Papa Francisco abençoa ex-presidente Lula e escreve recado ao petista

Mensagem do líder da Igreja Católica foi escrita à mão, em um exemplar do livro “A Verdade Vencerá” – que narra caso sob a perspectiva militante do PT

Direto do Vaticano, o papa Francisco enviou uma pequena mensagem ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta quinta-feira (3). O conteúdo do recado, escrito à mão, foi revelado na noite de ontem pela assessoria do Partido dos Trabalhadores (PT).

A mensagem foi escrita em espanhol, em um exemplar do livro A Verdade Vencerá – publicação assinada pelo próprio presidente Lula, que narra o seu caso sob a perspectiva petista – entregue ao pontífice pelo ex-ministro da Defesa Celso Amorim, que visitou o Papa Francisco ontem.

Em seu recado, o papa diz “A Luiz Inácio Lula da Silva, com a minha benção, pedindo-lhe para orar por mim, Francisco”. O encontro entre o líder da Igreja Católica e Celso Amorim aconteceu na Casa Santa Marta, residência de Francisco dentro do Vaticano.

Lula foi o tema do encontro com o papa Francisco

Reprodução/Facebook.O ex-presidente Lula recebeu o seguinte recado do Papa Francisco, nesta quinta-feira

O encontro não foi oficial. Mesmo assim, a assessoria do PT divulgou as fotos do momento na página oficial de Lula. Em um vídeo publicado em suas redes sociais, o ex-ministro narrou o encontro. De acordo com Amorim, sua visita ao líder da Igreja Católica durou cerca de uma hora e os grandes assuntos debatidos foram as situações política e jurídica do ex-presidente.

No vídeo, que também foi divulgado no Twitter oficial de Lula , Amorim afirmou que Francisco escreveu uma “mensagem espiritual” para o petista e que o Papa tem acompanhado a situação do ex-presidente “com interesse e preocupação”.

O ex-presidente Lula está preso desde o dia 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, no sul do País. Condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, ele defende que sofre uma prisão política e busca ser candidato do partido às eleições de outubro. O papa Francisco não mencionou a candidatura do petista.

Com informações da Agência Brasil.

Vaticano muda doutrina e declara pena de morte inadmissível

Nova regra foi incluída no Catecismo e proíbe a prática em qualquer circunstância

Por ordem do papa Francisco, a Igreja Católica alterou a doutrina sobre a pena de morte, que passa a ser considerada inadmissível em todos os casos, anunciou o Vaticano nesta quinta-feira (2/8). A mudança foi incluída no Catecismo, compilação oficial da doutrina da religião.

“A Igreja ensina, à luz do Evangelho, que a pena de morte é inadmissível, pois atenta contra a inviolabilidade e a dignidade da pessoa, e se compromete com determinação por sua abolição em todo o mundo”, afirmou o pontífice em uma audiência concedida ao prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, órgão responsável pela defesa das tradições católicas.

Antes disso, a Igreja já criticava a pena de morte, mas autorizava o uso em algumas circunstâncias, quando “era o único jeito possível de defender efetivamente a vida humana conta agressões injustas”, dizia a doutrina.

Mas desde o papa João Paulo 2º, morto em 2005, a Igreja vinha restringindo o apoio à prática e papa Francisco havia condenado seu uso publicamente.

Segundo o novo comunicado, a antiga regra já não funcionava mais porque há novas formas de proteger a sociedade. “Há um entendimento cada vez maior de que a dignidade da pessoa não está perdida mesmo após a prática de crimes muito sérios”, diz o texto.

“Além disso, surgiu um novo entendimento sobre o significado das sanções penais impostas pelo Estado. Por último, foram desenvolvidos sistemas de detenção mais eficazes, que asseguram a devida proteção aos cidadãos, mas ao mesmo tempo, não privam definitivamente os culpados da possibilidade de resgate”.

Fonte: metropoles

Papa adverte sobre obsessão de jovens em receber ‘curtidas’

O Papa Francisco publicou nesta quinta-feira (22) a mensagem para a Jornada Mundial da Juventude e advertiu sobre o atual medo que os jovens têm de não ser aceitos pelo que são e que muitos estão se tornando obsessivos em receber “curtidas” nas redes sociais.

A Igreja Católica realizará em 25 de março a Jornada Mundial da Juventude de 2018 em nível diocesano e a mensagem publicado significa hoje é um “passo a mais no processo de preparação da JMJ do Panamá, que se realizará em janeiro de 2019”, escreveu o papa.

