Terceirizados param limpeza em hospitais do DF para cobrar salário atrasado

Funcionários terceirizados da limpeza em quatro hospitais públicos do Distrito Federal paralisaram as atividades na tarde de segunda-feira (13) para cobrar o pagamento do salário em atraso. Segundo a categoria, os vencimentos deveriam ter sido pagos no dia 7.

A Secretaria de Saúde informou que “trabalha para quitar a dívida e está aguardando dotação orçamentária para realizar o pagamento”. Segundo a pasta, a previsão é que isso ocorra até o fim da semana.

Os locais afetados pela paralisação são Taguatinga, Ceilândia, Materno-Infantil (Hmib) e Hemocentro. Os funcionários são da empresa Ipanema.

Os terceirizados recebem salário de R$ 1.052,22 e tíquete-alimentação de R$ 27,50 por dia. O sindicato não tem estimativa de quantos trabalhadores aderiram à paralisação, já que o ato ocorre por turno de trabalho (que dura oito horas).

Fonte: g1

Estado do Rio paga hoje salários de servidores de maio e junho

Rio – O governo do Estado do Rio de Janeiro quita nesta segunda-feira, 14, todos os salários atrasados do funcionalismo público referentes a maio e junho. Os valores devidos serão pagos aos servidores ativos, inativos e pensionistas.

Segundo a Secretaria de Estado de Fazenda, ainda serão quitados nesta terça-feira, 15, os vencimentos de julho, para todo o funcionalismo e pensionistas.

O valor total a ser depositado pelo Estado nos dois dias de pagamentos totalizará R$ 1,84 bilhão. O montante inclui os 50% restantes dos salários de julho da área de Segurança, que estão sendo pagos hoje.

Os depósitos estavam previstos para ocorrer na próxima sexta-feira, 18, mas foram antecipados. O banco Bradesco, vencedor da licitação de administração da folha de pagamento do funcionalismo, teria cinco dias úteis para depositar R$ 1,3 bilhão como pagamento pela exclusividade do serviço.

Os valores pendentes de maio e junho somam R$ 836,7 milhões, enquanto os de julho totalizam R$ 620 milhões, além dos R$ 383,18 milhões referentes aos 50% restantes do pagamento de julho dos ativos, inativos e aposentados da Segurança – Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Administração Penitenciária e órgãos vinculados.

A primeira parcela dos salários desse grupo foi paga antecipadamente pela Secretaria de Fazenda na última sexta-feira, 11, quando também foi quitado o pagamento de julho dos servidores ativos da Educação e Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase).

Segundo a secretaria, os pagamentos seriam realizados ao longo do dia, mesmo após o fim do expediente bancário.

Fonte: exame.com

Sindicato protocola na justiça pedido para que Caerd finalize folha de pagamento de junho

Sindicato protocola na justiça pedido para que Caerd finalize folha de pagamento de junho

O Sindur protocolou uma denúncia na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE-RO) por decorrência do atraso dos salários de junho e julho de aproximadamente 35 trabalhadores da Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia – CAERD.

A empresa havia informado que no dia 9 seria creditado para todos o salário de junho e isso não ocorreu.

Foi alegado também na denúncia um novo desrespeito com os trabalhadores, devido ao fato de estarem iniciando o pagamento da folha de julho sem a conclusão dos pagamentos de salários de junho.

Salário e Tickets dos Transpostos

O Sindur informou que ontem (10) foi realizado um crédito em sua conta referente a um ticket, e estarão providenciando o depósito hoje (11), em cheque, para o credor, nas contas bancárias informadas pela empresa. Explicou, ainda, que não foi possível cadastrar as contas para pagamento via transferência bancária.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por salários, vigilantes de hospitais e escolas do DF param atividades

Por salários, vigilantes de hospitais e escolas do DF param atividades

Vigilantes do Distrito Federal cruzaram os braços na manhã desta terça-feira (8) para cobrar os salários atrasados. A paralisação afeta serviços escolas e hospitais. As mobilizações ocorrem em frente aos hospitais do DF.

