com os manifestantes. Apesar da invasão, não houve confronto com a PMDF.

Durante a negociação, Baldy negou a existência de cortes de gastos referentes às concessões que envolvem o programa. O ministro ainda prometeu que “700 mil unidades serão lançadas ainda este ano e outras 410 mil terão suas obras retomadas”.

Fonte: metropoles

Governo vai recuperar 441 prédios da União desocupados

Segundo o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, a intenção é adequá-los a legislações municipais, como no caso das residências

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, informou nesta segunda-feira (14/5) estar em andamento um edital para a contratação de empresa que será responsável pela recuperação de 441 unidades habitacionais em prédios da União desocupados.

Segundo Baldy, a pasta trabalha com a Secretaria do Patrimônio da União (SPU), ligada ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, na identificação de todos os edifícios ocupados de forma irregular ou desocupados para adequá-los a legislações municipais, como residências.

“Os prédios antigos têm esse enorme desafio e não são simples as reconstruções ou reformas”, disse, explicando ser fundamental modernizar e adequar as edificações às normas de segurança e à legislação de cada município.

Segundo Baldy, esse estudo está sendo feito há quatro meses. “Investir nessas unidades habitacionais dentro dos centros urbanos nos facilita, porque as pessoas já estão na porta do trabalho, com todas as facilidades dos meios de transporte já existentes e fundamentalmente os equipamentos sociais, como escolas, creches, unidades de saúde, segurança pública, então não há mais investimentos adicionais necessários do governo federal”.

De acordo com o ministro, a carência habitacional hoje no Brasil chega a 6,1 milhões de moradias. “A nossa meta são 650 mil novas moradias até o final do ano, quase 10% desse déficit”, disse. Ele lembrou que em 2017 o governo federal entregou 440 mil unidades habitacionais, por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida.

Baldy participou nesta segunda-feira (14) do programa Por Dentro do Governo, uma produção da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) em parceria com a Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Fonte: metropoles

Governo nomeia tio do líder do DEM como secretário no Ministério das Cidades

BRASÍLIA – O governo de Michel Temer formalizou nesta terça-feira, 9, a nomeação do engenheiro civil Inácio Bento de Morais Júnior como novo secretário nacional de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, no lugar de José Roberto Generoso. Como antecipou o Estadão/Broadcast na semana passada, Morais Júnior é tio do líder do DEM na Câmara dos Deputados, Efraim Filho (PB), responsável pela indicação política do novo secretário. Morais Júnior comandará a secretaria com o terceiro maior orçamento da pasta – R$ 700 milhões previstos para 2018.

A nomeação está publicada no Diário Oficial da União (DOU) e faz parte da divisão das quatro principais secretarias do ministério entre os partidos que apoiaram a indicação do deputado Alexandre Baldy (sem partido-GO) para o comando das Cidades em novembro do ano passado. No fim dezembro, o governo já havia nomeado Socorro Gadelha para a Secretaria Nacional de Habitação, que tem o maior orçamento da pasta – R$ 6,2 bilhões previstos para 2018. Ela foi indicada pelo líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Além de Socorro e Morais Júnior, o governo nomeou Gilmar Souza dos Santos, indicado pelo PRB, para a Secretaria Nacional de Desenvolvimento Urbano, cujo orçamento previsto para este ano é de R$ 70,7 milhões. A nomeação de Gilmar dos Santos também está publicada no DOU desta terça.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Cidades anuncia contratos de R$ 951,26 mi para saneamento em 4 estados

O Ministério das Cidades assina na manhã desta sexta-feira (29/12), 24 novos contratos de financiamento com empresas estaduais de saneamento básico. Ao todo, serão liberados R$ 951,26 milhões para Espírito Santo, Goiás, Pernambuco e Rio Grande do Sul. Com a nova operação, a Caixa Econômica Federal deve terminar o ano com R$ 4,084 bilhões em crédito para o saneamento básico.

Ministro das Cidades pede demissão a Temer e aponta “falta de apoio” do PSDB

O ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), enviou uma carta pedindo demissão do governo federal ao Presidente da República, Michel Temer, na tarde desta segunda-feira (13). O pedido do tucano acontece em meio às brigas políticas do PSDB, que se divide entre defensores da permanência na base aliada a Temer e aqueles que querem se desvincular do governo peemedebista. As informações são da Globo News.

No documento enviado ao presidente na tarde de segunda, o ministro das Cidades aponta que seu partido, PSDB, não está ‘dando todo o apoio necessário para que ele continue seu trabalho no ministério’, mais um indício da racha política tucana.
“Agradeço a confiança do meu partido, no qual exerci toda a minha vida política, e já não há mais nele apoio no tamanho que permita seguir nessa tarefa. E de modo muito especial aos pernambucanos, na certeza que procurei, na nossa mais fiel tradição, desempenhar com zelo a minha missão, ajudando o País e meu querido Estado”.

Temer já havia demonstrado interesse em demitir Bruno Araújo , em uma possível reforma ministerial, que pode acontecer em meio às tentativas do presidente para a votação da reforma da Previdência e às pressões do ‘Centrão’ em retirar o PSDB do alto escalão. A ministra de Direitos Humanos, Luislinda Vallois (PSDB-BA), também pode deixar o governo.

Assim, pode ser entendido que já foi dado início à debandada dos tucanos da base aliada do governo federal.
Na carta, o tucano ainda agradece “a confiança do presidente”, destacando algumas de suas “conquistas” no cargo, tais como a “recuperação do programa Minha Casa Minha Vida, além do Cartão Reforma e a Nova Regularização Fundiária.

“No Ministério avançamos na governança, recuperamos o MCMV e a credibilidade nos compromissos financeiros. Implantamos duas ações que vão deixar marcas relevantes no desenvolvimento social do País: o Cartão Reforma e a Nova Legislação de Regularização Fundiária”.

O ministro das Cidades ainda termina a carta destacando que tem “a convicção, Sr. Presidente , que a serenidade da história vai reconhecer no seu Governo resultados profundamente positivos para a sociedade brasileira”.

Carta foi enviada ao presidente Michel Temer pelo ministro das Cidades na tarde de segunda-feira

Coluna – Mariana Carvalho tenta iludir população tirando foto com ministro das Cidades

Coluna Painel Politico, jornalista Alan Alex

Deputada declarou ter tido “um encontro produtivo” com Bruno Araújo, mas na semana passada TCU encontrou superfaturamento de R$ 205 milhões e cancelou qualquer repassa para Porto Velho

Romaria

O Congresso Nacional estava congestionado nesta terça-feira. Prefeitos eleitos de todo o país, acompanhados de deputados, vereadores e assessores visitavam deputados e senadores em busca de recursos ou apoio para seus municípios e claro, não poderiam faltar os de Rondônia. Com pires na mão, os pedidos são sempre os mesmos, dinheiro para honrar as folhas de pagamento e qualquer tipo de apoio, seja em forma de equipamentos, programas sociais ou pelo menos uma promessa de ajuda. E promessas foi o que todos levaram.

Reunião da bancada

A bancada federal se reúne ordinariamente para tratar de questões referentes principalmente à destinação de emendas para grandes projetos, como construção de hospitais, estradas, escolas, segurança e infra-estrutura. Na reunião que ocorreu nesta terça-feira, o governador Confúcio Moura pediu recursos de custeio para o centro de radiologia por imagens, que funciona anexo ao Hospital de Base, recursos para a manutenção do hospital fluvial Walter Bartólo, que custa R$ 7,2 milhões por ano, também pediu recursos para medicamentos e insumos para postos de saúde nas prefeituras, e dinheiro para outras unidades hospitalares. Confúcio apenas abriu a reunião e teve que sair para um compromisso externo, mas a fala dele você confere na íntegra no vídeo abaixo:

Ampliando

PAINEL POLÍTICO vai trabalhar para tentar ampliar ao máximo a cobertura em relação à bancada federal. Nosso projeto é estarmos cobrindo também as reuniões em comissões para que você saiba o que de fato fazem nossos representantes na capital federal. Questões pontuais podem ser levantadas pelos leitores, caso queiram fazer questionamentos, enviem um e-mail para [email protected] que a gente faz ao parlamentar. Também voltaremos com os vídeos “Direto de Brasília” já a partir desta quarta-feira.