Francisco disse que atualmente muitos jovens se sentem atingidos por medos e que em muitos “existe um profundo medo de não ser amado e querido pelo que é”.

“Muitos jovens fazem continuamente ‘photoshop’ das suas imagens, escondendo-se por trás de máscaras e identidades falsas, chegando quase a tornar-se, eles próprios, um ‘fake’, uma identidade falsa”, alertou.

O papa, que costuma usar uma linguagem coloquial e moderna quando fala com os jovens, disse ainda que “muitos têm a obsessão de receber o maior número possível de ‘likes’. E daqui, desta sensação de desajustamento, surgem muitos medos e incertezas”.

Papa Francisco, os jovens, tanto os crentes quanto os não crentes, temem não conseguir encontrar uma segurança afetiva e “frente à precariedade do trabalho”, muitos têm medo a não alcançar uma situação profissional satisfatória e não cumprir os seus sonhos.

Como ajuda para os momentos de “dúvida e medo”, o pontífice propôs o “discernimento” para colocar em ordem “os pensamentos e sentimentos e para atuar de uma maneira justa e prudente” e assim ” não perder tempo e energias com fantasmas sem rosto nem consistência”.

“Não deixeis, queridos jovens, que os fulgores da juventude se apaguem na escuridão duma sala fechada, onde a única janela para olhar o mundo seja a do computador e do smartphone”, aconselhou.

Detentos são convidados para almoço com o papa e aproveitam para fugir

Dois prisioneiros italianos que faziam parte de um grupo de detentos convidados para almoçar com o papa Francisco em Bolonha (norte da Itália) aproveitaram o encontro para fugir, informou nesta quarta-feira (11) a imprensa italiana.

Os dois prisioneiros napolitanos foram convidados juntamente com o resto do grupo para o almoço no domingo, 1º de outubro, por ocasião de uma visita do papa a Bolonha.

Os dois estavam em regime aberto, em um centro especial de reintegração perto de Modena, integrado por presos considerados socialmente perigosos e dependentes químicos, explicou a agência de notícias AGI.

As versões divergem na imprensa sobre se os homens almoçaram ou não com o papa argentino antes da fuga.

O papa Francisco dá especial atenção à situação dos prisioneiros e está acostumado a se encontrar com grupos de prisioneiros durante suas viagens dentro e fora da Itália.

Fonte: otempo

Papa doará US$ 150 mil para vítimas do terremoto no México

O papa Francisco fará uma doação de US$ 150 mil para ajudar as pessoas que sofreram com o terremoto que atingiu o México na última terça-feira e que já contabiliza pelo menos 230 mortos.

“O papa Francisco determinou, através do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, o envio de uma primeira contribuição de US$ 150 mil para socorro às populações nesta fase de emergência”, informou o escritório de imprensa do Vaticano nesta quinta-feira. O valor será dividido entre as dioceses mais atingidas pela tragédia.

“O aporte será utilizado em obras de assistência às vítimas do terremoto e quer ser uma imediata expressão do sentimento de proximidade espiritual e paterno encorajamento para as pessoas e os territórios atingidos”, segue o texto. O auxílio é parte das ajudas da Igreja para a população mexicana.

“Essa contribuição, que acompanha a oração – especialmente dirigida a Nossa Senhora de Guadalupe – como apoio à amada população mexicana, é parte das ajudas que estão sendo ativadas em toda a Igreja Católica e que envolvem, além de várias Conferências Episcopais e numerosos organismos de caridade”, afirma o setor.

Na quarta-feira, o papa Francisco expressou, durante a audiência geral, sua proximidade com “toda a querida população mexicana neste momento de dor”.

Fonte: O Estado de S. Paulo

 

Papa admite que Igreja “demorou” para enfrentar pedofilia

papa Francisco voltou a falar hoje (21) dos casos de pedofilia na Igreja Católica e fez uma de suas declarações mais categóricas sobre os crimes. Jorge Mario Bergoglio admitiu que o Vaticano “demorou” para investigar os abusos sexuais e anunciou que jamais concederá graça a sacerdotes condenados por esses crimes.

“O abuso sexual é um pecado horrível, completamente oposto e em contradição com o que Cristo e a Igreja ensinam”, disse o Papa, em um discurso à Comissão Pontifícia para a Proteção dos Menores.”A Igreja enfrentou esses crimes com atraso. Talvez a antiga prática de transferir as pessoas [de dioceses], de não enfrentar o problema, adormeceu um pouco a consciência”, argumentou.

