VÍDEO: após discussão, bombeiro atira na perna de entregador

Segundo o militar, ele teria disparado para impedir que o homem agredisse um cachorro. A vítima, no entanto, contesta versão do bombeiro

O desentendimento entre um bombeiro militar aposentado e um morador do Gama quase terminou em tragédia no último domingo (5/8). O entregador Áthilla Cotrim, 32 anos, caminhava pela EQ 7/9 com o cachorro quando um bombeiro, identificado como Jorge Bento da Silveira, o abordou. Jorge insinuou que Áthilla agredia o animal e, depois de uma discussão, atirou na perna esquerda da vítima.

Áthilla fez vídeos durante o bate-boca. Em determinado momento, Jorge Bento informa para a vítima que é policial. Áthilla sugere, então, que os dois passem em uma delegacia e toma as chaves do carro do militar. Nessa hora, o bombeiro ameaça atirar no rosto de Áthilla, mas efetua o disparo na perna dele.

A bala atravessou a perna do entregador. O caso aconteceu próximo à residência da vítima. Familiares de Áthilla o socorreram, levando-o para o Hospital Regional do Gama (HRG). Áthilla teve a perna imobilizada e, após atendimento médico, prestou depoimento na 20ª Delegacia de Polícia (Gama Oeste).

Abalada, a vítima avalia que Jorge Bento exagerou na abordagem. “Eu só estava colocando o cachorro para dentro de casa. Estava com um pedaço de madeira na mão, apenas para impedir que ele avançasse em outras pessoas. Em nenhum momento, eu agredi o meu cachorro”, explicou.

De acordo Áthilla, o bombeiro aposentado aparentava sinais de embriaguez. “Ele estava muito alterado. Pegou o pedaço de madeira e usou para me agredir. Depois do disparo, ele ainda ficou caminhando pela minha rua, com a arma na mão. Estou com medo. Uma pessoa que deveria salvar a vida das pessoas, quase acabou tirando a minha”, desabafou.

Abuso de autoridade

Advogada de Áthilla, Vanessa Ramos acredita que Jorge Bento abusou da função. “Antes de tudo, ele mentiu ao dizer que era um policial. De qualquer forma, se o Áthilla estivesse, de fato, agredindo o cachorro, o que ele deveria fazer enquanto militar era alertar e pedir para que o Áthila parasse, e não agredi-lo”, disse.

Segundo Vanessa, o caso deveria ser tratado como tentativa de homicídio qualificada por motivo torpe. “Ele ameaçou o Áthilla, por várias vezes, dizendo que atiraria no rosto dele. Os dois estavam separados por apenas 1m de distância. Ele não tinha nenhum direito de amendrotar alguém assim, independentemente da situação”, destacou.

Apesar disso, Jorge Bento foi indiciado por lesão corporal leve e disparo em via pública. Na delegacia, alegou que efetuou o disparo em legítima defesa. Mesmo com indícios de haver ingerido bebida alcoólica, nenhum policial pediu que ele se submetesse ao teste do bafômetro.

Em nota, o Centro de Comunicação do Corpo de Bombeiros confirmou que Jorge Bento é major aposentado da corporação. A intenção dele, com o disparo, era “cessar agressão por parte de um cidadão a um cachorro”. O Corpo de Bombeiros informou, ainda, que Jorge Bento teria advertido Áthilla verbalmente e que o homem não o obedeceu.

A Corregedoria da corporação acompanhará a situação do bombeiro e adotará as medidas necessárias. A 20ª DP investiga o caso.

A reportagem é de Augusto Fernandes, do Correio Braziliente

Anúncios
Alan Alex é jornalista, editor do site e da coluna Painel Político. Natural de Porto Velho foi criador e editor do site Portal364, trabalhou na redação dos jornais Diário da Amazônia, Folha de Rondônia, revista Painel Político, foi assessor de imprensa, é roteirista, editor de conteúdo e relações públicas. Também atuou como repórter de TV e rádio. É filiado à ABRAJI.

Participe do debate. Deixe seu comentário