Policial que tentou prender prefeita por uso indevido de carro oficial, foi preso por dano

Painel Político:: - https://politico.painelpolitico.com

Uma pessoa desce do veículo e o policial diz ‘aqui é polícia. Se sair eu atiro’

Um policial civil foi preso após tentar prender a prefeita do município de Vera Cruz (SP), Renata Zompero Devito (PSDB). Um vídeo que circula nas redes mostra o policial dando “voz de prisão” à chefe do Executivo após encontrar o carro oficial da prefeitura em um shopping outlet, localizado às margens da rodovia Castello Branco (SP-280), em São Roque (SP).

No vídeo, o homem se identifica como policial civil e impede a prefeita de sair do veículo, onde está sentada no banco da frente. Uma pessoa desce do veículo e o policial diz ‘aqui é polícia. Se sair eu atiro’. No vídeo, o servidor da Polícia Civil ainda danifica parte da placa do veículo para mostrar que o carro é de Vera Cruz.

A alegação do policial é que a prefeita e seus assessores estariam utilizando o carro oficial para “dar um passeio” e fazer compras. No vídeo, no entanto, não é possível ver nenhuma sacolas de compras.

Renata e sua equipe alegam, no vídeo, que estavam em um compromisso de agenda oficial em São Paulo e que pararam somente para comer e ir ao banheiro. Um dos membros da assessoria da prefeita ainda acusou o policial de agredi-lo.

Prefeita da cidade de Vera Cruz SP….sendo detida em São Roque

Posted by Gra Sparapan on Saturday, February 15, 2020

O vídeo acaba com o policial ligando para a Polícia Militar e solicitando reforço.

A Polícia Civil encaminhou o policial à delegacia, junto com a prefeita e a equipe dela. A Corregedoria foi acionada e autuou o policial por dano ao patrimônio público e lesão corporal. Ele foi liberado após pagamento de fiança.

Renata e sua equipe de assessores foram ouvidos e liberados. O integrante que alegou ter sido agredido fez exame de corpo delito. Via Yahoo

||+destaques

Justiça determina que José de Abreu apague tuítes políticos

Painel Político:: - https://politico.painelpolitico.com

José de Abreu terá que apagar tuítes em que acusa PSDB de roubo

O ator José de Abreu, 73, terá que excluir do seu perfil oficial no Twitter postagens consideradas ofensivas ao PSDB, segundo decisão do desembargador José Carlos Ferreira Alves, da 2ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo). 

Nos tuítes, de dezembro de 2019, Abreu diz que o “PSDB rouba há mais de 30 anos e tudo bem”. Além disso, ele escreve que João Doria, governador de São Paulo tucano, é “podre também”. 

Segundo o magistrado, o ator “extrapolou os limites do razoável e da exposição da liberdade de manifestação de pensamento e opinião”. 

O desembargador diz que a liberdade de opinião “não pode ser exercida de forma irresponsável, sob pena de ocorrer o exercício arbitrário da justiça com as próprias mãos, o que é intolerável num estado democrático de direito”. 

Na decisão, Ferreira Alves escreve também que José de Abreu “acusa explicitamente” o PSDB de roubo, “o que configuraria crime de calúnia, sem sequer mencionar quais fatos ensejariam tal conclusão.”

A liminar para a exclusão dos tuítes acolhe recurso do PSDB contra decisão de primeira instância, que tinha negado o pedido do partido. 

O desembargador afirma que levou em conta para a decisão a relevância do perfil de José de Abreu, com “milhares de seguidores”. O ator tem no Twitter 428 mil seguidores.

A reportagem não conseguiu contato com José de Abreu até a conclusão deste texto.

+destaques

Bebianno diz que se filiou ao PSDB para evitar “ditadura bolsonarista”

Político – ::Painel Político:: - https://politico.painelpolitico.com

Ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência afirmou também que o Brasil é governado pelos filhos do presidente, Carlos e Eduardo Bolsonaro

O ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, anunciou que se filiará ao PSDB para evitar uma “ditadura bolsonarista” comandada pelos filhos do presidente, Carlos e Eduardo Bolsonaro.

Em entrevista ao Congresso em Foco , Bebianno elogiou o governador de São Paulo, João Doria e voltou a criticar a gestão de Jair Bolsonaro, que classificou como “irresponsável e desgovernada”. “Não quero uma ditadura bolsonarista para ser governado por Eduardo e Carlos Bolsonaro, deus me livre. Por isso aceitei esse convite [de filiação ao PSDB]”, afirmou. 

O ex-ministro afirma que o presidente deixou de lado todas as promessas de campanha para “favorecer os próprios filhos” e focar na reeleição em 2022. “Depois que ele chegou ao poder, os filhos Eduardo e Carlos grudaram de modo que não sobra espaço para nenhuma cabeça mais preparada, racional, ninguém mais, influenciar o presidente. O Brasil hoje é governado de fato por Carlos e Eduardo Bolsonaro “, opina. 

Na entrevista, Bebianno sugeriu ainda que o presidente afaste o assessor especial, Filipe Martins, e troque o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, além de cortar relações com Olavo de Carvalho. “Tem de ouvir pessoas normais. E não loucos. Ou ele muda radicalmente seu comportamento, afasta os filhos e passa a ouvir pessoas racionais e adultas, ou ele não vai terminar bem.”

“Por conta desse quadro muito preocupante, não vejo como ele possa chegar ao fim de maneira pacífica. Ou vai renunciar, dar uma de Jânio Quadros, ou vai sofrer impeachment ou ele próprio vai tentar ruptura institucional”, completou Bebianno. 

LEIA TAMBÉM

Dória perde feio e PSDB mantém Aécio na legenda

Político - https://politico.painelpolitico.com

Reunião do PSDB ocorreu em meio à pressão interna para saída do deputado. Prefeito de São Paulo, Bruno Covas, chegou a dizer em julho: ‘Ou eu ou Aécio Neves’; Doria disse que foi ‘erro’

A Executiva Nacional do PSDB decidiu nesta quarta-feira (21) arquivar dois pedidos de expulsão do partido do deputado federal Aécio Neves(MG).

Um dos pedidos foi apresentado pelo diretório do PSDB na cidade de São Paulo. O outro, pelo diretório do partido no estado de São Paulo. O prefeito da capital paulista, Bruno Covas, chegou a dizer em julho: “Ou eu ou Aécio Neves.”

A reunião aconteceu em meio ao aumento da pressão interna para que Aécio, réu por corrupção e obstrução de Justiça, fosse afastado do partido.

Ex-governador de Minas Gerais, ex-senador e ex-presidente do PSDB, Aécio é acusado de receber propina no valor de R$ 2 milhões do empresário Joesley Batista, do grupo J&F.

Aécio nega as acusações. O advogado do tucano, Alberto Zacharias Toron, sustenta que o deputado é vítima de ação criminosa de Joesley Batista.

A denúncia contra o tucano foi apresentada pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot. Em abril de 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu a denúncia, o que tornou Aécio réu.

Na época em que a denúncia foi aceita Aécio era senador, por isso o processo foi analisado pelo Supremo. Como ele foi eleito deputado federal no ano passado, o processo foi enviado à primeira instância, já que apura fatos que não têm relação com seu atual mandato.

Reunião

A executiva nacional do PSDB se reuniu em Brasília para votar o texto do deputado federal Celso Sabino (PR), relator dos pedidos de expulsão de Aécio.

O relatório de Sabino foi pela rejeição dos dois pedidos de expulsão. Aécio também estava presente à reunião.

Como foi a reunião

O partido informou que 35 pessoas participaram da reunião da Executiva Nacional. Dessas:

  • 30 votaram a favor do parecer de Celso Sabino, pelo arquivamento das representações contra Aécio;
  • 4 votaram contra o parecer e, portanto, a favor da abertura de processo de expulsão;
  • houve uma abstenção.

