Corpos do ministro Teori Zavascki e de empresário chegam ao IML

Corpos do ministro Teori Zavascki e de empresário chegam ao IML

Desde às 5h30, os bombeiros retomaram o resgate dos corpos de um homem e uma mulher, que permanecem dentro do avião.

Três dos cinco corpos que foram resgatados de dentro da aeronave que caiu no litoral de Paraty, no sul fluminense, foram encaminhados durante a madrugada desta sexta-feira (20/1) ao Instituto Médico-Legal (IML) de Angra dos Reis, para que sejam identificados. De acordo com o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, os trabalhos terminaram à 1h40. Entre os corpos está o do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), o do empresário Carlos Alberto Fernandes Filgueiras e de uma mulher ainda não identificada.

Desde às 5h30, os bombeiros retomaram o resgate dos corpos de um homem e uma mulher, que permanecem dentro do avião. O trabalho conta com homens do Grupamento de Busca e Salvamento do Rio de Janeiro, do Quartel dos Bombeiros de Paraty e da Capitania dos Portos.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro afirma que uma equipe de perícia criminal do Instituto de Criminalística Carlos Éboli e de papiloscopistas do Instituto de Identificação Felix Pacheco fazem a perícia e ajudam na identificação dos corpos. A investigação do acidente aéreo está a cargo do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes (Cenipa) da Aeronáutica.

Fonte: correiobraziliense

Filho de Teori fala em ‘pesadelo’ e ainda manda mensagens ao pai

Filho de Teori fala em ‘pesadelo’ e ainda manda mensagens ao pai

Francisco Prehn Zavascki esteve com Teori Zavascki ontem, em Porto Alegre. O assunto da última conversa foi a família.

Um dos filhos do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, morto nesta quinta-feira, Francisco Prehn Zavascki esteve com o pai ontem (quarta-feira), em Porto Alegre. Conversaram sobre a família e ele perguntou pelos netos. Francisco foi avisado da tragédia pelo STF.

Ainda em estado de choque com a morte do pai, ele falou ao site da VEJA:

Como o senhor ficou sabendo da morte de seu pai? Foi por volta das 18 horas, pelo Supremo Tribunal Federal. Como havia muita gente me ligando para perguntar sobre o acidente, resolvi fazer um post no Facebook comunicando oficialmente que ele estava dentro do avião.

Quando o senhor se encontrou com ele pela última vez? Ontem (quarta-feira, 18) ele veio me visitar em Porto Alegre. Conversamos longamente. Foi um encontro muito bom. Jantamos juntos. Em seguida, ele viajou a Paraty. Ficamos nos falando pelo WhatsApp até a hora do almoço. Ele embarcou por volta das 13h.

Vocês conversaram sobre o quê? Falamos sobre diversos assuntos. Sobre amenidades, sobre a família. Ele quis saber da minha irmã, que é casada e tem três filhas e dos outros dois netos que são filhos do meu irmão. Foi isso. Falamos sobre a vida.

Ele tinha falado para você dessa viagem? Falou, sim. Ele já estava com essa viagem marcada fazia algum tempo. Ele iria tirar uns dias de férias com uns amigos.

O senhor sabe se ele estava levando consigo processos da Lava Jato? Posso tentar confirmar essa informação, mas acho impossível, pois os processos da Lava Jato são todos eletrônicos. Ele costumava andar com pendrives debaixo do braço. Mas não acredito. Ele estava indo a Paraty passar uns dias de folga e não acredito que ficaria trabalhando, olhando delação. Pode ter certeza.

Dada a importância do ministro no processo da Lava Jato, muita gente passou a veicular a hipótese de que não tenha sido um simples acidente. Passa algo do tipo pela sua cabeça? Ninguém parou para pensar sobre isso. Não quero nem pensar nisso agora. Mas certamente haverá uma investigação que vai esclarecer tudo. Vamos esperar para ver. Na verdade, estou mantendo a esperança que isso tudo é um pesadelo e que ele vai me ligar a qualquer momento. Fico mandando mensagens para ele a toda hora achando que ele vai ler e dizer que está bem.

Fonte: veja.com

Senador e advogado “previram” morte de Teori Zavascki?

Teori não sofria ameaças sérias, diz Paulo Odone

Mensagens de senador e advogado ganham projeção na internet por terem supostamente antecipado a morte do ministro Teori Zavascki.

Uma postagem feita no Twitter pelo senador José Medeiros (PSD-MT) na tarde desta quinta-feira causou alvoroço nas redes sociais.

No texto, publicado pouco antes que a morte de Teori Zavascki se tornasse pública, o político escreve que “uma bomba de forte impacto no Brasil, envolvendo STF”, seria noticiada em breve. Foi o bastante para que alguns internautas insinuassem que o senador soube anteriormente da morte do ministro.

José Medeiros explicou que estava numa reunião com Michel Temer, pouco antes das 16h, quando o presidente recebeu um telefonema com a confirmação de que Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, estava no avião que havia caído. A postagem em questão foi feita assim que o senador deixou o encontro. As informações são da Folha de S.Paulo.

“Não quis colocar (o nome do ministro) porque ninguém havia noticiado”, afirmou o político. “Daqui a pouco vão dizer que eu matei o ministro”, acrescentou o senador, em tom de deboche.

A confusão se tornou ainda maior por conta de características do próprio Twitter. Se um usuário cadastrado no Brasil acessa a postagem, ela aparece no horário real em que foi feita: às 16h58m (ou 15h58m para quem está no Nordeste).

Caso um internauta que não esteja logado numa conta abra o mesmo link, contudo, o horário exposto é outro, de 10h58m, em virtude do fuso-horário norte-americano.

José Medeiros também explicou uma postagem feita pouco depois, direcionada ao procurador André Figaro, em que escreveu: “Quem será o próximo ministro?”.

O texto levou a mais suposições na internet, dando a entender que o senador teria informações sobre a futura indicação a ser feita pelo presidente Michel Temer para a vaga de Teori Zavascki.

Segundo o político, tratava-se de uma brincadeira com o procurador, que, no passado, teria acertado a indicação do também ministro Dias Toffoli para o STF.

Assassinato

Outra postagem que gerou polêmica, também no Twitter, foi a do advogado Adriano Argolo.

Em mensagem publicada às 12:33, uma hora antes da tragédia que tirou a vida de Teori Zavascki, Argolo alerta para a possibilidade de assassinatos em decorrência da quebra de sigilo das delações da Odebrecht no âmbito da Lava Jato no STF.

“Vou avisar porque depois vão culpar Lula e o PT… Delação da Odebrecht entregando políticos de vários países vai gerar assassinatos”, escreveu o advogado.

Questionado por internautas sobre o teor de sua mensagem, Argolo escreveu: “Não sou adivinho, mas tenho visão, não visões espirituais, mas visão política. Esse é o sentido do que falei sobre delações e assassinatos”.

Fonte: pragmatismopolitico

Com morte de Teori, Janot prevê atraso em caso Odebrecht

Janot defende foro só em casos de crimes cometidos durante exercício do cargo

Por horas, Janot se recusou a pensar na hipótese da morte do ministro, e, quando ela foi confirmada, decretou luto na PGR e recomendou firmeza.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, estava na Suíça quando recebeu a notícia sobre a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki.

Imediatamente, ordenou o cancelamento de todos os seus compromissos no país e decidiu que retornaria nesta sexta-feira, 20, ao Brasil, chegando a Brasília no fim do dia.

A pessoas próximas, admitiu que, agora, o que está em jogo é a investigação da Operação Lava Jato.

Com a morte do relator do caso no STF, Janot prevê que a homologação das delações da Odebrecht deve sofrer atrasos e que não mais haveria condição de que sejam realizadas no início de fevereiro, como estava planejado.

Na Procuradoria-Geral da República, os cálculos são de que, se os casos da Lava Jato forem redistribuídos a um outro ministro, a homologação dos 950 depoimentos da construtora poderiam ser adiadas em pelo menos três meses.

Nesta quinta-feira, 19, assessores do Supremo informaram que audiências com os 77 delatores da Odebrecht para confirmar que concordaram em colaborar com a Lava Jato serão canceladas.

A expectativa era de que Teori e sua equipe começassem nesta semana as audiência.

Nesta fase, os delatores não precisariam entrar no mérito das denúncias, mas apenas informar se foram coagidos ou não a firmar o acordo de delação com o Ministério Público.

Em um rápido pronunciamento à imprensa na noite de quinta-feira, a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, evitou comentar o futuro dos processos da Lava Jato após a morte de Teori.

“Não estudei nada, por enquanto”, disse ao ser questionada sobre que ministro ficaria com a relatoria dos inquéritos.

“Minha dor é humana, como tenho certeza de que é a dor de todos os brasileiros depois de perder um juiz como este”, afirmou a ministra.

Cooperação

Janot estava na Suíça para discutir com o procurador-geral do país europeu avanços na cooperação em relação às investigações.

No encontro, ele pediria o congelamento de novas contas e tentaria estabelecer uma forma de garantir que as novas delações da Odebrecht pudessem contar com o apoio dos suíços.

Berna teria a função de confirmar contas e as informações prestadas pelos executivos brasileiros.

Para tentar evitar uma exposição, Janot escolheu um hotel modesto de três estrelas em Berna, longe do centro da cidade. Mesmo assim, na recepção, foi reconhecido por um grupo de estudantes estrangeiros.

Foi justamente quando avaliava o que dizer aos suíços que recebeu a notícia. Numa primeira ligação, ouviu de fontes oficiais que o avião acidentado levava o ministro.

Ainda assim, torcia para um final feliz. A pessoas próximas, já alertava que, se a morte fosse confirmada, seria um abalo à Lava Jato.

Seu telefone não parava de tocar, de receber mensagens e mesmo alertas sobre dúvidas relacionadas ao “suposto acidente”.

Por horas, Janot se recusava a pensar na hipótese da morte do ministro e pedia calma a todos. Uma de suas preocupações era justamente a pressão que sofreria o MP para apurar a “tese do assassinato”.

Com a confirmação da morte, dizia que sentia que estava sonhando. Imediatamente, mandou a PGR decretar luto oficial e insistia que o momento era de mostrar firmeza. Desaba depois, recomendava.

Pressionado a dar uma declaração à imprensa, insistia que o momento era de luto e que não falaria além da nota oficial. Mas quem esteve com Janot na noite desta quinta-feiraescutou dezenas de vezes que o Brasil estava sendo colocado à prova.

“Teori era destemido, sério e íntegro”, diz Dilma em nota

Dilma é intimada a depor em defesa de Marcelo Odebrecht

“Como juiz e cidadão, Teori se consagrou como um intelectual do Direito, zeloso das leis e da Justiça”, disse a ex-presidente.

“Hoje perdemos um grande brasileiro”, disse a ex-presidente Dilma Rousseff, lamentando a morte do ministro Teori Zavascki, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Dilma divulgou a nota de pesar em seu site. No texto, ela lembra que foi responsável pela indicação do magistrado ao cargo, em 2012, e ressalta que ele desempenhou sua função “com destemor, como um homem sério e íntegro”.

O ministro foi vítima de um acidente aéreo no início da tarde desta quinta-feira (19) em Paraty, no Rio de Janeiro. Outras três pessoas estavam no avião.

Ele era relator da Operação Lava Jato e decidiria se a corte vai ou não homologar o acordo de delação premiada de 77 executivos da Odebrecht.

Abaixo, veja a íntegra da nota de Dilma.

“É com imenso pesar que recebo a notícia da trágica morte do ministro Teori Zavascki. Hoje perdemos um grande brasileiro. Como juiz e cidadão, Teori se consagrou como um intelectual do Direito, zeloso das leis e da Justiça. Tive o privilégio de indicá-lo para ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), com ampla aprovação do Senado. Desempenhou esta função com destemor como um homem sério e íntegro.

Lamento a dor da família e dos amigos, recebam meus sentimentos de pesar e respeito.”

Fonte: exame.com

Temer decreta luto de 3 dias após morte de Teori

Temer decreta luto de 3 dias após morte de Teori

Presidente da República lamentou a morte do ministro do STF em um pronunciamento público no Palácio do Planalto na tarde desta quinta-feira (19).

O presidente da República, Michel Temer (PMDB) decretou luto de três dias após a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki. Temer fez um pronunciamento público no Palácio do Planalto na tarde desta quinta-feira (19).

“Neste momento de luto, manifesto eu e a minha equipe, aos familiares do ministro e demais integrantes do voo, meu sentimento de pesar, sentimento de todos os brasileiros”, afirmou Temer.

Ele afirmou que a trajetória profissional “impecável” de Teori a favor do direito e da justiça o distinguiram. “Presto homenagem a quem tanto serviu à classe jurídica, aos tribunais e à justiça brasileira”, disse Temer.

Fonte: exame.com

Bombeiros localizam três corpos dentro do avião que caiu em Paraty

Bombeiros localizam três corpos dentro do avião que caiu em Paraty

O quarto passageiro ainda não foi localizado. Os corpos estão presos nas ferragens.

Os bombeiros já localizaram três corpos dentro da aeronave que caiu em Paraty (RJ) nesta tarde. O quarto passageiro ainda não foi localizado. Os corpos estão presos nas ferragens. O empresário Carlos Emiliano, dono da aeronave e da Emiliano Empreendimentos e Participações Hoteleiras, era quem pilotava o avião King Air C90, que decolou do Campo de Marte, em São Paulo às 13h01 e caiu perto da Ilha Rasa, em Paraty, na Costa Verde fluminense, a menos de uma hora após a decolagem.

Chovia forte na região e a Defesa Civil municipal decretou estágio de atenção. Neste momento, o mar está revolto, e as equipes de resgate do Corpo de Bombeiros tentam estabilizar o avião. De acordo com bombeiros, os mergulhadores da equipe de buscas e salvamento, do Rio, tentam erguer o avião que está submerso a aproximadamente 4 metros de profundidade. As condições do mar na região atrapalham as buscas.

Fonte: agenciabrasil

Veja a repercussão internacional da morte de Teori Zavascki

O que será da Lava Jato sem Teori?

De acordo com a BBC, Teori era responsável por uma investigação massiva de corrupção relacionada com a Petrobras.

A imprensa internacional repercutiu as informações sobre a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, vítima de um acidente aéreo em Paraty, no Rio de Janeiro, hoje.

Os jornais Washington Post e ABC News, com informações da Associated Press, e o El Pais, Clarín e BBC informaram que a morte foi confirmada pelo filho do ministro, Francisco Prehn Zavascki, através de seu Facebook, minutos após também escrever que seu pai estava na lista de passageiros do avião.

Segundo o El Pais, “todos os olhos políticos do país seguiam os passos” de Zavascki devido a seu papel nas investigações da Lava Jato.

“Se esperava que Teori Zavascki decidisse em fevereiro se aceitaria as confissões que implicavam centenas de políticos, incluindo os núcleos duros do governo atual, de Michel Temer, e do anterior, de Dilma Rousseff”, de acordo com o jornal.

De acordo com a BBC, Teori era responsável por uma investigação massiva de corrupção relacionada com a Petrobras que levou à prisão de “dezenas de políticos e alguns dos empresários mais ricos do Brasil”.

Fonte: exame.com