Restaurante vende hambúrguer “Marielle Franco” e gera polêmica

Internautas acusam estabelecimento de Belo Horizonte de oportunismo por usar nome de Marielle

Um restaurante de Belo Horizonte, Minas Gerais, incluiu em seu cardápio um hambúrguer com o nome de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro, assassinada em 14 de março deste ano.

A escolha para o nome do lanche gerou revolta nas redes sociais, usuários comentaram que o restaurante foi oportunista e que usar o nome de Marielle em um produto não é uma homenagem.

Restaurante deu nome de Marielle Franco para hamburguer (Foto: Reprodução )

“Que falta de respeito e que vergonha enorme!!! Como empreendedora preta no ramo vegano eu lamento muito que vocês achem correto colocar nome de Marielle em lanche! Não é uma homenagem, não, é uma oportunidade de marketing! Reflitam bem no impacto negativo que estão gerando! Bem triste!”, escreveu uma pessoa na página do Facebook do estabelecimento.

Os comentários cobram responsabilidade e dizem que é falta de empatia com o caso Marielle por parte do restaurante. Outra usuária escreveu: “É sério esse cardápio? Que adianta ser vegano e não ter o mínimo de empatia pela dor humana? Ah deve ser mais um daqueles estabelecimentos que prática somente o veganismo oportunista né? Melhorem urgente!”.

Página do estabelecimento recebeu nota 1 e comentários criticando lanche com nome de Marielle (Foto: Reprodução / Facebook)

O restaurante oferece outros hambúrgueres com nomes de personalidades em seu cardápio, como a atriz Yasmin Brunet, a cantora Carmen Miranda e da ativista e defensora dos animais Luisa Mell.

Internautas acusam restaurante de oportunismo por usar nome de Marielle Franco (Foto: Reprodução )

Fonte: marieclaire

Explosão de bomba em restaurante deixa ao menos 15 feridos no Canadá

Ataque, que ainda não foi reivindicado, aconteceu em um estabelecimento indiano, em Ontario; entre os feridos, três pessoas estão em estado grave

Uma bomba foi detonada na noite dessa quinta-feira (24) em um restaurante do Canadá e deixou ao menos 15 pessoas feridas. Dois suspeitos de envolvimento no ataque estão sendo procurados pela polícia.

O incidente ocorreu na cidade de Mississauga, na província de Ontario, por volta das 22h30 locais, em um restaurante de culinária indiana chamado Bombay Bhel. Entre os feridos, há três em estado grave, de acordo com a mídia canadense.

Câmeras de segurança filmaram dois homens que entraram no restaurante com os rostos encobertos e fugiram logo após a explosão. O ataque, porém, não foi reivindicado até o momento. A perícia afirma que a bomba era de fabricação caseira e diz que está colhendo informações sobre o ataque.

Há cerca de um mês, um homem atropelou várias pessoas em Toronto, matando 10 e ferindo 15. O autor desse ataque era um homem ligado a um movimento de extrema-direita. O Canadá, por sua vez, evita em definir o ato como terrorismo.

Com informações da Agência Ansa.

Fonte: ig

Homens armados invadem restaurante do chef Henrique Fogaça em SP

O restaurante Cão Véio, que tem como sócios o chef Henrique Fogaça – jurado do reality show “Masterchef”, da Band – e o vocalista da banda CPM22, Badauí, foi invadido por dois assaltantes armados na madrugada desta sexta-feira, 15. Segundo a Polícia Militar, eles entraram por volta da 1h no ‘gastropub’, localizado na Avenida João Moura, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo.

Os funcionários, que estavam fechando o estabelecimento, foram presos em uma despensa. A polícia não soube informar se ainda havia clientes no pub. Tiros foram disparados, supostamente para assustar as pessoas no local.

Quando a PM chegou, acionada por testemunhas, os criminosos fugiram escalando telhados de casas vizinhas e se esconderam em uma vila próxima. Nenhum suspeito havia sido localizado até às 8h desta sexta-feira.