“O deputado federal Aécio Neves não tem nenhuma condenação sequer em primeira instância, os processos dele estão em fase de instrução na primeira instância. O nosso partido não tem porque contra qualquer filiado fazer um prejulgamento definindo por exemplo uma expulsão e amanhã ele ser absolvido”, disse o relator.

Assunto ‘encerrado’

O presidente do partido, deputado federal Bruno Araújo (PSDB-PE), disse que a decisão desta quarta encerra no partido os debates sobre a expulsão de Aécio. De acordo com ele, a executiva nacional não analisará novos pedidos de expulsão de Aécio se eles tiverem como base os mesmos fatos apresentados nos dois que foram rejeitados.

“O assunto Aécio Neves, em relação aos fatos apresentados, está encerrado. Mesmo que chegue qualquer nova representação, em relação a esses fatos conhecidos, tá arquivado”, afirmou Araújo.

Decisão ‘serena’

Aécio Neves disse ao final da reunião que o partido tomou uma “decisão serena, democrática”. Afirmou ainda que as denúncias de que é alvo serão todas esclarecidas.

“Essa decisão, da forma como foi tomada, com apenas quatro votos contrários [ao parecer], é uma demonstração de que o PSDB quer virar essa página”, disse Aécio.

Questionado se a decisão representava uma derrota do governador de São Paulo, João Ddria, Aécio negou. Doria se disse favorável ao afastamento de Aécio do partido.

“O governador Doria tem qualidades, obviamente que é um projeto ainda em construção, vai passar substancialmente pelo êxito da sua administração em São Paulo, pela qual todos nós torcemos. É hora de todos nós lambermos as feridas, olharmos pra frente”, completou o ex-governador mineiro.

‘Erro’

Após a decisão, o prefeito de São Bernardo do Campo (SP), Orlando Morando, disse que a permanência do ex-governador de Minas no partido é um “erro político”.

“Quero deixar claro o desconforto que é ter o Aécio Neves nos nosso quadros partidários”, disse Morando ao fim da reunião da executiva. “É um erro de avaliação política a permanência e o estrago que a imagem do Aécio causa ao partido”, completou.

Em uma rede social, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que o PSDB “escolheu o lado errado”. “Lamento a decisão da maioria dos membros da Executiva do PSDB que votou a favor da manutenção de Aécio Neves na legenda. Respeito a votação, mas ela não reflete o sentimento da opinião pública brasileira”, publicou.

Com G1

Maia e Doria dizem que PSDB e DEM estarão juntos em 2020 e 2022

Político - https://politico.painelpolitico.com

Maia e Doria afirmam parceria que será também base para apoiar a reeleição de Bruno Covas à prefeitura de São Paulo

O PSDB e o DEM devem se apoiar mutuamente tanto nas eleições municipais de 2020, como nas gerais de 2022, repetindo a parceria histórica. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), participou nesta terça-feira, 20, da apresentação do deputado Alexandre Frota à bancada do PSDB, com o governador de São Paulo, o tucano João Doria, e juntos deram o mesmo recado ao fim da reunião.

Ambas as legendas abriram as portas para Frota que foi expulso do PSL na semana passada, mas ele acabou indo para o PSDB. “O PSDB e o DEM estarão juntos em 2020 e em 2022”, afirmou o Maia, depois da apresentação de Frota. “Estamos cada vez mais próximos e mais fortes. E não tenha dúvida, o fim das coligações vai nos levar a necessidade de uma reorganização partidária onde o Brasil voltará a ter três, quatro, cinco partidos fortes e um desses será certamente uma forte possibilidade de termos o DEM e o PSDB como a mesma força e o mesmo partido de representação”, afirmou.

