Temer: será difícil Dilma resistir três anos e meio com popularidade em 7%

Mas ao mesmo tempo, o vice-presidente parecia otimista ao explicar que com as medidas que estão sendo tomadas, ele acredita que o quadro possa melhorar

“Ninguém vai resistir três anos e meio com esse índice baixo (7%)”, foi o que disse o vice-presidente da Republica, Michel Temer, sobre os baixos índices de aprovação do governo da presidente Dilma. Ele estava em uma rodada de conversas com empresários nesta quinta-feira (3/9), em São Paulo.
[su_frame align=”right”] [/su_frame]
Mas ao mesmo tempo, Temer parecia otimista ao explicar que com as medidas que estão sendo tomadas, ele acredita que o quadro possa melhorar. Também falou que Dilma é “guerreira”, e não é “de renunciar”.

Para ele, uma melhora no cenário econômico e político do país poderiam recuperar a confiança no governo, mas explica que é necessário trabalhar, e espera que “o governo vá até 2018”.

Durante o evento promovido pela socialite Rosangela Lyra, o vice-presidente também disse que sua polêmica declaração sobre a necessidade de o País ter alguém que o “reunifique” aconteceu num momento em que era preciso afirmar a gravidade da crise. Temer lembrou que Dilma havia reunido os governadores para falar da atual situação econômica mas, pouco depois, o Congresso aprovou pautas-bomba, que aumentam os gastos da União.

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário