Presidente do Paraguai se reúne com Temer no Palácio do Planalto

Segundo o MRE, a reunião trata da agenda de integração bilateral e de assuntos de interesse comum nos planos regional e internacional

O presidente eleito do Paraguai, Mario Abdo Benítez, chegou no início da tarde desta segunda-feira (11/6) ao Palácio do Planalto para participar de uma audiência com o presidente Michel Temer. Candidato do partido Colorado, Benítez foi eleito no final do mês de abril e assumirá o poder em 15 de agosto. Após a vitória nas urnas, Temer o convidou para vir ao Brasil em visita oficial.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério de Relações Exteriores, “o encontro entre o senhor presidente da República e o presidente eleito do Paraguai constituirá oportunidade para tratar dos temas da ampla agenda de integração bilateral, bem como de assuntos de interesse comum nos planos regional e internacional”.

“O Brasil será o primeiro destino internacional do presidente eleito do Paraguai, em reconhecimento da importância e do momento auspicioso das relações entre os dois países. A visita do presidente eleito Mario Abdo Benítez reforça a natureza prioritária do relacionamento entre Brasil e Paraguai para a construção de um espaço de integração, segurança e desenvolvimento na região e para a consecução dos objetivos de desenvolvimento nacional de ambos os países”, diz a nota.

Graduado em marketing nos Estados Unidos, o filho de um dos homens fortes da ditadura de Alfredo Stroessner (1954-1989), Marito – como é conhecido para ser diferenciado do pai, Mario Abdo Benítez, morto em 2013 – herda um país em pleno crescimento econômico, mas com desafios nas áreas sociais e políticas.

Para 2018 o FMI projeta um salto econômico no país de 4,5%. Por outro lado, 26,4% da população vive na pobreza e 4,5%, na miséria.

Agenda
Mais cedo, o presidente Michel Temer participou da Cerimônia do 153º Aniversário da Batalha Naval do Riachuelo, no Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília. Na ocasião, lembrou que a data “evoca um dos mais importantes episódios da história brasileira” e elogiou a atuação da Marinha nas missões de Garantia de Lei e da Ordem (GLO).

Também estiveram presentes no evento o ministro da Defesa, General Silva e Luna, e o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann.

Fonte: metropoles

Temer faz reunião para rediscutir decreto sobre Forças Armadas

Advogado de Temer diz que ‘não vê problema’ em viagem no jatinho

O presidente Michel Temer (PMDB) reúne-se na manhã desta quinta-feira com quatro ministros para avaliar se anula ou não o decreto que convocou as Forças Armadas na véspera para garantir a ordem na Esplanada dos Ministérios – depois que a manifestação contra o governo e as reformas trabalhista e da Previdência ganhou cenas de violência, quebradeira e enfrentamento entre manifestantes e policiais.

O presidente e o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, ficaram tratando do assunto até o fim da noite de quarta-feira. Temer saiu do Palácio do Planalto às 23h.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS), escalado na quarta por Temer para anunciar a convocação dos militares, não consta na lista dos ministros que estará na reunião desta quinta. Além do GSI, o encontro contará com a presença dos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo).

Nessa reunião, com os titulares das pastas que cuidam da articulação política, pode ser tomada a decisão de revogar a medida, mas não há consenso. O governo argumenta que alguns ministérios estão vulneráveis por conta de depredações e por isso não revogou a medida ainda na quarta. Os prédios ficaram abertos e sem segurança, fazendo o executivo temer saques – o que justificaria a permanência das Forças Armadas na vigilância

O polêmico decreto, que prevê o emprego dos militares no Distrito Federal até o dia 31 de maio, provocou reações imediatas no Congresso Nacional. O Palácio do Planalto pediu que os ministérios compilassem e reunissem imagens das câmeras de segurança mostrando os estragos para ajudar a defender a decisão de invocação das tropas militares. Essas imagens podem servir também para identificar e enquadrar criminalmente as pessoas responsáveis pela depredação.

O Planalto alegou que recorreu ao Exército e à Marinha porque a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) não conseguiu controlar os manifestantes e conter o que considerou uma “barbárie”. Na Câmara, o anúncio de que as Forças Armadas tinham sido chamadas provocou bate-boca entre deputados e a sessão foi suspensa por 30 minutos. Opositores classificaram a medida como uma espécie de formalização do “estado de exceção”.

‘Grande Acerto’

Em entrevista à Rádio CBN, o ministro Raul Jungmann afirmou que foi um “grande acerto” a convocação dos militares para conter a manifestação. Ele reconhece a possibilidade de que o decreto seja revogado ainda nesta quinta-feira. “Se o comandante da área, general Ferreira Gomes, informar que estamos em tranquilidade, que não existe nenhum foco de resistência, que não existe possibilidade de retornar ao clima anterior, obviamente daremos a sugestão ao presidente que seja revogada”, afirmou o ministro.

Segundo o ministro, a situação na Esplanada era “uma perda de controle progressiva”, defendendo a decisão. “Tínhamos incêndios em prédios de ministérios, servidores apavorados e encurralados dentro desses prédios, e tínhamos uma situação que estava fugindo do controle, não sei onde ia parar”, afirmou. Questionado se a PMDF estava preparada para conter os manifestantes, o ministro afirmou que a PM “fez o seu trabalho”, mas disse acreditar que “ela não conseguiu dar conta da violência e da quantidade de manifestantes violentos que lá estiveram”.

Fonte: veja.com

Temer convoca reunião de emergência para discutir “Carne Fraca”

Planalto deseja que reforma da Previdência vá ao Plenário nas próximas semanas

Deverá anunciar medidas de esclarecimentos para o consumidor interno e para os importadores da carne brasileira.

O presidente Michel Temer convocou uma reunião de emergência para amanhã no Alvorada, a fim de dicutir a ameaça de grave crise na balança comercial brasileira, decorrente da operação ” Carne Fraca”. Deverá anunciar medidas de esclarecimentos para o consumidor interno e para os importadores da carne brasileira.

Foram convocados vários ministros e técnicos do ministério da Agricultura. Temer disse estar preocupado com as explorações do fato, que podem atingir profundamente o Brasil como o maior produtor de proteína do mundo.

Fonte: blog do moreno / oglobo.com

Bancada federal reúne nesta terça em Brasília

Deputados e senadores de Rondônia devem discutir emendas para o Estado

Brasília – A bancada federal rondoniense (oito deputados e três senadores) deve se reunir na tarde desta terça-feira, 18, em Brasília para discutir o envio de emendas para o Estado.

Na última reunião ficou acordado que apenas as destinações que haviam sido combinadas serão atendidas, não serão aceitas alterações de última hora para não atrasar os processos já em andamento.

O governador Confúcio Moura deve estar presente à reunião.