A afirmação de Maia foi reforçada por Doria na sequência que disse que a parceria será também base para apoiar a reeleição de Bruno Covas à prefeitura de São Paulo no próximo ano. “Nossa posição é muito clara em relação às eleições municipais na capital de São Paulo onde estaremos unidos em torno de Bruno Covas”, disse o governador paulista. “Vamos conciliar para agregar mais valor e ampliar nossa aliança, somar aquilo que acabou de mencionar Maia, o DEM e o PSDB estarão juntos. Posso assegurar nesta decisão em relação à capital e juntos venceremos as eleições e teremos a reeleição de Bruno Covas prefeito de São Paulo”, disse Doria.

Rio de Janeiro – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, durante coletiva após reunião com secretários de segurança pública (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Frota

Sobre Alexandre Frota, Doria elogiou e deu boas vindas ao deputado. O presidente do partido, Bruno Araújo, afirmou que o papel desempenhado por ele na vida pública foi uma surpresa. “Todos se surpreenderam com a postura de Frota desde que assumiu mandato”, disse o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (PSDB-SP). Maia também teceu elogios ao parlamentar e disse que ele irá “engrandecer bancada do PSDB” com protagonismo em todas as agendas de reforma.

Aécio

Em relação à situação do deputado Aécio Neves (PSDB-MG), o governador João Doria disse que o ex-candidato à Presidência da República tem todo direito de fazer sua ampla defesa, fora do partido. Depois do diretório municipal do PSDB, ontem foi a vez do diretório estadual tucano formalizar um pedido de expulsão de Aécio do partido.

Os pedidos serão levados ao Conselho de Ética da sigla. O diretório municipal de São Bernardo do Campo, sob a influência do grupo político do prefeito Orlando Morando, também formulou um pedido de expulsão do mineiro. “Como governador de São Paulo, a meu ver o deputado Aécio Neves tem todo o direito a formular sua defesa na plenitude, confiante na sua inocência e também na Justiça, mas pode fazê-lo fora do PSDB”, disse Doria.

Há o temor de que a permanência de Aécio no partido atrapalhe os planos eleitorais de Doria, para a Presidência em 2022, e de Bruno Covas, prefeito de São Paulo, que disputará a recondução ao cargo nas eleições do ano que vem. O presidente do partido, Bruno Araújo, disse que a análise dos pedidos de expulsão começa oficialmente amanhã. “Cabe a mim como presidente do partido presidir um processo com absoluta imparcialidade”, disse. “Amanhã o partido vai analisar em sua executiva a admissibilidade do processo, se vai seguir ou não para comissão de ética”, afirmou. Além dos pedidos que vieram de São Paulo, Araújo disse que também recebeu uma representação do Rio Grande do Sul.

Antes de deixar à Câmara dos Deputados em Brasília, Doria afirmou que é contra a volta do da CPMF.

[Coluna] – Estados vizinhos, Acre, Rondônia e Amazonas podem se fortalecer com parceria; só falta aprimorar

Politico - https://politico.painelpolitico.com

Estados tem problemas comuns e sofrem com a falta de investimentos; criação de zona especial pode ajudar, mas muito tem que ser discutido ainda

Zona especial

O governador do Amazonas quer criar uma frente para o desenvolvimento agrícola com Acre e Rondônia. O tema foi debatido durante a Expoacre, evento no qual estiveram presentes Marcos Rocha (RO), Wilson Lima (AM) e Gladson Cameli (AC). A proposta é construir uma “zona especial” e com isso, captar recursos em conjunto para essas regiões junto ao governo federal. Como argumento principal, estão a abertura para o Pacífico pela Rodovia Interoceânica, a conclusão da ponte sobre o rio Madeira, a retomada da pavimentação da BR-319 , o complexo hidroviário portuário do Alto Rio Madeira e a inclusão das três regiões no Bloco I do Plano Nacional de Retirada da Vacinação da Febre Aftosa para bovinos.

A proposta é boa

A região Norte, historicamente fica fora dos planos de Brasília. As coisas por aqui andam a passos de cágado, e mesmo assim um que tem apenas três patas. Os três estados possuem milhares de hectares de terras improdutivas, reservas minerais e naturais e mesmo assim, estão sempre de pires na mão. O Legislativo estadual poderia propor um evento, reunindo as três assembleias legislativas e as bancadas federais para debater as prioridades. As pautas comuns são saneamento, políticas públicas de saúde e geração de emprego.

Falando em Norte

Vocês perceberam que as lideranças do crime organizado no país, assim como suas respectivas organizações estão ficando cada vez maiores na região, né? Pois é, justo nos estados com maiores área de fronteira e menor poder de reação. Os agentes da lei nos estados de Rondônia, Acre e Amazonas trabalham no limite. Falar em políticas de isolamento dessas lideranças, fortalecimento das unidades de inteligência e melhora no arsenal e no sistema prisional, ninguém fala.

PSDB se arma

Os tucanos estão em polvorosa com o presidente Jair Bolsonaro. A enxurrada de besteiras que vem sendo ditas pelo mandatário estão ameaçando a aprovação das reformas. O Congresso é composto por forças de esquerda, direita e centro, e isso se chama democracia. O presidente falastrão precisa ser enquadrado e os tucanos estão se organizando neste sentido. Nesta terça-feira, a legenda divulgou nota repudiando falas do ministro Paulo Guedes (economia) que culpou a socialdemocracia pelo que ele chamou de “atraso do país”. Na nota, o PSDB lembrou que Jair Bolsonaro, junto com o PT, votou contra o Plano Real, “Enquanto o PSDB era chamado de ‘neoliberal’, o presidente Bolsonaro votava com o PT contra o Plano Real, contra a reforma da Previdência, por mais privilégios aos setores corporativos, e defendia ditadura”.

Claro que toda essa plumagem

Mira as eleições presidenciais de 2022. Com o atual cenário, é bem provável que Dória não tenha dificuldades em superar o atual presidente. Vai ser difícil ele conseguir a reeleição com base apenas nos impropérios que anda falando. Bom lembrar que Bolsonaro não conquista novos eleitores com seu festival de horrores, pelo contrário, só agrada aqueles mesmos que o elegeram. E em 2022 não vai ter Adélio nem PT, vai ser Bolsonaro contra Dória, talvez Caiado ou Maia e Ciro. 

Enquanto isso

“A repercussão mundial de eventos deste tipo prejudica o País de vários modos. Um efeito concreto: dificulta a cooperação internacional para a captura de foragidos.Ou seja, chacinas aqui impedem que o Brasil consiga a extradição de homicidas, estupradores, traficantes e corruptos. Um exemplo. Após ser condenado por corrupção e lavagem de dinheiro na AP 470, Henrique Pizzolato fugiu para a Itália. Uma das teses de defesa em Bolonha foi o desrespeito aos direitos humanos no sistema prisional brasileiro. Pedrinhas acabara de ocorrer (2013). Ele ganhou (2014)”. A observação é de Vladimir Aras, Membro do MPF e Professor de Ciências Criminais.

Novas evidências sobre o papel do óleo de peixe na prevenção de insuficiência cardíaca

Níveis plasmáticos elevados dos tipos de ácidos graxos encontrados no óleo de peixe foram associados a um risco mais baixo de reincidência de insuficiência cardíaca (IC) em longo prazo, com fração de ejeção reduzida ou preservada, em uma coorte ambulatorial com mais de 6.000 pessoas. Quanto maiores os níveis plasmáticos de ácido eicosapentaenoico (EPA), um ácido graxo poli-insaturado n-3 predominante (AGPI n-3, também chamado de AGPI ômega-3), menor o risco de ambas as formas de insuficiência cardíaca durante um acompanhamento médio de 13 anos. Observações independentes semelhantes foram feitas para os níveis plasmáticos de ácido docosaexaenoico (DHA, sigla do inglês, docosahexaenoic acid) e de EPA + DHA, sugerindo que o aumento dos níveis de AGPI n-3 em geral podem proporcionar benefícios cardiovasculares, observaram os autores do estudo, liderados pelo Dr. Robert C. Block, médico da University of Rochester School of Medicine and Dentistry, em Nova York.

PSDB divulga nota contra Guedes e endurece discurso contra Bolsonaro “votou contra Plano Real”

Politico - https://politico.painelpolitico.com

“Enquanto o PSDB era chamado de ‘neoliberal’, o presidente Bolsonaro votava com o PT contra o Plano Real, contra a reforma da Previdência, por mais privilégios aos setores corporativos, e defendia ditadura”

O PSDB divulgou nesta terça-feira (30) nota contra o ministro da Economia, Paulo Guedes. O texto é contra declarações do ministro de que 30 anos de socialdemocracia seriam responsáveis pelos problemas do país.

Um documento elaborado pela Secretaria de Desestatização do Ministério da Economia foi o fator catalisador para a reação dos tucanos.

De acordo com a apresentação elaborada pelo governo federal, a social democracia dos últimos 30 anos deixou 5,9 milhões de normas, delas 390.726 tributárias, fracos resultados no PIB (Produto Interno Bruto), dívida interna alta e baixa produtividade.

Dentro do partido, cresce o clima de insatisfação contra o governo de Jair Bolsonaro. A sensação dos tucanos é de que o presidente faz as declarações contra os direitos humanos sem se preocupar porque tem como garantido o apoio da sigla nas pautas econômicas do governo federal.

A legenda critica também o presidente Jair Bolsonaro e afirma que quando deputado votou contra o Plano Real.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante reunião com dirigentes da Frente Nacional de Prefeitos (FNP).

“Enquanto o PSDB era chamado de ‘neoliberal’, o presidente Bolsonaro votava com o PT contra o Plano Real, contra a reforma da Previdência, por mais privilégios aos setores corporativos, e defendia ditadura”, escreve o presidente do PSDB, Bruno Araújo.

O texto também ressalta a atuação de membros do partido na articulação política e econômica da reforma da Previdência:

“Hoje, os social democratas do PSDB estão à frente da principal medida do governo: a reforma da Previdência. Um texto conduzido pelo ex-deputado Rogério Marinho, aperfeiçoado na Câmara por Samuel Moreira e que será relatado no Senado por Tasso Jereissati”.

O inteiro teor da nota foi compartilhado nas redes sociais do PSDB.

Com Congresso em Foco

Paulo Vieira de Souza (Paulo Preto), operador financeiro ligado ao PSDB, é preso na Lava Jato

Politico - https://politico.painelpolitico.com

PF investiga pagamento de propina da Odebrecht para o ex-senador Aloysio Nunes Ferreira Filho. Endereços ligados ao ex-senador são alvo de mandados de busca e apreensão

Paulo Vieira de Souza, operador financeiro ligado ao PSDB, foi preso em São Paulo nesta terça-feira (19), na 60ª fase da Operação Lava Jato. Alvo de prisão preventiva, ele deve ficar preso na Superintendência da PF de São Paulo. Agentes também cumprem mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao ex-senador pelo PSDB Aloysio Nunes Ferreira Filho, suspeito de receber propina da Odebrecht.

Chamada “Ad Infinitum”, a 60ª fase da Lava Jato cumpre 12 mandados de busca e apreensão em São Paulo. Além dos mandados, foram bloqueados ativos financeiros dos investigados. A operação é feita com base em depoimentos de doleiros e funcionários da Odebrecht em fases anteriores da Lava Jato.

O advogado de Paulo Vieira de Souza, André Gehreim, informou ao G1que “não teve acesso a qualquer documentação” e não vai comentar. Paulo Vieira de Souza já foi indiciado em outras fases da Lava Jato. O G1tenta contato com assessores de Aloysio Nunes.

Ex-senador e ex-chanceler do governo Michel Temer, Aloysio foi nomeado pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para a presidência da Investe SP, agência de promoção de investimentos de São Paulo.

O que é investigado

Paulo Vieira de Souza é apontado como peça-chave na lavagem de milhões de reais em favor da Odebrecht. O dinheiro era repassado ao chamado Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht.

O esquema investigado operou entre 2010 e 2011, para que a empreiteira desse dinheiro a campanhas eleitoras e pagasse propina a agentes públicos e políticos no Brasil. Ao todo, Paulo Vieira de Souza disponibilizou R$ 100 milhões em espécie a Adir Assad, um dos operadores do esquema. Assad, por sua vez, repassava o dinheiro ao doleiro Álvaro Novis, que realizava os pagamentos a agentes públicos e políticos, a mando da Odebrecht.

A investigação aponta uma transação de 2007, quando a Odebrecht transferiu € 275.776,4 para a conta de Paulo Vieira de Souza. A transferência foi feita por intermédio da offshore Klienfeld Services Ltd. A apuração identificou que, no mês seguinte à transferência, foi emitido um cartão de crédito em nome de Aloysio Nunes Ferreira, vinculado à conta de Paulo Vieira de Souza. O banco foi orientado a entregar o cartão de crédito no Hotel Majestic Barcelona, na Espanha, onde o Nunes estava hospedado.

Paulo Preto é o operador do PSDB — Foto: Reprodução/TV Globo

A operação desta terça-feira aprofunda investigação de um esquema de lavagem de dinheiro de corrupção praticada pela Odebrecht. Gerentes e dirigentes da Petrobras receberam dinheiro em espécie da empreiteira, segundo o Ministério Público Federal.

Ad Infinitum

O nome da operação remete ao fato de o caso parecer tratar de mais uma repetição do modo de atuação de alguns integrantes da organização criminosa, remetendo a um ciclo criminoso que nunca termina.

Ao todo, 46 agentes da PF cumprem os mandados em dez locais, nas cidades de São Paulo, São José do Rio Preto, Guarujá e Ubatuba, todas em São Paulo. Os mandados foram expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba-PR. A operação é feita em cooperação com o Ministério Público Federal e a Receita Federal.

Do G1

PSDB usa imagens da cantora Selena Gomez e youtuber em painel de campanha eleitoral

Peça de tucanos traz o rosto da cantora norte-americana duas vezes, junto ao de outras pessoas. Entre elas, uma youtuber Brasileira. Partido diz que ”reconhece o erro cometido”

Um painel desenhado numa sala da sede do PSDB de Sergipe chamou a atenção de usuários do Twitter nesta segunda-feira (27). Em uma montagem fotográfica que une diversos rostos de pessoas dentro do mapa do estado, a imagem da cantora norte-americana Selena Gomez aparece duas vezes, como se ela fosse sergipana e apoiadora do partido.

Outra famosa que aparece no painel tucano é a youtuber Nátaly Néry, cujo rosto está estampado próximo ao da cantora. Pelo Twitter, ela foi avisada da participação inesperada na campanha do partido e comentou o fato: “Mano que raiva disso. Pelo menos Selena tá ai pra mostrar como esse povo tá muito louco”, disse.

Apesar da repercussão, a imagem não é nova. No dia 11 de agosto do ano passado, uma matéria publicada no site pessoal do senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) traz uma foto na qual é possível enxergar o mesmo painel ao fundo.

Ao Estado de Minas, a assessoria regional do PSDB em Sergipe afirmou que o painel com as famosas estava exposto “apenas na sede do Diretório Estadual do partido” e que “em momento algum foi utilizado como peça de campanha eleitoral”.

O partido explica, também, que contratou uma empresa que fez o painel e que “reconhece o erro cometido”. “O PSDB já retirou o painel e pede desculpas às pessoas que se sentiram ofendidas. Não houve má fé na utilização destas imagens”, conclui.