Segundo Francisco, “apenas um caso de abuso deve bastar para uma condenação, sem recurso de apelação”.”Quem for condenado por abusos sexuais pode pedir graça ao Papa, mas eu nunca assinei uma graça desta e nem assinarei”, prometeu.

O Papa também comentou que os “escândalos de abusos sexuais são um estrago terrível para toda a humanidade, os quais atingem tantas crianças, jovens e adultos vulneráveis em todos os países e em todas as sociedades”. “Foi uma experiência muito dolorosa para a Igreja. Sentimos vergonha pelos abusos cometidos por ministros consagrados, os quais deveriam ser os mais dignos de confiança”, criticou.

A Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores (CPPM) foi criada em 2014 por Francisco, que assumiu a liderança da Igreja Católica em 2013, após a renúncia de Bento XVI. A comissão é formada por oito pessoas: Catherine Bonnet (França) Marie Collins (Irlanda), Sheila Baroness Hollins (Reino Unido), Cardeal Seán O’Malley (Estados Unidos), Claudio Papale (Itália), Hanna Suchocka (Polônia), Reverendo Humberto Miguel Yañez, S.J. (Argentina), Reverendo Hans Zollner, S.J. (Alemanha).

O grupo é formado por religiosos e laicos e tem como meta contatar dioceses regionais e institutos católicos em várias regiões do mundo para discutir, investigar e prevenir casos de pedofilia. Hoje em dia, o grupo tem status de Comissão Pontifícia e conta com mais nove membros extras: Bispo Luis Manuel Alí Herrera (Colômbia), Gabriel Dy-Liacco (Filipinas), Bill Kilgallon (Nova Zelândia), Kayula Lesa (Zâmbia), Hermenegild Makoro (África do Sul), Kathleen McCormack (Austrália), Robert W. Oliver (Estados Unidos),Peter Saunders (Inglaterra) e Krysten Winter-Green (Estados Unidos).

O Vaticano mantêm as investigações de casos de pedofilia em sigilo. Mas, por décadas, a prática da Santa Sé era de apenas transferir de dioceses os sacerdotes que haviam sido denunciados por práticas criminosas.

Fonte: 24horasnews

Papa Francisco envia carta a casal gay por batismo dos filhos

Depois de batizar os três filhos em uma igreja católica de Curitiba, no Paraná, o casal Toni Reis e David Harrad recebeu uma carta de felicitações do Papa Francisco.

“O Papa Francisco lhe deseja felicidades, invocando para a sua família a abundância das graças divinas, a fim de viverem constante e fielmente a condição de cristãos”, diz o documento, assinado pelo assessor para os Assuntos Gerais da Secretaria de Estado, Monsenhor Paolo Borgia.

A cerimônia ocorreu em abril e, dois meses depois, o casal enviou fotos e os certificados de batismo para o pontífice, mas não esperava uma resposta.

“Nós estamos extremamente felizes. Queríamos comunicar ao sumo sacerdote essa acolhida da igreja católica que foi muito importante para nós, porque nossos filhos foram bem acolhidos e muito bem tratados pelo arcebispo e pelo padre”, contou Toni Reis.

Ele acrescentou que foram a quatro igrejas da capital paranaense, mas o batismo era negado. A cerimônia só foi possível depois que falaram com o Arcebispo Metropolitano de Curitiba, Dom José Antonio Peruzzo, que disse um “sim” imediato.

Fonte: metropoles.com

Membro do Vaticano é preso por dar festa regada a drogas e sexo em apartamento

Membro do Vaticano é preso por dar festa regada a drogas e sexo em apartamento

O dono da festa, cujo nome não foi divulgado, era o secretário de um cardeal muito próximo ao Papa Francisco e acabara de ser indicado para ser bispo

A polícia do Vaticano invadiu, nos últimos dias de junho, uma festa regada a drogas em um apartamento. O responsável pelo imóvel é o secretário do Cardeal Francesco Coccopalmerio, um dos conselheiros do Papa Francisco – que ficou enfurecido com a situação.

Incomodados pela grande movimentação e o comportamento incomum na porta ao lado, os vizinhos do secretário chamaram as autoridades e, assim, se tornaram personagens coadjuvantes em mais um recente escândalo do Vaticano .

De acordo com o portal US News , o imóvel era usado pelo secretário, porém, pertence à Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, entidade responsável por analisar os membros do clero denunciados por abuso sexual.