O 14º Distrito Policial (DP), de Pinheiros, iniciou a investigação. Até o momento, a polícia e os sócios dos estabelecimento não informaram se os bandidos conseguiram roubar dinheiro ou outros objetos. Não houve registro de feridos na ocorrência.

Prefeito italiano é expulso de restaurante por usar bermuda

Prefeito italiano é expulso de restaurante por usar bermuda

O prefeito de Viareggio, balneário turístico situado na região italiana da Toscana, foi “convidado a se retirar” de um restaurante na cidade por estar usando bermuda. O episódio ocorreu na noite da última terça-feira e foi divulgado pelo próprio chefe municipal, Giorgio Del Ghingaro, em um texto no Facebook no qual ele fala em uma experiência “um pouco humilhante” e “desagradável”.

“Nesta noite fui educadamente convidado a sair de um local. Uma experiência um pouco humilhante, confesso, mas parto do conceito de que tudo é cultural”, escreveu o prefeito, que postou uma foto de seu “look” e questionou: “Cá entre nós, estava vestido tão mal assim?”.

Segundo Del Ghingaro, ele estava em um restaurante com um casal de amigos para jantar e, como não estava num compromisso institucional, se sentiu livre para usar roupas casuais.

“Em determinado momento, se aproxima o garçom, envergonhado, e me comunica que, como não estava usando calças longas, não poderia estar ali”, contou o prefeito. “Explico a ele (atônito) que não sabia, explico o porquê de estar vestido assim, que eu também sou uma pessoa normal, com roupas normais. Depois de poucos minutos, ele volta e me pede gentilmente para sair, porque as regras daquele lugar são aquelas, ainda que não estivessem ilustradas na entrada. Se desculpa, mas diz que não pode fazer nada”.

Em seguida, Del Ghingaro se levantou, se despediu dos amigos e, “não sem vergonha”, saiu do restaurante.

“No fim das contas, jantei bem em outro lugar (muito bem), em ótima companhia, sem censura sobre as roupas, ainda que com a sensação ruim de ter sofrido uma pequena violência”, disse.

Com a repercussão do caso, o restaurante, que fica no Clube Náutico Versilia, se pronunciou nesta quarta-feira e lamentou o ocorrido, mas ressaltou que seu regulamento prevê um código de vestimenta que está explicado em dois cartazes. Uma das regras proíbe a entrada com bermuda após as 19h.

“Existe um regulamento ao qual é preciso estar atento. Lamento pelo acontecido e espero que haja uma ocasião para um esclarecimento com o prefeito, a quem pretendo dar uma carteirinha de sócio”, disse o conselheiro da secretaria do clube, Muzio Scacciati.

A polêmica aconteceu no mesmo dia em que a Prefeitura de Viareggio, que fica no litoral da província de Lucca e é famosa pelo seu carnaval, aprovou um pacote de medidas para garantir o decoro na cidade. Uma das normas proíbe moradores e turistas de andarem na rua com o torso nu e prevê multas de até 80 euros (R$ 300) para quem não obedecer a regra.

Fonte: oglobo.com

Consumidor encontra barata em prato de restaurante no DF

Consumidor encontra barata em prato de restaurante no DF

O que era para ser um almoço entre colegas de trabalho acabou em desconforto para um grupo de clientes do restaurante Carpe Diem, no Brasília Shopping, na última segunda-feira (24/7). Enquanto comiam, um dos participantes da mesa encontrou uma barata em um prato com legumes grelhados servido no restaurante.

“Foi um absurdo. Meu amigo já tinha comido metade do prato quando percebeu uma coisa estranha e viu a barata temperada no meio da comida. Ficou um clima de desconcerto na mesa”, afirma o jornalista Maurício Júnior, 39 anos, que estava com grupo que encontrou o inseto no prato.

De acordo com o jornalista, eles costumavam almoçar no local e, no dia do incidente, se serviram no bufê de saladas e pratos quentes oferecidos no restaurante. Tudo ia bem até que um amigo de Maurício encontrou o inseto durante a refeição.

O jornalista afirma que, após a descoberta da barata, o grupo tentou chamar o gerente, mas foi informado de que ele não estava no local. O chef do estabelecimento, então, teria pedido desculpas em nome do restaurante, recolhido o prato com a barata e substituído os legumes nos quais o inseto foi encontrado.

Segundo Maurício, no entanto, a partir desse momento o apetite foi embora: “Alguns dos meus amigos ainda conseguiram continuar comendo, inclusive o que encontrou a barata no prato. Mas eu não tive condições. Pedi para que eles, no mínimo, retirassem o valor da minha refeição da conta. Não pretendo mais frequentar o local. Até porque também senti um clima de deboche dos atendentes diante do caso”, conta.

Indignado com a situação, Maurício Júnior tirou fotos do inseto e publicou nas mídias sociais. “De que adianta a desculpa de um ‘chef’ diante de uma barata no prato?”, questiona na legenda da publicação. O jornalista também entrou em contato com os responsáveis pelo restaurante e fez uma denúncia na Divisão de Vigilância Sanitária do DF.

Acionado pelo Metrópoles, o proprietário do restaurante Carpe Diem, Fernando La Rocque, classificou o episódio de um “acidente horroroso” e disse que nos 26 anos de funcionamento da casa na capital nada do tipo jamais havia ocorrido. O empresário afirma ainda que o problema foi causado pelo Brasília Shopping, que não teria realizado a dedetização na cozinha do restaurante há algumas semanas.

“Já havíamos enviado diversas solicitações pedindo aos responsáveis pelo shopping que fizessem a desinfestação, mas nenhuma medida foi tomada. Também não podíamos passar por cima deles e contratar uma empresa para o serviço por nós mesmos, porque essa responsabilidade é do shopping”, afirma La Rocque. A reportagem também teve acesso a e-mails que mostram pedidos de dedetização feitos à direção do shopping:

REPRODUÇÃO

Por fim, o empresário afirma: “Não queremos culpar terceiros, mas temos responsabilidades e cumprimos todas normas de boa fabricação de alimentos, armazenamento e conservação, tendo inclusive recebido o Selo A de certificação sanitária. Estávamos preocupados com o problema e tanto é verdade que solicitamos por diversas vezes providências do shopping que não nos escutou”.

Em nota, o Brasília Shopping afirmou que realiza dedetizações quinzenais no prédio e que “o lojista, responsável pela área interna de seu restaurante, tem total autonomia para realizar a desinsetização sempre e quando necessário”. Confira a nota do shopping na íntegra:

O Brasília Shopping esclarece que possui contrato em vigência com empresas de dedetização, controle sanitário e de boas práticas de manuseio e conservação de alimentos. Estes serviços são prestados regularmente em todas as suas dependências. O serviço de controle de pragas e insetos é realizado quinzenalmente e obrigatoriamente acompanhado pelos gerentes de cada estabelecimento. Além do protocolo a cada quinze dias, todas as vezes que solicitada pelo lojista, a dedetização é feita no interior da loja, em caráter preventivo.

O Brasília Shopping esclarece ainda que o lojista, responsável pela área interna de seu restaurante, tem total autonomia para realizar a desinsetização sempre e quando necessário. Em tempo, é dever da equipe contratada por ele fazer a adequada higienização das caixas ou sacas de insumos que chegam diariamente e são usados no preparo dos pratos. O lojista também é responsável por cuidar de pontos vulneráveis que possam vir a oferecer risco, como janelas, tomadas e qualquer outro item frágil e suscetível a entrada de insetos.

Fonte: metropoles.com

Procon-SP constata irregularidades na cozinha de 13 restaurantes; 7 mantinham produtos vencidos

Procon-SP constata irregularidades na cozinha de 13 restaurantes; 7 mantinham produtos vencidos

A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor do Estado de São Paulo (Procon-SP) constatou irregularidades na cozinha de 13 restaurantes de São Paulo durante operação de fiscalização realizada entre 8 e 13 de junho. O resultado do relatório foi divulgado nesta quinta-feira, 15, e antecipado pela Folha de S. Paulo. Em sete estabelecimentos, as equipes encontraram produtos vencidos. Após o período de defesa, e caso se confirme a irregularidade, os estabelecimentos poderão ser autuados com multas que vão de R$ 600 a R$ 9 milhões, a depender da gravidade e do faturamento do restaurante.

A operação foi denominada Cupido em referência ao Dia dos Namorados, que ocorreu na última segunda-feira, 12. Ao todo, 23 restaurantes passaram por fiscalização; em sete, foram identificados produtos fora da data de validade, entre eles o Amadeus,  o Jardim de Napoli, o Outback (Moema), o Eataly e a Pizzaria Dona Firmina.

Segundo relatório divulgado pela fundação, no Amadeus foram encontrados vencidos temperos, gelatina, shoyo, saladinha de polvo e molho de tomate; no Jardim Napoli, massas de fabricação própria e molho de tomate; no Eataly, 12,8 quilos de massa, 4 kg de farinha de milho, fermento em pó, 130 kg de creme de cacau e 40 kg de chocolate; e na pizzaria Dona Firmina, ovos de codorna e suspiro.

O supervisor de fiscalização do Procon, Bruno Teleze Stroebel, disse ao Estado que a operação ocorreu a partir de denúncias de consumidores e da própria fiscalização de ofício do órgão. “O porcentual de irregularidade encontrado nos chamou a atenção. O que geralmente fica em torno de 30% dos estabelecimentos fiscalizados, agora foi de 80%”, disse. “O produto vencido na cozinha representa um risco à saúde dos consumidores”, completou.

Segundo ele, a fundação se preocupou em indagar os restaurantes se havia uma área específica destinada a descarte de produtos na iminência do vencimento e evitou atuar nesse local para não comprometer o trabalho. “Então, o que foi encontrado estava pronto para ser usado de alguma maneira”, disse Stroebel.

Além do problema com os produtos vencidos, outros seis restaurantes mantinham na cozinha produto aberto sem informação da data de abertura, infringindo determinação da vigilância sanitária, entre eles Coco Bambu, Família Mancini, Rubayat Faria Lima, Rodeio e Vento Haragano. Outros dois, além do problema com a validade, também foram flagrados quanto a essa irregularidade: Jardim de Napoli e Pizzaria Dona Firmina.

“Aqui, o problema é não sabermos a data em que o produto foi aberto, já que há prazos específicos de determinados produtos para uso após a abertura, como leite”, disse o supervisor de fiscalização. O Procon acrescentou que seis estabelecimentos não mantinham afixado na entrada a relação de preços.

Após recebimento do auto de constatação, as empresas terão 15 dias para apresentar defesa. Se o Procon entender que mesmo assim deverá ser aplicada a multa, emitirá aos estabelecimentos o auto de infração com o valor estipulado e o prazo para pagamento, podendo a partir dessa etapa considerar os locais como autuados. “O valor leva em consideração a gravidade da irregularidade – por exemplo, produto vencido é mais grave do que a falta de preço na entrada – e há um cálculo a partir do faturamento total dos estabelecimentos. A conta é feita pelo sistema do Procon”, disse Stroebel.

Reação. Ao Estado, a proprietária do restaurante Amadeus, Bela Masano, contestou o resultado da fiscalização. “Estou aqui há 15 anos e nunca recebi uma autuação desse gêneros. Sabemos que não somos perfeitos, que há falhas, que tudo deveria estar etiquetado, mas uma coisa muito distinta é dizer que servíamos comida imprópria para consumo. Era uma comida que daria para o meu filho, sem dúvidas”, disse.

“Posso falar com muita segurança que zelamos pelo que servimos. A fiscalização coloca em jogo todo o cuidado e carinho que temos”, completou. Ela se disse “entristecida” com a operação. “Como cidadã, me entristece ver o meu dinheiro aplicado nisso, sabendo que há outros problemas mais graves para serem tratados”.

