Curta filmado em Ariquemes e Porto Velho estréia em fevereiro

O cinema de Rondônia está prestes a ganhar mais uma obra. Um obra completamente regional que explicitará nas telas de todo o pais, locais icônicos e turísticos de Porto Velho e Ariquemes. Toda a equipe é local.

O curta metragem Ana foi o único do região Norte a vencer o edital da Secretária do Audiovisual 2017, à época 1045 projetos foram inscritos por proponentes de todo o país, 45 foram selecionados.

Para a execução do filme, além do aporte da SAV, várias pessoas e instituições abraçaram o projeto.

Profissionais como produtores, técnicos de som, assistentes e outros estão doando o trabalho pelo amor à arte do cinema. Outra parceira do projeto é a SEJUCEL que contribuiu com a logística e locomoção da equipe pelas locações de filmagens.

O enredo do filme é sobre Ana, uma mulher anã que é bem resolvida com sua altura, que não se vitimiza nem aceita ser subestimada. Ana vai dissuadir um rapaz mais jovem da ideia de se suicidar e ele se apaixonará por ela.

De acordo com o diretor esse é um filme que pretende levar reflexão e encantamento às telas do cinema, e assim como outras produções recentes realizadas em Rondônia, quer que a obra agregue e aqueça o cenário do audiovisual rondoniense.

O lançamento do filme será realizado em parceira com o CineSesc no dia 22 de fevereiro no Audicine do Sesc Esplanada em Porto Velho, na oportunidade haverá uma roda de conversa sobre produção audiovisual no estado com a participação do elenco e parte da produção do curta metragem Ana.

Cena do curta “Ana”

Pagamento dos servidores estaduais é antecipado para esta terça-feira em RO

De acordo com a Secretaria de Estado de Finanças (Sefin) a dívida do Beron, que causou instabilidade financeira nas contas do estado, já foi estabilizada e a saúde financeira do estado está controlada.

A exemplo do mês passado, o governo do Estado irá antecipar o pagamento dos servidores públicos estaduais do mês de setembro. O salário dos servidores, previsto para o próximo dia 28, estará na conta nesta terça-feira (18). O pagamento injetará cerca de R$ 200 milhões na economia de Rondônia.

De acordo com a Secretaria de Estado de Finanças (Sefin) a dívida do Beron, que causou instabilidade financeira nas contas do estado, já foi estabilizada e a saúde financeira do estado está controlada.

Na quinta-feira (13) o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, determinou na Ação Cautelar (AC) 3637, o parcelamento em 24 vezes dos valores nos quais o estado de Rondônia obteve, por liminar, a suspensão do pagamento desde 2016. A soma que a União cobrava era superior a R$ 126 milhões e deveria ser quitada em parcela única.

Além do parcelamento do valor da dívida, o Supremo Tribunal de Justiça mandou a União devolver mais de R$ 45 milhões que já tinham sido retidos para quitação do valor em aberto.

Rondônia é um dos poucos estados do Brasil que manteve o pagamento dos servidores em dia e as contas no azul mesmo diante da severa crise econômica instalada no país.

Fonte: tudorondonia

Estado de Rondônia atinge a marca de 1,7 milhão de habitantes, diz IBGE

Porto Velho é município mais populoso do estado e Pimenteiras do Oeste tem menor índice de habitantes. Confira a lista com a quantidade de moradores nos 52 municípios.

A população rondoniense foi estimada em 1.757.589, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (29), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Diário Oficial da União. No Brasil a população total alcançou o número de 208,5 milhões.

Em comparação ao último Censo divulgado pelo IBGE em 2010, quando havia 1.562.409 moradores em Rondônia, o número de habitantes cresceu 12,49%.

Se comparado com 2017, quando o levantamento de habitantes no estado apontou uma estimativa de 1.805.788 pessoas, houve uma diminuição de 2,66% da população de Rondônia.

A capital Porto Velho continua sendo apontado como o município mais populoso, com 519.531 pessoas. Em 2017, a estimativa era de 519.436, portanto na capital houve um aumento de 95 pessoas em um ano.

Em oito anos, a população da capital aumentou 21,23%, quando haviam 428.527 moradores.

Já a estimativa de menor índice populacional, em 2018, é de Pimenteiras do Oeste (RO), com 2.191 habitantes. O município tinha 2.410, estimados, no ano anterior. Em 2010 a cidade possuía 2.315 pessoas, segundo o Censo.

Confira a quantidade populacional nos 52 municípios do estado:

População em Rondônia

Municípios População
1 Alta Floresta D’Oeste 23.167
2 Alto Alegre dos Parecis 13.227
3 Alto Paraíso 20.999
4 Alvorada D’Oeste 14.722
5 Ariquemes 106.168
6 Buritis 38.937
7 Cabixi 5.438
8 Cacaulândia 6.190
9 Cacoal 84.813
10 Campo Novo de Rondônia 14.009
11 Candeias do Jamari 25.983
12 Castanheiras 3 . 11 9
13 Cerejeiras 16.444
14 Chupinguaia 10.886
15 Colorado do Oeste 16.227
16 Corumbiara 7.567
17 Costa Marques 17.855
18 Cujubim 24.226
19 Espigão D’Oeste 32.047
20 Governador Jorge Teixeira 8.095
21 Guajará-Mirim 45.783
22 Itapuã do Oeste 10.272
23 Jaru 51.933
24 Ji-Paraná 127.907
25 Machadinho D’Oeste 39.097
26 Ministro Andreazza 9.762
27 Mirante da Serra 11 . 0 8 0
28 Monte Negro 15.695
29 Nova Brasilândia D’Oeste 20.459
30 Nova Mamoré 29.757
31 Nova União 7.047
32 Novo Horizonte do Oeste 8.751
33 Ouro Preto do Oeste 36.340
34 Parecis 5.947
35 Pimenta Bueno 36.434
36 Pimenteiras do Oeste 2.191
37 Porto Velho 519.531
38 Presidente Médici 19.409
39 Primavera de Rondônia 2.939
40 Rio Crespo 3.723
41 Rolim de Moura 54.702
42 Santa Luzia D’Oeste 6.781
43 São Felipe D’Oeste 5.280
44 São Francisco do Guaporé 19.842
45 São Miguel do Guaporé 22.931
46 Seringueiras 11 . 8 6 0
47 Te i x e i r ó p o l i s 4.384
48 Theobroma 10.494
49 Urupá 11 . 6 6 5
50 Vale do Anari 11 . 0 2 8
51 Vale do Paraíso 6.998
52 Vi l h e n a 97.448
Fonte: g1

Sipam prevê nova frente fria em Rondônia neste final de semana

A previsão para todas as regiões Rondonienses é de um dia de céu nublado a parcialmente nublado, com pouco sol e sem previsão de chuva

A Divisão de Meteorologia do Sistema de Proteção da Amazônia informa que a instabilidade aumenta e o tempo muda neste fim de semana com a chegada de uma frente fria em Rondônia. Esta frente fria traz mais um evento de friagem a Rondônia, que será de intensidade moderada, o que garantirá um final de semana menos quente, amenizando o típico calor da região.

Para o sábado, a previsão é de um dia de céu nublado a encoberto em todas as áreas, com sol aparecendo sempre entre muitas nuvens. No Vale do Guaporé, na região da Zona da Mata e no Sul do Estado pode chover a qualquer hora do dia. Já na Capital e nas demais regiões do Estado há previsão de pancadas de chuva com trovoadas a partir da tarde.

No domingo a friagem continua em todo o Estado. A previsão para todas as regiões Rondonienses é de um dia de céu nublado a parcialmente nublado, com pouco sol e sem previsão de chuva. As temperaturas seguem amenas em todo o Estado.

Fonte: rondoniagora

Terremoto no Peru é sentido por moradores em Rondônia

Moradores relataram tremor pelas redes sociais em Porto Velho. Terremoto no Peru foi de 7,1 de magnitude.

O terremoto registrado no Peru nesta sexta-feira (24), de 7,1 de magnitude, foi sentido por moradores de Rondônia. Nas redes sociais, moradores relataram o susto ao acordar de madrugada com o tremor em casas e apartamentos.

Segundo a Defesa Civil de Porto Velho, o tremor de terra na capital chegou a menos de 2,0 de magnitude, o que não compromete a estrutura de prédios. Nenhum chamado de estrago foi feito para a Defesa Civil.

Terremoto no Peru

O terremoto no Peru foi registrado a 609, 5 km de profundidade e a 250 km da cidade de Puerto Maldonado, perto da fronteira do Brasil, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).

Rio Branco, no Acre, também sentiu o tremor de terra nesta sexta-feira.

Segundo tremor em Rondônia

Na última terça-feira (21), o terremoto de 7,3 de magnitude na Venezuela foi sentido também em Rondônia. Na ocasião, a Defesa Civil de Rondônia foi acionada para verificar a estrutura de prédios, pois o tremor foi mais forte.

Fonte: g1

Primos são condenados por matar e ocultar corpo de jovem após ‘teste de fidelidade’, em RO

MP recorre da decisão que absolveu ex-namorado acusado de matar adolescente em 'teste de fidelidade' em RO

Ismael da Silva foi condenado a um ano de reclusão por ocultação de cadáver e Diego de Sá a 18 anos por homicídio qualificado. Ministério Público vai recorrer da decisão.

Após dois dias de julgamento do caso Jéssica Moreira Hernandes, jovem de 17 anos que foi assassinada a facadas em um “teste de fidelidade”, os dois primos acusados do crime foram condenados pelo Tribunal do Júri em Cerejeiras (RO). A sentença começou a ser lida pelo juiz Bruno Magalhães Ribeiro por volta de 23h10 desta quinta-feira (23).

Depois da votação dos jurados, ficou decidido que todos os réus seriam condenados. Ismael José da Silva, que namorava Jéssica na época do crime, foi condenado a um ano de reclusão e 10 dias multa por ocultação de cadáver. Ele ainda pode recorrer e cumprir a pena em liberdade.

Já o primo dele, Diego de Sá Parente, foi condenado a 18 de reclusão por homicídio qualificado e mais um ano também por ocultação de cadáver. Ele não tem o direito de recorrer da decisão em liberdade. A pena inicial será cumprida em regime fechado.

Foto: Eliete Marques/G1

A sentença foi anunciada depois das 23h10 desta quinta-feira. Seis homens e uma mulher formaram o corpo do júri. O Ministério Público informou que também irá recorrer da decisão.

Em entrevista ao G1, Ismael informou que discorda da decisão. “Não esperava esse resultado, pois sou inocente. Em nenhum momento ocultei cadáver. Vamos recorrer da decisão. Eu sou inocente de tudo”, disse.

A advogada dele Shara Eugênio de Souza contou que irá aguardar e analisar o caso para possíveis medidas futuras sobre a condenação do réu.

“Nós vamos aguardar para ter uma análise certa de nosso posicionamento. Com relação ao homicídio, foi acatado pelo Conselho da Sentença a negativa de autoria. Em relação a ocultação de cadáver, o Conselho não acatou a nossa tese. Ainda vamos sentar para termos uma posição”, explicou.

O advogado Fernando Milani e Silva, defesa de Diego de Sá, também informou que não concorda com a decisão do júri. “A todo momento, perguntei para Diego se ele era culpado ou não, mas ele sempre disse que era inocente. Nós com certeza vamos recorrer”, disse.

Na parte da tarde, o Ministério Público de Rondônia (MP-RO) chegou a pedir a condenação de ambos os réus pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver. O MP-RO pediu a condenação de Ismael e Diego por homicídio com quatro qualificadoras: motivo torpe, feminicídio, recurso que impossibilitou a defesa da vítima e meio cruel.

O motivo é que o órgão concordou com a versão concluída pela Polícia Civil durante as investigações, onde apontam que Ismael cometeu o crime e Diego auxiliou o primo. Além disso, diz que ambos ocultaram o corpo da jovem.

Para o MP-RO, Diego teria atraído Jéssica para a casa da mãe dele com a desculpa de que mostraria à vítima provas de que o primo, seu então namorado, a traia.

Durante a manhã, Diego foi interrogado por mais de três horas e chegou a se emocionar. O réu a todo momento reiterou que foi Ismael quem matou a namorada e ele apenas ajudou a ocultar o corpo. O júri seguiu até o começo da tarde, onde ocorreu uma pausa para o almoço.

No primeiro dia do júri, 11 pessoas foram ouvidas, sendo elas oito testemunhas e três informantes – pessoas que têm alguma ligação com os réus e com a vítima. Uma testemunha, um policial civil, foi dispensada por não ter participado da investigação.

Cronologia do 1° dia de júri

  • Júri começou às 9h da manhã, com sorteio de júri.
  • Primeiro depoimento foi de uma investigadora da Polícia Civil.
  • Testemunha seguiu falando até por volta de 13h. Outro policial foi dispensado.
  • 11 pessoas foram ouvidas, sendo elas oito testemunhas e três informantes – pessoas que têm alguma ligação com os réus e com a vítima.
  • Ismael é ouvido durante a noite pelos jurados.
  • O júri seguiu até 23h em Cerejeiras.

Como Jéssica foi morta?

Jéssica foi assassinada com golpes de faca após um suposto teste de fidelidade. A garota foi encontrada morta no dia 24 do mesmo mês, na Linha 4, zona rural de Cerejeiras. A vítima tinha apenas 17 anos.

O que alegaram os réus?

Diego alegou o tempo todo que o primo, Ismael, era um namorado extremamente ciumento e estava desconfiado da infidelidade de Jéssica. Por conta disso, o chamou para fazerem um teste de fidelidade com a garota.

Diego disse que foi ameaçado por Ismael para ajudar a esconder o corpo da garota. Porém, a defesa apresentou provas no julgamento, em 2017, que Ismael estava no trabalho no horário do crime, e o réu foi absolvido.

Após ser liberado, o Ministério Público de Rondônia (MP-RO) entrou com recurso e a 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça foi unânime em determinar que Ismael também fosse julgado pelo júri popular.

Fonte: g1/ro

Idoso é preso por estupro a mulher dentro de ônibus de viagem em RO

Suspeito alegou que estava bêbado e não lembra se passou a mão na mulher. Outro caso de estupro foi registrado em Porto Velho, na Zona Leste.

Um idoso, de 60 anos, foi preso no último sábado (18) por suspeita de estupro dentro de um ônibus de viagem. O ônibus seguia pela BR-364 de Ariquemes a Porto Velho. O suspeito alegou estar bêbado e não lembrar do ocorrido.

Segundo o registro da ocorrência, uma senhora 49 anos informou à polícia que estava viajando em um ônibus quando, em determinado momento, o homem sentado ao lado passou a mão pela perna da mulher. Ela disse que retirou a mão do homem da coxa dela e dormiu em seguida.

A vítima ainda conta que próximo ao município de Itapuã do Oeste acordou e percebeu a mão do suspeito dentro da sua roupa, tocando nos órgãos genitais. A mulher informou ao motorista do ônibus e quando chegou à rodoviária em Porto Velho, acionou a polícia.

O suspeito, questionado pela polícia, afirmou que estava bêbado e se lembrava de ter passado a mão na perna da vítima, mas não se recordava de ter colocado a mão na região genital da mesma. O homem recebeu voz de prisão e foi levado à Central de Polícia.

Zona Leste

Na Zona Leste de Porto Velho, uma adolescente de 17 anos com deficiência auditiva foi abusada sexualmente na noite do sábado (18), por dois homens que a abordaram em uma motocicleta.

A mãe da jovem informou aos policiais que a filha, que é surda e muda, havia saído de casa para ir ao supermercado. Algumas horas depois a mulher recebeu uma ligação com a informação de que a vítima estava em um posto de combustível.

Ao chegar no local, a adolescente contou à mãe que foi abordada por dois homens armados em uma motocicleta, que a obrigaram a subir na moto e a levaram a uma região de mata. No local os suspeitos rasgaram a roupa da jovem e a estupraram.

O crime foi registrado na delegacia da região, que investiga o caso.

Fonte: g1

Dois casos suspeitos de sarampo são notificados em Guajará-Mirim, RO

Um deles já foi descartado e o outro aguarda retorno de exames. No sábado (18), acontece o “Dia D” da Campanha de Multivacinação e 40% do grupo infantil foi vacinado.

Dois casos suspeitos de sarampo foram notificados pelo Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Ambiental (Nuvepa) de Guajará-Mirim (RO), cidade a pouco mais de 330 quilômetros de Porto Velho. Um deles já foi descartado e o outro aguarda retorno de exames para ser confirmado ou não.

Conforme a responsável pela Rede de Frio da Nuvepa, Zilda Santos, quando acontece notificação de casos onde há suspeita de sarampo, ocorre o bloqueio vacinal.

“Quando somos informados do local onde há suspeito da doença, nós realizamos o bloqueio vacinal. Vacinamos todas as pessoas da residência ou do local de trabalho. Mas, pra que isso seja feito, é preciso que a população informe dessas suspeitas”, destacou.

Em Guajará-Mirim, por enquanto, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), apenas 40% do público infantil já foi vacinado contra o sarampo e a póliomelite. No próximo sábado (18), acontece o “Dia D” da Campanha de Multivacinação contra as doenças em todo país.

No município, nove pontos de atendimentos estarão disponíveis para vacinação, além do Distrito do Iata, Zona Rural de Guajará-Mirim. Com baixo índice de vacinação atingido, a Secretaria de Saúde destaca que a prioridade da campanha é para as crianças maiores de 1 ano e menores de 5 anos.

Fonte: g1

CIMCERO faz licitação supostamente direcionada com advogado suspenso pela OAB

Coleta de lixo no interior foi feita através de concorrência pública que facilita o direcionamento; processo já se arrasta há mais de um ano

O Consórcio Público Intermunicipal de Rondônia – CIMCERO, entidade de direito público que engloba uma série de municípios do Estado, vem promovendo licitações para coleta de lixo no interior. Ainda em julho de 2017  o CIMCERO deu início a promoção de uma “concorrência pública” e dela participaram quatro empresas, a Amazon Fort, Paz Ambiental, Preserva soluções e MXP Incineração. A própria escolha da modalidade de contratação já é duvidosa, afinal deveria ser através de um pregão e não concorrência, onde não há disputa de preços e tem duas fases recursais, o que causa uma demora em um processo que poderia ter sido simplificado se tivesse sido adotado o método de pregão, mais célere com apenas uma fase recursal, oferecendo ampla competitividade e disputa pelo menor preço.

Porém, além de ter optado por um modelo desnecessário, o procedimento está cheio de falhas que apontam para um suposto direcionamento favorecendo a empresa Amazon Fort, e o mais grave, o procurador do CIMCERO, responsável pelos pareceres jurídicos do processo, estava com seu registro na OAB suspenso à época do procedimento, tendo sido regularizado apenas após uma denúncia feita à própria OAB e ao Tribunal de Contas do Estado.

De acordo com a denúncia, o advogado Francisco Altamiro Pinto Júnior estava com sua OAB suspensa. A entidade, por questões internas, não revela o motivo da suspensão, mas ela foi retirada há pouco mais de três semanas, porém, todos os atos praticados como procurador da entidade pública, deveriam ter sido considerados nulos, já que ele não estava apto à época dos fatos.

OAB do procurador do CIMCERO estava suspensa na época de seu parecer

O valor da licitação é relativamente baixo, se levarmos em consideração as vultosas somas que normalmente estão envolvidas quando o assunto é lixo, pouco mais de R$ 2,3 milhões. O Tribunal de Contas foi notificado de todas as irregularidades, e o procedimento poderá ser suspenso.

As empresas que disputam o processo preferem que a licitação seja extinta e que seja feito um novo procedimento, na modalidade pregão, que é bem mais rápido e garante maior transparência e rapidez.

A concorrência pública é uma modalidade onde os participantes devem estar presentes, já o pregão é eletrônico e muito mais econômico, além disso, na modalidade concorrência, os envelopes são entregues e ficam no órgão até que sejam abertos em data pré-estabelecida e durante esse período podem ocorrer fraudes, que já foram registradas em diversos processos licitatórios, tais como abertura dos envelopes com vapor de chaleira, e outros.

O parecer dado pelo procurador foi pela manutenção do processo, o que caracteriza descaso com a transparência e acende a luz vermelha em relação a essa licitação específica. Atualmente as empresas MPX, Preserva e Reserva estão atendendo o contrato emergencialmente, e apenas o CIMCERO que está complicando o processo, que já completou um ano em julho último e não foi solucionado por puro descaso.

O processo tramita em sigilo no Tribunal de Contas do Estado.

Nas margens do Rio Guaporé, primeiro vestibular é aplicado dentro de aldeia indígena em RO

Na aldeia Ricardo Franco, 14 indígenas participaram do processo seletivo para ingressarem no ensino superior. Provas são formadas por 20 questões objetivas e uma dissertativa.

Na aldeia Ricardo Franco, 14 indígenas com um sonho em comum, participaram do primeiro vestibular aplicado dentro de terras indígenas em Rondônia. Todos desejam ingressar na universidade. A prova foi aplicada nas margens do Rio Guaporé, próximo ao município de Guajará-Mirim (RO).

Para chegar na aldeia, a equipe que auxiliou no processo de aplicação das provas viajou por 10 horas, sendo seis horas na estrada e mais quatro pelo rio.

Professoras encararam 10 horas de viagem para chegarem a aldeia (Foto: Maíra Bittencourt/ Arquivo Pessoal )

Os 14 indígenas, de nove aldeias diferentes, se inscreveram para o curso de Licenciatura em Educação Básica Intercultural, na Universidade Federal de Rondônia (Unir), no campus de Ji-Paraná (RO). O curso existe há 10 anos com a finalidade de formar educadores para atuarem nas escolas indígenas. O vestibular foi realizado no último sábado (11).

Uma das inscritas é Gleiciane Canoé, ela fez o vestibular em 2013, mas não foi aprovada. Por causa das dificuldades no deslocamento, precisou abandonar por cinco anos o sonho de tentar novamente uma vaga na universidade.

“Quando eu soube que ia ter vestibular aqui eu até me assustei, porque todos os vestibulares são na cidade. Quando falaram que ia ser aqui eu pensei, vou me inscrever o mais rápido possível porque eu não quero perder”, disse Gleiciane.

Gleiciane é professora na escola da aldeia, ela leciona para os alunos do 1º ao 4º ano do ensino fundamental. Segundo ela, a vontade de continuar estudando é justamente para melhorar seu desempenho como docente.

Escola na aldeia

Na escola da aldeia são ministradas aulas para alunos do 1 ao 9 ano (Foto: Maíra Bittencourt/ Arquivo Pessoal )

A aldeia Ricardo Franco foi formada por índios que migraram de Rio Branco (AC), durante a década de 1970, período em que indígenas da região foram escravizados em seringais. A primeira escola deu início as atividades em 1984.

Atualmente no local funciona o ensino fundamental do 1º ao 9º ano. Para cursar o ensino médio os alunos precisam se mudar para Guajará-Mirim ou Costa Marques, que são os municípios mais próximos. Devido a distância e custos financeiros, muitos jovens fazem apenas o ensino fundamental.

De acordo com Maísa Macurapi, que é diretora da escola de educação básica da aldeia, todos queriam que o vestibular fosse realizado lá por causa das dificuldades de deslocamento até a universidade.

“Gasta muito combustível e para se manter lá também é muito caro”, contou a diretora.

Processo seletivo

Segundo a colaboradora, Arlene Balieiro, que também acompanhou a equipe na aplicação das provas, as questões foram elaboradas pelo Departamento do curso de Licenciatura Intercultural. A prova continha 20 questões objetivas e uma dissertativa. Por causa do calendário diferenciado, os índigenas, neste caso, não fazem o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

O vestibular acontece em seis municípios de Rondônia. 437 candidatos indígenas estão inscritos atualmente. Eles disputam uma das 50 vagas para o curso de Licenciatura em Educação Básica Intercultural.

A prova específica para os povos indígenas é realizada desde os anos 2000 por oito universidades públicas. Dezoito anos depois, pela primeira vez em Rondônia, os alunos não precisam ir até a universidade para fazer o vestibular.

Fonte: g1