Segundo o sindicato da categoria, os vencimentos de 3,5 mil profissionais deveriam ter sido depositados até o quinto dia útil do mês, ou seja, na segunda (7).

As empresas alegam que não receberam o repasse do governo. A Secretaria de Saúde informou que aguarda recursos para a realização do pagamento dos prestadores de serviço. “A previsão é de que até a próxima semana a situação seja regularizada”, diz a pasta.

Já a Secretaria de Educação disse que não tem conhecimento de paralisações e que o pagamento aos terceirizados está sendo feito regularmente conforme edital e contrato. “Se houver paralisação, a pasta irá adotar as medidas cabíveis para que ocorra o cumprimento do contrato.”

O salário-base de vigilantes é de R$ 2.454. Além disso, o tíquete alimentação é de R$ 32 por dia.

Fonte: g1/df

Reitores de universidades do RJ dizem que não há condição de iniciar 2° semestre

Reitores de universidades do RJ dizem que não há condição de iniciar 2° semestre

Os reitores das três universidades estaduais do Rio de Janeiro enviaram carta ao secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Pedro Fernandes, alertando que caso não seja normalizado o pagamento do 13º salário de 2016 e os vencimentos de abril, maio e junho deste ano, as universidades estaduais do Rio de Janeiro (Uerj), do Norte Fluminense (Uenf) e a Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo) não terão condições de iniciar as aulas no próximo semestre.

As três universidades de ensino estão fechando o segundo semestre de 2016, iniciado em abril, depois de um longo período de greve, devido à crise financeira do governo do estado. Servidores e docentes estão com os salários atrasados, bem como o pagamento de bolsas a alunos.

Os reitores destacam que a paralisação ou descontinuidade das atividades educacionais ocasionará um grave prejuízo direto a mais de 150 mil alunos da rede pública de ensino superior e às atividades econômicas e sociais ligadas às instituições.

O documento esclarece que o término do atual semestre só será possível graças ao comprometimento dos professores, quadro técnico e das empresas prestadoras de serviço.

A carta cita ainda uma ação movida pela Ordem dos Advogados do Rio (OAB-RJ) que obriga o governo do estado a pagar os servidores das universidades na mesma data em que remunera os servidores da secretaria.

Agência Brasil entrou em contato com a Secretaria de Ciência e Tecnologia e aguarda resposta sobre a carta dos reitores das universidades estaduais com relação à falta de condições de iniciarem as aulas no próximo semestre.

Fonte: agenciabrasil

Funcionários do Theatro Municipal do Rio fazem protesto contra salários atrasados

Funcionários do Theatro Municipal do Rio fazem protesto contra salários atrasados

Os funcionários do Theatro Municipal do Rio faziam um protesto contra os atrasos de salários na manhã desta terça-feira (9). A manifestação acontecia nas escadarias do Municipal e contava com integrantes da orquestra sinfônica, do coro e do corpo de baile da casa. Segundo o sindicato que representa a categoria, o salário de fevereiro foi o último pago.

“Chegamos a um ponto no qual os funcionários sequer têm dinheiro para vir trabalhar. Muitos estão endividados e precisam pedir dinheiro emprestado para comprar comida”, disse o presidente do Sindicato dos Funcionários do Theatro Municipal, Pedro Olivero.

Bailarinos, coro e orquestra do Municipal faziam a apresentação de obras de Beethoven, Orff e Bizet no Centro do Rio. O evento atraiu uma multidão às escadarias do Theatro, o que interrompeu o trânsito na Rua Evaristo da Veiga.

Funcionários do Theatro Municipal fazem manifestação no Centro do Rio (Foto: Carlos Brito/ G1)
Funcionários do Theatro Municipal fazem manifestação no Centro do Rio (Foto: Carlos Brito/ G1)

Devido à situação financeira, muitos espetáculos, como ‘O lago dos cisnes’, de Tchaikovsky, precisaram ser cancelados. A ópera ‘Norma’, de Vincenzo Bellini, precisou ser transformada apenas em concerto. Outrativeram que ser adiadas para o segundo semestre.

O corpo de funcionários do Theatro Municipal é formado por 550 pessoas, entre artistas e técnicos. O orçamento anual da casa é de R$ 50 milhões – sendo R$ 2 milhões dedicados à folha de pagamento.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Cultura informou que negocia auxílio federal para resolver a situação.

Grupo se reunia em frente ao Theatro Municipal, Centro do Rio (Foto: Carlos Brito/ G1)
Grupo se reunia em frente ao Theatro Municipal, Centro do Rio (Foto: Carlos Brito/ G1)

Com 3 salários atrasados, médicos param e suspendem cirurgias em MT

Com 3 salários atrasados, médicos param e suspendem cirurgias em MT

Cerca de 20 cirurgias marcadas para esta segunda foram suspensas.
Cronograma para regularizar pagamentos não foi cumprido, diz médico.

Médicos do Hospital Regional de Cáceres, a 220 km de Cuiabá, paralisaram as atividades nesta segunda-feira (20) para cobrar o recebimento de três salários atrasados, referentes aos meses de dezembro, janeiro e fevereiro. Cerca de 20 cirurgias que estavam marcadas para esta segunda foram suspensas, segundo o médico oncologista Eduardo Marques.

“Só atendo pelo SUS, não tenho outro emprego, e então essa é minha única fonte de renda. Só estamos pedindo o que é justo”, reclama o especialista. Ao todo, a unidade tem quase 90 médicos.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde informou que as pendências financeiras com os hospitais regionais estão sendo resolvidas gradativamente e que ainda não foi notificada sobre a paralisação dos médicos em Cáceres. Afirmou que até o final deste dia dará um novo posicionamento acerca dessa situação.

De acordo com o médico oncologista, só estão sendo atendidos os casos de urgência e emergência, os pós-operatórios e os pacientes que fazem quimioterapia.

Na unidade, são realizadas cirurgias geral, oncológica, pediátrica, ortopédica, urológica, além de neurocirurgia. Todos os médicos que fazem esses tipos de procedimentos pararam. “A maioria dos médicos trabalha em escala de plantão e estão operando só emergências”, afirmou Marques.

O hospital está superlotado. “Há muito tempo temos pacientes em macas nos corredores. O aumento no número de pacientes é constante, principalmente depois que a unidade de saúde de Pontes e Lacerda teve problemas, e é lamentável termos que parar por causa de salários, mas também temos contas para pagar e queremos receber pelo que trabalhamos”, declarou o profissional.

No ano passado, segundo o médico, a Secretaria de Saúde fez um cronograma para regularizar os pagamentos de salário, que não está sendo cumprido. Tanto que no mês passado, os profissionais receberam o salário referente a novembro de 2016. A intenção seria regularizar os pagamentos até abril deste ano.

O médico explicou que no último dia 10, conforme anúncio feito posteriormente, deveria ter sido pago o salário de dezembro, o que também não foi cumprido. “Temos um documento do secretário de saúde, de dezembro do ano passado, com as datas de pagamento de janeiro, fevereiro, março e abril, mas nada foi cumprido. A OS (Associação Congregação de Santa Catarina) fala que só vai pagar quando o governo cumprir com o compromisso”, relatou.

O médico disse que os profissionais só querem que o estado e a OS resolvam a situação para que o atendimento seja normalizado e os pacinetes não sejam penalizados.

A unidade faz em torno de 200 quimioterapias por mês, mas, de acordo com médico, o estado só paga 120. O restante é custeado pela Associação e Congregração de Santa Catarina. “Como vamos criticar a OS, sendo que a demonstração que temos aqui é de que eles assumem o que não é nem de responsabilidade deles?”, avaliou.

Em fevereiro, a Secretaria de Saúde informou que sete hospitais regionais (de Cáceres, Sinop, Sorriso, Colíder, Alta Floresta, Várzea Grande e Rondonópolis) estavam com os repasses atrasados e que a dívida com as unidades era de R$ 73,8 milhões.

Fonte: g1/mt

Salários de servidores da educação e segurança são pagos no Rio

Justiça não pode descontar IR de honorários advocatícios, diz TJ-PR

Pagamentos, que totalizam R$ 920 milhões, são relativos ao mês de janeiro.

O governo do Rio de Janeiro deposita nesta terça-feira (14) os salários integrais de janeiro dos servidores da Educação, Segurança e Administração Penitenciária, além dos bombeiros. No caso dos servidores da Educação, será depositado o valor apenas para os ativos. Para os demais setores, serão beneficiados também os aposentados e pensionistas.

O valor líquido a ser depositado é R$ 920 milhões. Neste mês, os salários serão pagos com os reajuste estabelecido em 2014: agentes da Polícia Civil (10,22%), bombeiros e policiais militares (7,65%), agentes penitenciários (3,24%) e delegados da Polícia Civil (3,3%).

Os aumentos salariais, estabelecidos em 2014, devem ser pagos em cinco parcelas, das quais cinco já foram concedidas. Os dois reajustes restantes serão pagos em 2018 e 2019.

Cinco prefeitos da Baixada Fluminense estão desaparecidos

Cinco prefeitos da Baixada Fluminense estão desaparecidos

Chefes do executivo de Mesquita, São João de Meriti, Nova Iguaçu, Caxias e Belford Roxo não foram mais vistos no exercício de suas funções.

Prefeitos das cidades de Mesquita, São João de Meriti, Nova Iguaçu, Caxias e Belford Roxo, na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, não foram mais vistos exercendo as suas funções, nas últimas semanas. Para piorar, em todos os municípios onde os chefes do executivo estão desaparecidos, os funcionários estão com salários atrasados.

De acordo com informações do RJTV, da Rede Globo, Dennis Dauttmam (PCdoB), prefeito de Belford Roxo, não aparece há três semanas.

“Ele não tem vindo, não, diz uma funcionária do gabinete, sem se identificar.

Em Mesquita, Gelsinho Guerreiro não aparece há mais de dois meses na sede do governo.

Em Caxias, Alexandre Cardoso (PSD) não estava, mas servidores disseram que ele tem aparecido.

Em Nova Iguaçu, ninguém sabia se Nelson Bornier (PMDB) estava na sede da prefeitura, mas muitas pessoas esperavam uma chance de se reunir com ele. Ele perdeu a reeleição.

Já em Meriti, um funcionário foi bem sincero quanto à possibilidade de falar com o prefeito Sandro Matos (PHS): “Falar com ele, final de governo, fica mais difícil”, explicou, sem revelar a identidade.

As prefeituras se pronunciaram: a de Caxias afirmou que Alexandre Cardoso tem cumprido uma agenda diária, enquanto a de Nova Iguaçu garantiu que Bornier é o primeiro a chegar e o último a sair da sede do governo. A de Meriti informou que Sandro Matos esteve em Brasília. Nas prefeituras de Belford Roxo e de Mesquita, ninguém atendeu as ligações.

Fonte: noticiasaomiinuto

Médicos entram com ação na Justiça contra atraso salarial no Rio

Médicos entram com ação na Justiça contra atraso salarial no Rio

Conselho Regional da categoria está processando o governo do Estado.

O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) entrou na Justiça com uma ação civil pública contra o governo do Estado contra o atraso salarial da categoria.

As informações são da coluna Radar On-Line, da revista Veja, desta segunda-feira (26).

De acordo com o jornal, o Cremerj pede urgência no pagamento integral dos salários, além de demais benefícios. Em algumas das unidades de saúde, os médicos não recebem há 120 dias.

Fonte: noticiasaominuto