Clã

Presente em Brasília, o clã Donadon, Melki, Rosani e Rosângela. Na pauta de pedidos, a construção de um hospital regional em Vilhena, aos moldes do que existe em Cacoal e Guajará-Mirim.

Também em Brasília

Glaucione, prefeita recém-eleita em Cacoal e o deputado estadual Só Na Bença, que não pediu nada, mas trouxe um séquito. Veio do chefe de gabinete ao assessor de imprensa. O resultado dessa visita para Rondônia, não sei, mas entre diárias e passagens a “visita” não saiu por menos de R$ 10 mil aos cofres públicos.

Muda?

Fontes palacianas muitíssimo bem informadas revelaram que Confúcio pretende trocar o comando da Sesdec o quanto antes. Ele quer “apagar o incêndio”, que o atual secretário Antônio dos Reis não conseguiu, seja por amizade com os delegados, seja por falta de traquejo político. Confúcio escolheu para a missão o atual comandante da PM, Coronel Enedy Dias, que tem um histórico respeitável. Mas, se tem uma coisa que Confúcio não gosta é de vazamentos. Ao ser informado que PAINEL POLÍTICO havia antecipado a informação, ele tratou de desconversar e disse que “não comentou isso com ninguém”. Pois é, mas comentaram. Agora circula a informação que Confúcio não quer mais nem um nem outro. Na polícia a preocupação é que ele arrume outra invencionice como o ex-sherifão apocalíptico Marcelo Bessa.

Vai sair

O engenheiro Miguel de Souza, responsável por projetos do DNIT para Rondônia garantiu que a partir do segundo semestre de 2017 devem ser iniciadas as obras da ponte bi-nacional em Guajará-Mirim e deverá ser inaugurada em 2020. Segundo ele, o custo do projeto deve ficar em R$ 70 milhões.

Confete

A deputada federal Mariana Carvalho enviou notícia à imprensa rondoniense falando que “Bruno Araújo (ministro das Cidades) coloca o Ministério à disposição do nosso mandato para levar tratamento dos esgotos e distribuição de água tratada para 100% da nossa Capital”. Balela. Ele pode até colocar o ministério à disposição, mas saneamento em Porto Velho vai demorar, e muito. Na semana passada o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou por medida cautelar que o Ministério das Cidades e a Caixa Econômica Federal se abstenham de destinar recursos federais para execução dos projetos e obras do sistema de esgotamento sanitário de Porto Velho porque foram identificadas irregularidades no processo licitatório e um superfaturamento de mais de R$ 200 milhões no projeto.

Ou seja

Bruno Araújo e Mariana Carvalho vão continuar tirando fotos juntos e falando o que vem entendem, mas “100% de saneamento” só na propaganda da deputada….

O problema é mais grave

O saneamento básico de Porto Velho só será resolvido com uma ação política conjunta, e a população tem que ter consciência disso. Usar um assunto tão sério, que é uma questão de saúde pública para promover fatos meramente políticos, chega a ser uma afronta. Acompanhe a atuação efetiva de seu parlamentar, não se deixe levar por propaganda e fotos bonitinhas. O caso é sério e requer responsabilidade.

Clínica Mais Saúde informa – Seu parceiro é estressado? Cuidado, isso lhe fará engordar

