Uniron remaneja acadêmicos após queima de ar-condicionado e eles reclamam “época de ditadura”

[su_frame align=”right”] [/su_frame]Porto Velho  – A unidade da Faculdade Uniron, instalada no Porto Velho Shopping está com problemas em seu sistema de ar-condicionado. Uma peça chamada “Chiller” teria queimado e como se trata de um equipamento importado, deve levar cerca de 20 dias para chegar. Neste meio tempo, a direção da faculdade optou por remanejar as turmas para a os outros campus (na Avenida Mamoré) e no colégio Classe A. Os estudantes se queixam, porém, de não terem sido ouvidos sobre essa decisão, “a instituição não consultou nenhum líder ou aluno para fazer, simplesmente determinou como se fosse em época de ditadura, não se preocupando com transporte e nem analisando se algumas turmas coincidiam seus horários”, explicou o acadêmico Welington Franco Pereira, da turma D61, de Direito.

Ele afirma ainda que, “quando se deu o transtorno com a queima do aparelho de imediato procurou a Coordenação Pedagógica solicitando meios para viabilizar as aulas”. Ele explica que alocaram sua turma no Núcleo de Pratica Jurídica (NPJ) da Instituição, local este, segundo ele, “que não comporta todos os acadêmicos de forma que atenda a condições dignas de aula”, devido a falta de espaço físico, e se queixa ainda que a faculdade não forneceu transporte para os alunos, já que o NPJ  fica no campus da Mamoré.

“Se não estão satisfeitos, procurem outra faculdade”

Ainda segundo Welington, no último dia 13 foi realizada uma reunião entre sua turma e uma das coordenadoras do curso estava na sala. Ele disse que a reunião se transformou em um “bate-papo”, e nada foi resolvido. Durante a conversa, os alunos pediram condições dignas de aula e transporte, porém a coordenadora pedagógica disse que isso não era de sua responsabilidade e sim da direção administrativa da instituição. Ela teria declarado ainda que “se não estamos satisfeitos com a instituição que procuremos outra que atenda aos anseios por nós almejados”, ou como segunda opção que eles aguardassem esse período “transitório” em nossas casas faltando as aulas que nem por isso seriamos reprovados uma vez que para se reprovar por falta tem que ter mais de 25% de falta.

Segundo o acadêmico, cerca de 60% dos alunos de sua turma dependem do transporte público para ir a faculdade e muitos pegam 6 ônibus (3 para ir e 3 para voltar) após ter sido feita esse remanejamento, sendo que alguns precisam sair de casa por volta das 17 horas para conseguir chegar no horário. Os estudantes reivindicam a transferência para o colégio Classe A, devido a sua localização.

 

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário