Imigrante escala quatro andares de prédio em Paris para salvar criança; veja vídeo

O resgate espetacular, gravado e divulgado nas redes sociais, mostra o homem escalar em 30 segundos quatro varandas da fachada do prédio

Um jovem malês com documentação irregular escalou a fachada de um prédio em Paris para socorrer um menino de 4 anos pendurado, informaram diversas fontes neste domingo (27). O pai do menino foi preso.

O resgate espetacular, gravado e divulgado nas redes sociais, mostra o malês Mamudu Gasama escalar em trinta segundos quatro varandas da fachada de um prédio para chegar ao quarto andar, recuperar o menino pendurado e colocá-lo em segurança.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=n4j_HGxKbzA]

“Por sorte, havia alguém com boas condições físicas e com coragem para ir buscar o menino”, afirmaram os bombeiros.

A criança e Gasama foram levados a um hospital para exames de rotina.

“O socorrista se queixava do seu joelho e o menino estava em choque”, indicaram os bombeiros, afirmando que os dois passam bem.

O vice-prefeito de Paris, Ian Brossat, afirmou que o jovem malês que resgatou o menino está com sua documentação irregular.

“O jovem homem que salvou um bebê (…) escalando três andares não tem documentação e chegou do Mali em setembro. Aviso aos que cospem diariamente nos imigrantes. Obrigado, Mamudu Gasama”, tuitou o prefeito adjunto.

Pouco antes, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, tinha parabenizado o jovem. “Um grande ‘bravo’ a Mamudu Gasama por seu ato de coragem que permitiu salvar ontem à noite a vida de um menino. Tive o prazer de falar com ele por telefone hoje”, escreveu no Twitter.

Apresentado pela imprensa francesa como um herói, Mamudu Gasama contou à emissora BFMTV que “viu muitas pessoas gritando e buzinas de carros”.

“Saí, corri para procurar as soluções para salvá-lo. Consegui me pendurar em uma varanda, subi e assim graças a Deus o salvei”, disse.

Depois disso, o pai do menino foi colocado em prisão provisória devido ao início de uma investigação por “alienação de obrigações parentais”, afirmou uma fonte judicial.

Fonte: istoé

Correios indenizará por atraso na entrega de anel que frustrou pedido de casamento em Paris

Decisão da 6ª turma do TRF da 1ª região fixou danos morais em R$ 2 mil.

Um homem que foi impossibilitado de realizar pedido de casamento em Paris, devido ao atraso na entrega do anel de noivado, deverá ser indenizado pelos Correios. A decisão do juiz Federal convocado Lincoln Rodrigues de Faria, da 6ª turma do TRF da 1ª região, fixou danos morais em R$ 2 mil.

O homem adquiriu um anel de noivado pela internet, com prazo de entrega de um dia útil, com intuito de levá-lo à Paris para pedir a namorada em casamento aos pés da Torre Eiffel. Contudo, o produto foi entregue com uma semana de atraso.

Em 1ª instância, a empresa foi condenada ao pagamento de R$ 2 mil por danos morais. Inconformada, alegou ser parte ilegítima da ação, uma vez que era mera transportadora do objeto. Pleiteou pela minoração do valor, caso fosse mantida a condenação.

Ao analisar o caso, o magistrado ressaltou que, como o autor alegou que os danos morais sofridos decorreram do atraso na entrega, restou demonstrada a legitimidade da empresa.

Quanto aos danos morais, o juiz Federal entendeu que ao pleitear indenização, não se trata de vício do serviço prestado, mas sim dos danos causados pessoalmente ao consumidor.

“É fato notório que a decisão por casar é simbólica para o ser humano, sendo o pedido de casamento a declaração de pretensão de constituição de uma vida em comum. Assim, o momento que foi negado ao autor, por ele planejado, ocasionou-lhe violação direta a direito da personalidade, mais especificamente, à sua honra, sendo presumível o dano moral.”

Assim, o magistrado fixou os danos morais e, reconhecendo que os Correios são equiparados pela Fazenda Pública, isentou o pagamento de custas processuais.

Processo: 0023651-75.2010.4.01.4000

Fonte: migalhas

Em protesto salarial, jornal francês é vendido mais caro a homens

O “Libération” subiu em 50 centavos de euros o preço para leitores homens nesta quinta-feira, com o objetivo de denunciar a diferença salarial

Paris – O jornal francês “Libération” subiu em 50 centavos de euros o preço para leitores homens nesta quinta-feira, com o objetivo de denunciar a diferença salarial em iniciativa proposta por causa do Dia Internacional da Mulher.

Na capa, dedicada a este tema, o jornal de esquerda afirma que “apesar da lei, a diferença salarial entre homens e mulheres continua sendo de 25% na França”, por isso “o jornal decidiu aplicar, por um dia, a mesma diferença em seu preço, que será 50 centavos mais caro para homens”.

Liberátion é vendido mais caro para homens (Libéretion/Reprodução)
O dinheiro arrecadado com a iniciativa desta quinta-feira será destinado ao Laboratório da Igualdade, que há anos luta pelo fim das diferenças.O diretor do jornal, Laurent Joffrin, justificou a medida como “uma alfinetada de lembrança” que o jornal quis fazer em uma edição totalmente dedicada ao Dia da Mulher.

Fonte: exame

Visto permite que brasileiros trabalhem na França por 1 ano; entenda

Programa Férias-Trabalho, que entrou em vigor nesta quinta-feira, permite que jovens entre 18 e 30 anos trabalhem por até um ano no país europeu

Se a falta de oportunidades no mercado de trabalho e a baixa qualidade de vida nas cidades aparentam ser uma porta fechada na vida dos jovens brasileiros, uma nova janela pode se abrir. E o melhor: com vista para a França. É que o governo francês lança, nesta quinta-feira (1º/3), o programa Férias-Trabalho para o Brasil. Por meio dele, pessoas que têm entre 18 e 30 anos podem morar e trabalhar por até um ano no país europeu, sem nem mesmo precisar saber falar o idioma local.
Além da idade, o único pré-requisito é uma comprovação financeira de 2,5 mil euros (ou seja, que você tenha cerca de R$ 9,8 mil guardados), mais o necessário para comprar as passagens de ida e volta. Apesar de não ser exigido, o conhecimento da língua francesa é recomendado. Se atender às primeiras exigências, o candidato deve entrar no site da Embaixada, preencher um formulário e agendar a entrevista presencial, para a qual deve ir levando estes documentos. O visto deve ser solicitado com uma antecedência máxima de dois meses em relação à data desejada para a viagem.
Alexandra Mias, porta-voz da Embaixada da França no Brasil, explica que o objetivo do programa é possibilitar que os jovens brasileiros possam descobrir o país e conhecer melhor a cultura francófona. “Para eles, a facilidade dos trâmites administrativos é muito interessante, além da experiência cultural do intercâmbio com as pessoas do país, seja no contexto pessoal ou profissional. Muitas vezes, representa também uma primeira experiência profissional no exterior, que pode ser valorizada na volta”, avalia.
O programa ficará aberto por tempo indeterminado e a ideia é que o número de vagas cresça progressivamente ao longo dos anos, conforme o número de interessados. A Embaixada não precisou um número, mas disse esperar que a procura seja alta, “levando em consideração a influência da cultura, modernidade e civilização francesas no Brasil.” A representação destacou ainda que o programa, que começa a valer agora para os brasileiros, já existe há 20 anos e funciona em outros países, como Argentina, Chile, Colômbia, México e Uruguai.
O acordo é bilateral. O que significa que jovens franceses também poderão trabalhar no Brasil. A Embaixada crê que o programa será um sucesso também na outra mão desta via. “De maneira geral, os franceses são apaixonados pelo Brasil e sua rica cultura, pela qual têm uma fascinação profunda há muito tempo”, conclui Mias.

Tire suas dúvidas sobre o programa

É fácil conseguir um emprego na França? 
De acordo com alguns brasileiros que já foram em busca de uma vaga, sim. A mineira Larissa Miranda enfrentou esse desafio em maio de 2016, bem antes de o programa entrar em vigor. Inicialmente, ela trabalhou como babá. Depois, com a ajuda da indicação de uma amiga, conseguiu uma vaga de garçonete em um restaurante. Larissa afirma que vagas como essa podem ser encontradas sem grandes dificuldades. “Seja em loja ou em restaurante, estão sempre contratando, e falar português é um bônus. Mas tem que falar francês bem né? É essencial”, pondera.
Outro brasileiro que também partiu para a Europa em busca de trabalho foi Heitor Garcia, 25 anos. Para ele, todo o processo foi facilitado pelo fato de já ter estudado e se formado na França. Na avaliação do paulista, o programa recém-lançado pode ajudar outros jovens a terem as mesmas chances que ele. “É uma ótima oportunidade pra quem quer conhecer o país e adquirir uma experiência internacional, podendo se bancar e deixar um pouco mais barato. Pra quem não estuda, abre muitas portas e agiliza demais para empresas que possam estar interessadas, porque uma das grandes barreiras é justamente a obtenção do visto de trabalho, que além de longa é bastante complicada na administração francesa”, justifica.
Quanto eu gastaria para participar do programa?
Em relação aos custos de uma empreitada como essa, o diretor de vendas da agência de intercâmbios e viagens Student Travel Bureau (STB), Rui Pimenta, estima que, além das passagens, os jovens brasileiros gastarão, em média, 900 euros (R$ 3,5 mil) mensais com moradia, alimentação e transporte na capital francesa. Na avaliação dele, o programa é uma boa opção para quem quer aprender o idioma francês e, posteriormente, retornar ao país para fazer uma pós-graduação, por exemplo.
“O programa vai contribuir, principalmente por que a França tem um perfil acadêmico e muitos jovens desejam ir para lá para fazer uma pós com um custo benefício bom”, diz. “A gente entende que os jovens querem, sim, viajar. Mas a maior parte está de olho na área acadêmica”, acrescenta.
Consegui um emprego. Posso ficar mais de um ano?
Não. O visto de Férias-Trabalho não pode ser prorrogado. Segundo a Embaixada da França, se um brasileiro tiver um projeto que ultrapasse os 12 meses, ele deve voltar ao Brasil e pedir um outro visto que se adeque à situação (trabalho, estudos, etc), justificando a necessidade dessa nova autorização.
Fonte: correiobraziliense

Operação antiterrorista na França e na Suíça prende dez suspeitos

PARIS – Dez pessoas foram detidas nesta terça-feira, 7, nos arredores de Paris, no sul da França e na Suíça, como parte de uma operação antiterrorista. Os suspeitos  faziam parte de um grupo no aplicativo de troca de mensagens Telegram, frequentemente usado pelos extremistas islâmicos, no qual “faziam declarações preocupantes”, disseram fontes da Justiça francesa.  A operação tem como objetivo esclarecer o contorno dos projetos.

Nove pessoas com idades entre 18 e 65 anos – a maioria fichada pela Polícia – foram detidas no sudeste da França e na região parisiense, e uma, na Suíça, disseram as fontes consultadas pela AFP. Iniciadas em 19 de julho, as investigações permitiram identificar um indivíduo na Suíça muito ativo nas redes sociais.

Além disso, comprovaram que ele mantinha contato com indivíduos residentes na França, com quem discutia projetos de ação violenta explicou a mesma fonte.

O homem preso na Suíça também é ligado a um adolescente de 13 anos, suspeito de preparar um ataque com faca. O adolescente foi preso em 20 de junho. /AFP

Fonte: O Estado de S. Paulo

‘Tragam seus filhos para ver gente nua’: campanha do Museu d’Orsay será retomada em Paris

Uma bem-sucedida operação de comunicação, lançada em 2015 pelo Museu d’Orsay e o Museu da Orangerie, em Paris, para atrair mais famílias aos locais, será retomada neste mês de outubro em Paris. Um dos cartazes da campanha utiliza a mensagem: “Tragam seus filhos para ver gente nua”.

A operação utiliza, no total, nove cartazes – exibidos em ruas, paradas de ônibus e metrôs de Paris – com obras célebres dos dois museus aliadas a frases divertidas, sempre direcionadas a pais e filhos. Sucesso nas redes sociais, a peça que mais teve êxito utiliza a tela “Femme Nue Couchée” (Mulher Nua Deitada), realizada em 1907, pelo pintor francês Auguste Renoir. Na obra, uma jovem é retratada em uma cama, seios à mostra, o sexo coberto com um lençol. Mas foi a mensagem utilizada no cartaz que chamou a atenção do público: “Tragam seus filhos para ver gente nua”.

A operação foi realizada pela agência parisiense Madame Bovary, com a coordenação da diretora de comunicação do Museu d’Orsay e da Orangerie, Amélie Hardivillier. “A campanha foi muito bem recebida pelo público, apreciada e reproduzida. Não houve nenhuma polêmica em relação a ela”, diz.

Segundo ela, o objetivo da campanha era se colocar no lugar das crianças quando elas vão aos museus, decifrar suas reações e a compreensão que têm das obras. Além disso, a operação de comunicação brinca com uma inversão de valores: “queríamos mostrar que são as crianças que levam os pais aos museus”. 

Para Hardivillier, todos devem ir a exposições de arte. O maior desafio para sua equipe, afirma, é justamente como atrair diferentes públicos ao local, entre eles, crianças e adolescentes. Para isso, segundo ela, é preciso relacionar obras históricas a assuntos atuais. “São Sebastião é um santo. Mas pode se tornar um ícone gay se você o observar nas pinturas com o com o olhar de hoje”, ressalta.

A diretora de comunicação salienta que nenhuma obra do museu tem censura de idade, nem mesmo a emblemática “L’Origine du Monde” (A Origem do Mundo”, tela de realizada por Gustave Courbet em 1866). Isso não exclui por exemplo, o debate em torno da pintura adquirida pelo museu em 1995, que é protegida por um vidro e fica em uma sala especial do museu. “Há a relação com a nudez que leva ao debate, sobretudo sobre essa obra, que é tão sensível. Mas essa também é a função da arte: incomodar, questionar”, reitera.

“Queer Museum” e “La Bête”

Hardivillier expressa sua surpresa sobre os episódios do fechamento da exposição “Queer Museum”, no Santander Cultural de Porto Alegre, e a polêmica que gerou a performance “La Bête”, do artista carioca Wagner Schwartz, no Museu de Arte Moderna de São Paulo. “Sei que São Paulo é palco de belas exposições. É muito grave essa situação. Fico triste com essa notícia”, lamenta.

Artistas e curadores brasileiros que vivem na França também manifestam sua indignação, como Fabrícia Martins. A artista radicada na França é amiga de longa data de Schwartz, e acompanhou a criação da performance pelo carioca em Paris, conta que ele está “abaladíssimo, em estado de choque e é alvo de ameaças”.

Para Fabrícia, as manifestações contra a arte no Brasil não passam de uma manobra política. “A liberdade artística está virando moeda das próximas eleições. A performance de Wagner Schwartz viralizou na internet devido a um vídeo descontextualizado e pessoas que nunca foram ao museu o viram e se chocaram. Os políticos estão tirando proveito disso. A extrema-direita está encabeçando essa espécie de caça às bruxas na classe artística”, diz.

A artista lembra que o trabalho do carioca não tem nenhuma conotação erótica, mas as pessoas estão condicionadas ao erotismo. “A sociedade brasileira é extremamente erotizada. O Brasil é o quarto país no mundo onde mais são realizados casamentos com menores de idade. E a gente sabe que a pedofilia no Brasil acontece sobretudo nas famílias. Então trabalhos como os de Wagner Schwartz são potentes porque trazem à tona esse imaginário camuflado.” 

Para o galerista e curador Ricardo Fernandes, especialista em arte contemporânea radicado em Paris, os episódios de censura à arte são reflexo de falta de investimento em educação no Brasil. “É primeiramente necessário discutir a decadência da educação brasileira para depois começarmos a falar sobre o acesso à arte e a compreensão da liberdade de expressão”, afirma.

Segundo ele, o nu não é o centro da polêmica, mas a interpretação falha da arte que utiliza o nu, por conta da falta de informação e capacidade para entendê-la. “Todos nós chegamos nus ao mundo e isso é natural a todos nós. Mas foi a desinformação que gerou a polêmica, propagada por um grupo radical. Esse grupo interpretou as obras de forma errônea e a espalhou pelo Brasil.”

Para o galerista e curador, a questão se resolve com educação básica. “As pessoas precisam ter acesso à escola, aprender a interpretar e a questionar, conhecer bases culturais e históricas. A educação tem o poder de transformar uma sociedade”, completa.

Segundo ele, é o acesso à educação de qualidade que evita que polêmicas como essas aconteçam na França. “Foi isso que possibilitou a se desenvolver uma visão em relação à arte muito mais ampla. Ir a uma galeria ou a uma exposição é um programa cultural comum na França, onde os museus são também locais de reunião e de encontro”, conclui.

Fonte: g1.com

Homem armado com faca é preso por atacar militar em Paris

Um homem armado com faca atacou nesta sexta-feira (15/9), em Paris, um militar da operação antiterrorismo “Sentinela”, mobilizada desde os atentados de 2015, informaram a polícia francesa. De acordo com a imprensa local, o atentado ocorreu na estação de metrô de Chatelet. Na ocasião, o agressor teria gritado “Allahu Akbar” (“Deus é grande” em árabe). Ele foi detido.

O ataque ocorreu às 6h30 locais. Ninguém ficou ferido, mas as autoridades abriram uma investigação para apurar o caso. A ministra da Defesa, Florence Parly, elogiou a reação do militar em entrevista à rádio Europe 1.

“O homem foi controlado, esta é a prova do profissionalismo e da eficácia dos soldados da (operação) Sentinela em sua missão de proteção”, enalteceu. “Não sabemos quais eram as intenções do agressor”, completou. Segundo a polícia, o homem não tem ficha criminal.

Mais tarde, em Londres, na Inglaterra, uma explosão foi registrada em um vagão do metrô. Segundo informações preliminares, houve correria, pânico e dezenas de pessoas ficaram feridas com queimaduras no rosto. A polícia trata o incidente como terrorismo.

O fogo que causou a explosão teria iniciado em uma mochila deixada em estação no sudoeste da cidade.

Fonte: metropoles.com

Polícia descobre apartamento com bombas perto de Paris

Polícia descobre apartamento com bombas perto de Paris

A polícia francesa deflagrou nesta quarta-feira, 6, uma operação antiterrorismo em Villejuif, ao sul de Paris, e prendeu duas pessoas suspeitas de usarem um apartamento para fabricação de bombas e explosivos.

De acordo com o jornal Le Figaro, o imóvel continha materiais para a fabricação de uma bomba de triacetona (TATP), tipo de explosivo já usado em vários atentados do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na Europa e apelidado de “a mãe de Satã”.

Mas a emissora BFMTV citou também a presença de botijões de gás e fios elétricos no imóvel. A polícia acusa os detidos de associação mafiosa com crimes terroristas. Um deles é o proprietário do apartamento. A zona foi esvaziada para que esquadrões antibombas operassem no imóvel.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Detido suspeito de atropelamento de militares na França

As forças de segurança da França detiveram um suspeito do atropelamento de seis militares em Levallois-Perret na manhã desta quarta-feira, indicou a rede BFM TV. As informações são da agência de notícias EFE.

De acordo com a emissora, o homem resistiu à prisão e foi ferido a bala em uma rodovia. A BFM TV disse que a identidade do indivíduo, que está em estado grave, está sendo analisada.

Hoje, por volta das 8h (horário local, 3h em Brasília), o motorista de uma BMW atropelou um grupo de militares que saia do quartel e fugiu em seguida. Ao todo, seis soldados ficaram feridos.

O ministro de Interior da França, Gérard Collomb, descartou que o atropelamento tenha sido acidental.

As câmaras de segurança da região gravaram a ação e confirmaram que o motorista estava sozinho, mas, segundo a imprensa, não é possível ver o rosto do agressor.

Deliberado

Collomb também descartou que o atropelamento tenha sido um acidente e considerou que foi um ato “deliberado”. Sobre o estado de saúde dos agentes atropelados, o ministro disse que é melhor do que o imaginado.

No hospital militar de Bégin, onde estão internados três dos feridos, Collomb disse que o atropelamento ocorreu em um quartel da guarda antiterrorista nos arredores da capital francesa.

Um carro que circulava pelo bairro em baixa velocidade acelerou contra um grupo de dez militares quando estava a cerca de 100 metros do mesmo.

Os agentes estavam se preparando para iniciar sua ronda, como parte do dispositivo militar desdobrado no país após os atentados de 2015.

Esse modo de agir leva as autoridades a pensar que “é um ato deliberado”, indicou Collomb, que apontou que é a sexta vez que o dispositivo militar antiterrorista é atacado desde a sua criação.

O ministro afirmou que há um grande desdobramento policial em busca do carro e do motorista, única pessoa vista pelos militares dentro do veículo.

Collomb, que foi ao hospital acompanhado da ministra da Defesa, Florence Parly, apontou que o estado de saúde dos militares era menos grave do que se imaginava num primeiro momento.

Florence relatou que os agentes sofreram “arranhões” em várias partes do corpo, enquanto os mais afetados, que estão internados no hospital militar de Percy, na localidade de Clamart, “não estão gravemente feridos”.

Os dois ministros concordam que este ataque demonstra que o nível de ameaça na França é “extremamente grade” e que a missão militar de vigilância antiterrorista é “mais necessária do que nunca”.

Collomb, que disse que neste ano foram evitados sete atentados, afirmou que a nova força de combate antiterrorista preparada pelo governo permitirá desarticular outros ataques e fará com que “as condições de segurança do país melhorem”.

Fonte: agenciabrasil

Atropelamento em Paris deixa seis militares feridos

Atropelamento em Paris deixa seis militares feridos

Um automóvel atropelou um grupo de militares nesta quarta-feira, 9, em um subúrbio do noroeste de Paris. A ação deixou seis feridos, dois deles em estado grave.

O ataque aconteceu às 8h (3h em Brasília) em Levallois-Perret e o agressor fugiu, segundo a prefeitura. Os dois soldados em estado grave já estão fora de perigo, segundo as autoridades.

O atropelamento aconteceu diante de um quartel militar no centro da cidade, informou Patrick Balkany, prefeito da região.

“Um veículo acelerou quando os militares saíam do quartel”, afirmou Balkany ao canal BFM-TV. “Foi um ato, a princípio, deliberado”, disse o governo de Hauts-de-Seine, departamento em que fica Levallois-Perret. “Tudo aconteceu muito rapidamente. O veículo não parou. Ele se chocou com eles e acelerou rapidamente”, explicou Balkany.

Desde janeiro de 2015, a França registrou vários atentados extremistas que deixaram mais de 200 mortos. Os ataques mais recentes foram realizados contra as forças de segurança em locais importantes e com grande quantidade de turistas, como a Avenida Champs-Elysées.

Fonte: O Estado de S. Paulo