O Outback informou por nota que prestará os devidos esclarecimentos ao Procon “em relação à duas unidades de produto identificadas pelo órgão em fiscalização realizada em uma das unidades da rede, e reitera seu compromisso com a segurança alimentar e a higiene de seus produtos em suas operações”.

Na Pizzaria Dona Firmina, não foi apresentada resposta aos questionamentos realizados. O Coco Bambu não havia apresentado posicionamento até o horário de fechamento desta matéria.

A gerência do Rodeios da unidade Jardins informou que o Procon orientou os funcionários a indicarem a data em que os produtos foram abertos, e que o restaurante vai se adequar à medida. O dono da Família Mancini, Walter Mancini, afirmou que o restaurante não foi autuado, apenas orientado a informar nos produtos a data em que foram abertos, e que não foram encontrados produtos vencidos no estabelecimento. “A fiscalização é muito importante e nós vamos nos adequar ao que o Procon pediu”, disse.

“Temos um controle rigoroso, vamos reforçar nosso treinamento semestral dos funcionários e vai ser feita uma vistoria para que o restaurante se adeque ao que pediu o Procon”, disse a responsável técnica do Vento Haragano, Sonia Gatti Marins.

O proprietário do grupo Rubayat, Belarmino Iglesias Filho, disse que os produtos encontrados estavam sendo manipulados – um açúcar glace, um creme de leite e um pó colorante. Segundo Belarmino, eles tinham acabado de ser abertos. “Assim que são armazenados, os produtos tem que ser etiquetados, mas estes estavam em manipulação”.

Em nota, o Eataly disse ter “o compromisso de oferecer produtos de alta qualidade aos clientes e, para isso, temos minuciosos processos internos de treinamento, fiscalização e procedimentos aos nossos 450 funcionários”. Segundo o comunicado, os 130 kg de creme de avelã estavam dentro do restaurante La Pasta “e estava em processo para destruição”. “Por uma falha humana, esses produtos não estavam com a sinalização correta, indicando que esse procedimento seria realizado e, por isso, foram detectados durante a fiscalização do Procon-SP.”

Fonte: O Estado de S. Paulo

Incêndio em restaurante deixa feridos no Rio de Janeiro

Incêndio em restaurante deixa feridos no Rio de Janeiro

Uma explosão seguida de um incêndio deixou feridos no restaurante Kiosque do Alemão, na altura do KM 284 da BR-101, no bairro de Duques, em Itaboraí (Rio de Janeiro), na manhã desta sexta-feira (5).

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), um idoso ficou ferido em estado grave e foi encaminhado para um hospital em Rio Bonito. Ele foi identificado como Haroldo F. Alves, de 63 anos.

Um caminhão-pipa foi enviado para o local para tentar conter as chamas e agentes dos bombeiros e polícia estão local. Ainda não há informações sobre quantidade de feridos nem sobre a gravidade dos ferimentos.

O jornal “O Globo” informou que uma funcionária do estabelecimento disse que o fogo começou por volta das 10h, após uma explosão na cozinha do estabelecimento. “Há muita gente ferida. Pessoas muito queimadas. Várias ambulâncias estão fazendo o socorro, mas ainda não sabemos quantas pessoas se machucaram”, disse ela, que não quis ter o nome divulgado.

Nas redes sociais, vídeos registraram o local e o trabalho para apagar o fogo:

Motorista invade restaurante e abandona mulher acidentada, em SP

Motorista invade restaurante e abandona mulher acidentada, em SP

Equipe da GCM que passava pelo local encaminhou a vítima para hospital; homem disse que estava fugindo em alta velocidade de viatura da Polícia Civil

Um homem perdeu o controle do veículo Corsa que dirigia e invadiu um restaurante em São Caetano do Sul, cidade do ABC paulista, no início da madrugada desta quinta-feira. Ele saiu do carro correndo e deixou uma mulher ferida, em estado grave, no banco do passageiro.

Uma equipe da Guarda Civil Municipal (GCM) que passava pelo local acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que levou a vítima para o Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André (SP). Ela sofreu fratura na cabeça e perdeu grande quantidade de sangue e massa encefálica, segundo a GCM.

O restaurante Sete Mares, na rua Estrada das Lágrimas, teve a fachada de vidro e móveis destruídos pelo impacto do veículo. O motorista foi detido por uma equipe das Rondas Ostensivas Municipais (Romu) na divisa entre São Caetano e São Bernardo do Campo (SP).

O homem, ainda não identificado, relatou aos policiais que estava fugindo em alta velocidade de uma viatura da Polícia Civil que o perseguia. Ele afirmou já ter passado pelo sistema prisional por crime de tráfico de drogas e acreditava que seria morto pelos agentes. Com fraturas leves nas pernas, foi encaminhado a um pronto-socorro e deve ser liberado após o registro policial de crime de trânsito.

Fonte: veja.com

Atiradores matam cinco pessoas em Chicago, nos Estados Unidos

Atiradores matam cinco pessoas em Chicago, nos Estados Unidos

Segundo a polícia, um homem armado entrou no restaurante disparando contra clientes, por volta das 16h desta quinta-feira (30/3).

Tiroteios em dois locais próximos na zona sul de Chicago, nos Estados Unidos, deixaram cinco pessoas mortas na tarde desta quinta-feira (30/3). Quatro americanos foram encontrados sem vida no entorno de um restaurante e o corpo de uma mulher grávida foi localizado a menos de 2 km de distância do local.

Segundo a polícia, um homem armado entrou no restaurante atirando contra clientes, por volta das 16h no horário local (18h em Brasília). Dois jovens foram encontrados mortos dentro do estabelecimento e outras duas vítimas fatais estavam do lado de fora.

Três delas já foram identificadas: os irmãos Raheem e Dillon Jackson, de 19 e 20 anos, e Emmanuel Stokes, de 28. Mais cedo, Patrice L. Calvin, de 26 anos, foi encontrada morta a poucas quadras do local, com um tiro na cabeça. Ela estava grávida de quatro meses.

Fontes da polícia local informaram à agência EFE que as mortes foram uma represália de uma gangue pelo assassinato de um homem de 37 anos, no dia anterior, na mesma região do South Shore de Chicago. Ninguém foi preso até o momento.

Fonte: metrópoles.com

PM apreende 400 Kg de carne podre da Venezuela que seria consumida em churrascaria de Boa Vista (RR)

PM apreende 400 Kg de carne podre da Venezuela que seria consumida em churrascaria de Boa Vista

Alimento, apreendido em Pacaraima, foi incinerado nesta quinta-feira (30).

A polícia Militar apreendeu 400 quilos de carne da Venezuela durante fiscalização em Pacaraima, ao Norte de Roraima, cidade de fronteira com o país vizinho. O alimento foi incinerado nesta quinta-feira (30).
De acordo com o tenente Marques, da PM, o produto estava estragado e seria utilizado em uma pizzaria e churrascaria de Boa Vista. A abordagem ocorreu na barreira da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz).
A carne, segundo Marques, estava armazenada em sacos plástico dentro do carro conduzido pela proprietária do estabelecimento. Ela foi parada na noite dessa quarta (29) na operação da PM, que ocorre em Pacaraima.
“Ela ainda tentou convencer os policiais para não ter a carne a apreendida. Mas, a nossa equipe recolheu os 400 quilos de carne. Parte do alimento estava em decomposição, já azul, e seria fornecido em uma churrascaria e pizzaria onde frequenta pessoas da ‘alta classe’ da capital”, declara o tenente.
Ele disse que após a apreensão da carne, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) foi acionado.
“Esse é o órgão competente quando recolhemos alimentos considerados nocivos à saúde. Os técnicos queimaram toda a carne”, diz o policial.
A proprietária da carne prestou esclarecimentos na sede do Mapa e foi liberada. O carro dela não foi recolhido.
“Nossa operação é constante. Estamos quase que diariamente tirando de circulação produtos ilegais provenientes da Venezuela, como remédios e alimentos”, afirma o tenente.
Fonte: G1/rr