O dono da festa foi levado a um hospital, onde passou por uma desintoxicação por conta do uso de drogas, e depois foi levado até a polícia para depor. Segundo o site  New York Daily News , é provável que ele tenha que enfrentar apenas acusações de uso de entorpecentes, já que, na cidade-Estado sede da Igreja Católica, o sexo gay é legalizado.

Agora o secretário, que antes fora indicado para se tornar bispo, passa os seus dias em um convento no interior da Itália – e, provavelmente, não vai receber o novo título tão cedo.

Escândalos demoníacos brasileiros

Esta não foi a primeira vez que o nome na Igreja se envolveu em escândalos midiáticos, aliás, no mês passado, os católicos precisaram lidar com uma denúncia um tanto quanto inusitada – e assustadora.

O grupo católico ultraconservador brasileiro Arautos do Evangelho se tornou notícia em todo o mundo por, supostamente, manter um pacto com o Satã desde a morte de seu líder em 1995 . A Igreja afirma ter aberto uma investigação sobre o caso.

Toda a repercussão aconteceu depois de um vídeo ter sido divulgado, no qual é possível ver membros do Arautos do Evangelho citando um “diálogo entre o grupo e o Satã ”  em que é citada a morte do Papa Francisco , entre outros temas. Nas imagens divulgadas, o monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, um cânone honorário da Igreja Católica no Vaticano e líder da organização, protagoniza a cena e, segundo as informações oficiais, ele teria renunciado ao cargo.

Fonte: ig.com

Papa Francisco lamenta morte de presos em Manaus: ‘Dor e preocupação’

Francisco ainda fez um momento de silêncio e pediu que os presídios de todo o mundo “sejam locais de reinserção, que não sejam superlotados”.

Na primeira audiência geral de 2017, realizada na manhã desta quarta-feira, no Vaticano, o Papa Francisco fez orações pelas vítimas da rebelião no complexo penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, onde 60 detentos morreram após uma rebelião.

“Ontem, chegaram notícias dramáticas do Brasil sobre o massacre ocorrido no presídio de Manaus, onde um violentíssimo confronto entre grupos rivais causou dezenas de mortes”, disse o Pontífice nas mensagens finais da audiência.

“Exprimo dor e preocupação pelo que aconteceu. Convido a todos para rezar pelos mortos, pelos seus familiares, por todos os presos daquele presídio e por aqueles que lá trabalham. E renovo meu apelo para que os institutos penitenciários sejam locais de reeducação e de reinserção social e as condições de vida dos presidiários sejam dignas de pessoas humanas”, falou o Pontífice.

Francisco ainda fez um momento de silêncio e pediu que os presídios de todo o mundo “sejam locais de reinserção, que não sejam superlotados”.

Fonte: extra.globo

Papa Francisco leva cardeais de van para ver Bento XVI

Papa Francisco leva cardeais de van para ver Bento XVI

Os dois Pontífices se reuniram no fim de semana

Além de nomear novos cardeais, o consistório do último sábado (19) no Vaticano serviu para marcar mais um gesto de afeto entre o atual Papa, Francisco, e o anterior, Bento XVI. Mostrando respeito ao seu antecessor, Jorge Mario Bergoglio deixou a Basílica de São Pedro ao lado dos novos cardeais e seguiu de van até o monastério Mater Ecclesiae, onde vive Joseph Ratzinger.

Lá, o primeiro ato foi um longo abraço entre os dois religiosos em um gesto que foi repetido por todos os novos cardeais. Com a autorização de Francisco, Bento XVI iniciou uma oração de benção aos “recém-promovidos” e mostrou uma boa parceria com o atual Pontífice. Em clima amistoso, os dois ainda trocaram algumas palavras antes de se despedir. Aparentando estar mais magro do que em sua última aparição pública, Ratzinger mostrou-se bastante disposto e sorridente durante todo o tempo. Assim como ocorreu no consistório do sábado, o papa emérito optou por permanecer no monastério durante a celebração do encerramento do Jubileu da Misericórdia na Praça São Pedro, realizada no domingo (20).

Desde que assumiu seu Pontificado após a renúncia de Bento XVI, Bergoglio sempre ressaltou a importância da atuação de seu antecessor e elogiou, por diversas vezes, seu “nobre gesto” de abdicar da liderança da Igreja Católica quando viu que não tinha mais forças para isso, sendo que a entidade teria uma eterna “dívida de gratidão”.

O alemão, por sua vez, disse ter ficado “surpreso” com a escolha de Francisco pelos cardeais no conclave, mas disse admirar a “enorme simpatia” que o seu sucessor tem entre os cristãos e os não cristãos.