Fonte: diariodepernambuco

TRE põe inquérito contra Richa sob fiscalização da Justiça Eleitoral

O ex-governador do Paraná e pré-candidato ao Senado é investigado por supostos crimes no processo de licitação para duplicação da PR-323

O desembargador Luiz Fernando Wowk Penteado, do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), determinou, em caráter liminar, que a investigação sobre suposto repasse de R$ 2,5 milhões da Odebrecht ao ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) fique sob fiscalização da Justiça Eleitoral.

A decisão atende a um recurso do tucano contra a ordem da 177ª Zona Eleitoral da capital paranaense, responsável por devolver o inquérito ao juiz Sérgio Moro.

“Defiro o pedido liminar para o fim de determinar o prosseguimento da presente investigação policial sob fiscalização da 177ª Zona Eleitoral de Curitiba”, ordenou o desembargador.

A investigação apura se o pré-candidato ao Senado Beto Richa cometeu crimes no processo de licitação para duplicação da PR-323. O caso investiga suposto favorecimento à Odebrecht em troca de dinheiro para a campanha de reeleição do tucano ao governo, em 2014.

Em junho, o processo foi enviado à Justiça Eleitoral por Moro, por determinação da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), responsável por acolher pedido da defesa de Richa. O processo de investigação corria na Corte, mas foi para a primeira instância depois que o tucano renunciou ao cargo de governador, em abril, para disputar as eleições.

Ao remeter o inquérito, o juiz pediu para a Vara Eleitoral devolver “os autos oportunamente para o prosseguimento das investigações por crime de corrupção, lavagem e fraude à licitação”.

A juíza eleitoral Mayra Rocco Stainsack retornou o processo a Sérgio Moro na semana passada. No dia 26 de julho, o vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, manteve nas mãos do magistrado a investigação, negando uma reclamação do tucano contra a decisão de Mayra Rocco, da 117ª Vara Eleitoral do Paraná.

Após a decisão da magistrada, Beto Richa entrou com um recurso. O tucano alegou que “os delitos investigados pela Justiça Eleitoral e aqueles apurados pela Justiça Federal Comum são autônomos, não havendo, portanto, conexão entre eles”.

Ao Tribunal Regional Eleitoral, o tucano reclamou também de cerceamento de defesa “em virtude da ausência de acesso aos autos da investigação policial”. Segundo Beto Richa, a “competência para processamento do presente inquérito policial é exclusivamente da Justiça Eleitoral, na medida em que não há qualquer indício da prática de delito comum a ensejar a remessa dos autos para a Justiça Federal Comum”.

De acordo com o ex-governador, “a remessa da investigação para instância absolutamente incompetente eivará de nulidade a apuração dos fatos”.

Na decisão, o desembargador afirmou que “a possibilidade de lesão se faz presente e é evidente na medida em que se trata de investigação criminal em curso, na qual deve-se buscar a estrita observância das regras constitucionais e processuais”.

“Esclareço que o e. STJ, em sede de agravo regimental, acolheu o pedido de remessa do presente inquérito policial apenas para a Justiça Eleitoral de primeiro grau no estado do Paraná, consignando neste momento da investigação não existir, em tese, elementos objetivos de conexão entre os supostos crimes eleitorais cometidos pelo investigado e eventuais delitos de competência da Justiça Comum que justifiquem o encaminhamento destes autos também à 13ª Vara Federal de Curitiba, cabendo à Justiça Eleitoral dar, inicialmente, continuidade às investigações em curso”, afirmou Luiz Fernando Wowk Penteado.

“A concessão do presente efeito suspensivo não obsta, de nenhuma forma, que com o prosseguimento das investigações haja, futuramente, caso se demonstre necessário, o encaminhamento das investigações policiais também à Justiça Comum.”

Outro lado
A reportagem fez contato com a assessoria de Beto Richa, mas ainda não obteve retorno.

Fonte: O Estado de S. Paulo