O stress já é um fator de risco conhecido para a obesidade, mas agora cientistas sugerem que um alto nível de stress não afeta só a pessoa, mas também quem está ao seu lado. De acordo com um estudo publicado recentemente no periódico científico Journals of Gerontoloy: Social Sciences, um parceiro estressado pode pode ter um efeito desastroso sobre a sua cintura, principalmente se você for mulher. No estudo, pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, acompanharam por quatro anos 2.042 pessoas com mais de 50 anos, que estavam em um relacionamento há, em média, 34 anos. A análise se concentrou na maneira como o stress crônico – aquele que dura no mínimo um ano entre outras – de um parceiro pode afetar os hábitos alimentares de outro. Enquanto algumas pessoas reagem ao stress perdendo a fome, outras exageram na comida. O estudo em questão concluiu que o estado emocional de um parceiro influencia muito nos hábitos alimentares do cônjuge, principalmente nas mulheres. Os resultados mostraram que, no início da pesquisa, 59% dos homens e 64% das mulheres estavam em risco para a obesidade. Ao final do período de acompanhamento, 70% das mulheres que tinham maridos estressados apresentaram maior risco de desenvolver doenças relacionadas ao sobrepeso. No caso dos homens, a proporção subiu para 66%. Embora o estudo não aborde o que fazer para diminuir o stress, pesquisas anteriores sugerem que os casais lidem com o stress juntos, e que as metas criadas por um casal podem ser mais eficazes do que as metas criadas individualmente.

Ex-ministro das Cidades recebeu propina de R$ 1 mi, diz delator

O empresário Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, afirmou em delação premiada que o ex-ministro das Cidades do Governo Lula Marcio Fortes recebeu R$ 1 milhão de um esquema que resultou na contratação da agência de publicidade Propeg, em 2010.

Segundo o delator, outro ex-ministro da pasta, Mário Negromonte – hoje conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia -, sucessor de Fortes, e o ex-deputado e ex-líder do PP na Câmara Pedro Corrêa teriam recebido valor equivalente a 10% do contrato de publicidade.

A delação de Bené foi homologada na semana passada pelo Superior Tribunal de Justiça, no âmbito da Operação Acrônimo – investigação da Polícia Federal que atribui crime de corrupção ao governador de Minas Fernando Pimentel (PT), ex-ministro do Desenvolvimento do governo Dilma.

Em sua delação, Bené afirmou que o Grupo Caoa, do setor automotivo, teria pago R$ 20 milhões a Pimentel. A Caoa nega categoricamente o repasse ilegal. A delação do empresário preenche 20 anexos. Um deles é dedicado aos ex-ministros Marcio Fortes e Mário Negromonte e ao ex-deputado Pedro Corrêa – este também delator, mas de outra operação, a Lava Jato.

Bené afirmou que por volta de 2010 Negromonte o procurou. Segundo o delator da Acrônimo, Negromonte pretendia “influenciar” em licitação da área de publicidade do Ministério das Cidades. O plano seria beneficiar a Propeg.

Negromonte e Pedro Corrêa – na época, réu do mensalão – iriam receber, segundo Bené, 10% do “resultado” da operação. O acordo previa que o ministro Márcio Fortes, que ocupou o cargo entre 2005 e 2011, e um assessor dele, conhecido por “Alcione”, ficariam com uma parte do valor do contrato, desde que a Propeg fosse a escolhida.

Segundo Bené, Mário Negromonte e Pedro Corrêa receberam total de R$ 1 milhão cada. O ex-ministro Marcio Fortes também teria recebido R$ 1 milhão, valor pago, segundo ele, “durante mais de um ano”

Defesas

“É falso o enredo por meio do qual se tenta envolver a Propeg em assuntos que são inteiramente estranhos à agência. Jamais, em tempo algum, houve pagamento a políticos por meio da empresa”, disse a assessoria da companhia.

“Em 2010 a Propeg e outras três agências de propaganda venceram licitação para atender ao Ministério das Cidades. O certame escolheu aquelas que apresentaram as melhores propostas nas modalidades técnica e preço – como rege a lei.”

O criminalista Carlos Fauaze, que defende o ex-deputado Negromonte, informou que não vai se manifestar por não ter tido acesso à documentação constante nos autos do processo. Mário Negromonte afirmou que a empresa Propeg é da Bahia, seu Estado, e que ele não precisaria da intermediação de Bené para tratar de qualquer assunto envolvendo a empresa. “A Propeg é da Bahia. Eu ia precisar do Benedicto para fazer alguma intermediação de conversa?Não tem sentido. Jamais procurei ele para esse tipo de contato”, afirmou.

O ex-ministro Marcio Fortes também se defendeu. “Nego veementemente as acusações, e me coloco à disposição das autoridades competentes para esclarecimentos que eventualmente forem necessários.”